Quadrinhos e Violência, por Mikal Gilmore

Orquídea Negra, por Neil Gaiman e Dave McKean.
Orquídea Negra, por Neil Gaiman e Dave McKean.

“(…) Orquídea Negra chega a uma conclusão redentora e imprevisível. Aliás, em 1988, quando a obra apareceu pela primeira vez nas lojas especializadas em quadrinhos, em três episódios, diversos leitores tiveram dificuldade em aceitar que o conto realmente terminara no ponto e da forma como se encerrou, e ficaram na espera por um quarto volume que o encerrasse em terreno mais familiar. Afinal, no mundo dos quadrinhos – assim como no do cinema, da literatura e da política internacional –, qualquer conto que começa com violência necessariamente deve terminar com violência (afinal, fora matar o oponente, são poucas as táticas que resolvem uma disputa com a mesma eficácia). Além disso, a violência tem ganhado certo prestígio estético nos quadrinhos. Há momentos em que parece que a mídia foi projetada para fazer convite à contemplação de atos brutais e conflitos físicos. Numa página de quadrinhos, você pode congelar um ato enquanto ele acontece ou mesmo antes de ele acontecer; pode estudá-lo em detalhe, sua lógica e sua arte, e ao fazê-lo talvez possa conjeturar quanto aos mistérios da violência – ou seja, entender não apenas como ela acontece, mas também por quê. Se estudarmos tais momentos por tempo o bastante, talvez possamos encontrar uma maneira de impedir que os mesmos se repitam no mundo ao nosso redor – ou talvez simplesmente fiquemos com tamanha repulsa a tais atos que a violência real nos intrigue menos. Ou ainda, quem sabe, o inverso: ao congelar um instante de violência na página, talvez queiramos apenas encontrar uma maneira mais eficaz de curtir a violência, de examiná-la em minúcias e nuances, demorada e prazerosamente”.

Mikal Gilmore, editor e colaborador da Rolling Stone (1991). Excerto da introdução à Edição Definitva de Orquídea Negra, de Neil Gaiman e Dave McKean (Panini, 2013). É interessante ler esse texto principalmente depois de ter lido o filme e assistido ao filme de Laranja Mecânica, de Anthony Burgess e Stanley Kubrick. Quadrinhos (assim como o cinema, a literatura e a política internacional) não são só ação, não só violência, não são só blablabla. Não são só feitos para divertir e também não são feitos só para se refletir. Quadrinhos, como toda forma de arte, sevem de catarse e também são uma forma de se expressar, seja pelas escolhas que fazemos produzindo ou fruindo os mesmos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s