Análises, História dos Quadrinhos, quadrinhos
Deixe um comentário

Wolverine e o Slogan da Tostines

“Sabe, só tô fazendo pra aumentar as vendas”. Wolverine em X-Force#120 (X-Men Extra#11)

“Sabe, só tô fazendo pra aumentar as vendas”. Wolverine em X-Force#120 (X-Men Extra#11)

Há alguns anos se questionava a presença massiva de Wolverine em capas de revistas e sua participação em histórias de diversas equipes mutantes e de outros heróis da Marvel. O que ninguém pode negar é que Wolverine vende. Isso é um fato. Entretanto aqui se aplica o famoso questionamento da Tostines: È Wolverine por que vende mais ou vende mais por que é Wolverine?

Tudo começou em uma história do Hulk contra Wendigo, de Len Wein e John Romita Sr., em 1974. Wolverine é um agente do serviço secreto canadense e entra no pau com o Gigante Esmeralda. No fim, claro, tudo é resolvido. O bandido perde, a mocinha é salva.

Os X-Men nesse tempo sofriam uma terrível baixa de vendas e vinham se sustentado a duras penas com republicações. Eis que surge Giant Size X-Men revitalizando a equipe mutante e trazendo novos pupilos para Xavier. Wolverine é um deles, um pálido e apático personagem que não conseguia se fazer perceber na equipe. Logan viu tudo mudar em sua vida quando o anglo-canadense John Byrne assumiu o lugar de Dave Cockrum no desenho. Byrne conseguiu dar força suficiente ao seu conterrâneo para que o transformasse no mais popular x-man.

Violência. Sangue. Ação. Instintos animalescos. Um passado misterioso. Todos eles eram os temperos necessários no caldeirão de Chris Claremont e John Byrne para os primeiros anos de Wolverine e se tornaram constantes em sua vida quadrinística desde então. Esses elementos agradavam ao leitor, cansado de heróis contidos e politicamente corretos como Super-Homem e Capitão América. Os tempos eram outros, a violência urbana e familiar começava a exibir índices de crescimento. A derrota na Guerra do Vietnã havia deixado muitas seqüelas na mente e na honra dos americanos. Anti-heróis como Lobo e Justiceiro surgiam. Wolverine e os X-Men estavam, então, em franca ascensão.

Agora é a minha vez!

Wolverine: “Agora é a minha vez!”

Infelizmente chegou um derradeiro momento, que se percebeu que se colocassem Logan na capa da revista, ah… era o paraíso dos investimentos. A Marvel seguiu este caminho e começou a colocar o Wolverine em todas as revistas possíveis e imagináveis: Excalibur, Novos Mutantes, X-Factor, Hulk, Homem-Aranha, todos recebiam a inesperada visita de Wolverine nas suas revistas… e as vendas aumentavam. Inúmeras minisséries, sejam solo ou com Logan fazendo parceria com heróis como Nick Fury foram lançadas. Wolverine, nessa fase, chegou inclusive a fazer parte do Quarteto Fantástico! Por quê? Ora, vocês ainda perguntam?! Aqui se aplicava o princípio do é Wolverine porque vende mais.

Surgiram inúmeras versões para a origem do baixinho canadense e o personagem ficou mais “misterioso” e confuso do que nunca. Se ele não podia dizer nada de seu passado, muito menos nós…

Vende mais porque é Wolverine ou é Wolverine porque vende mais?

Vende mais porque é Wolverine ou é Wolverine porque vende mais?

Em 1992, com a estréia da série animada dos mutantes e com seu coerente incremento na popularidade dos X-Men, Wolverine tornou-se uma variável controlável do marketing da Marvel. Wolverine, ao lado do Homem-Aranha, passou a representar a editora. Inúmeros produtos foram lançados com o baixinho canadense no rótulo, desde canetas até sucos e sopas de letrinhas. Todas um sucesso de venda. Quer melhor situação para a Marvel? Além de ganhar royalities sobre os seus personagens, ainda tinha merchandising gratuito para suas revistas: — Mãe! Olha a revista do carinha da camiseta! Compra! Eu vi na TV!

Bons tempos… foi nesses tempos que a maioria de nós foi fisgado pela “onda X-Men”. Mas tudo que é bom dura pouco e a Marvel pediu falência… Os produtos derivados desapareceram das prateleiras. A popularidade baixou e as vendas caíram. Reconheceram que não adiantava colocar personagens populares e belos desenhos para que uma publicação desse certo, muito menos personagens chupados de outros (Youngblood e WildC.A.T.S. que o digam!), eram necessárias argumentos coerentes e consistentes. A Marvel fez uma faxina na casa e pelo final da década de 90, começou a contratar nomes premiados e de peso para a sustentação de histórias mais polêmicas e maduras. Dentre eles, Chris Claremont, o mestre em X-Men, haja visto a sua permanência no título: 19 anos ininterruptos.

iogurte, sopa, manteiga.

Wolverine: iogurte, sopa, manteiga.

Wolverine continuava ali, agora um pouco mais de canto, depois de perder o adamantium e o nariz (ué? tudo em nome das vendas, pessoal!), mas sempre alavancando as vendas de qualquer herói capenga que lhe estendesse a mão. O nosso querido peludo viu sua estrela brilhar novamente com o anúncio de X-Men, o Filme(2001). Qualquer fã de X-Men que se preze podia apostar todas as fichas em que Wolvie iria protagonizar essa série. Resultado: maaaais popularidade para o Tio Logan e para os pupilos do Chuck. No segundo filme, X2(2003), Wolverine pode mostrar a que veio e liberou toda a agressividade contida na primeira película. Isso bastou para que os espectadores caíssem de joelhos e pedissem bis. Realmente, a maior parte da ação ficou nas mãos (cheias de garras) de Wolverine.

Influenciadas pelo filme, as revistas aposentaram os uniformes colantes coloridos e desfilaram a nova coleção de roupitchas feitas com couro e metal. As revistas também passaram por uma reformulação, ganharam temáticas novas e independentes, mas mesmo figurando no Top Ten, das revistas mais vendidas nos EUA, todas elas estão atreladas, pois coincidência ou jogo de mercado, todas contam com a participação supra-especial do canadense. Aqui se aplica, vende mais porque é Wolverine.

Estréia em maio

Wolverine Origins: Estréia em maio

E Wolverine não ajudou apenas à popularidade dos X-Men, ele alçou a carreira de Hugh Jackman, que hoje é reconhecido como um dos melhores atores surgidos nos útimos tempos e tido como sex symbol (apesar de representar o Wolverine). No filme que será lançado em maio deste ano ficaremos sabendo um pouco mais do passado do mutante de garras de adamantium e, ironicamente, ocorrerá um fator inverso ao que acontece nas revistas. Ao invés de termos a participação de Wolverine em diversos títulos, teremos “aparições especiais” de inúmeros personagens dos quadrinhos: Gambit, Emma Frost, Espectro, Deadpool, Raposa Prateada, Blob e até o Bico. De qualquer forma, a Marvel já preparou um batalhão de revistas com Wolverine na capa para aquele mês. 11 no total.

Mas, afinal, é Wolverine por que vende mais ou vende mais por que é Wolverine? Bom, aí vocês me pegaram… Essa é uma daquelas Perguntas Eternas.

Coluna publicada originialmente no site Mutação.com sob a assinatura de Discípulo X.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s