10 Motivos, Análises, quadrinhos
Comentários 3

10 Motivos que tornam A Saga do Monstro do Pântano um quadrinho fundamental

Abby Cable e o Monstro do Pântano fazendo sexo animal/vegetal.

Abby Cable e o Monstro do Pântano fazendo sexo animal/vegetal.

No post anterior havia dito que o grotesco mudava sua cara com as histórias do Monstro do Pântano. Aqui vão algumas razões:

  1. A série foi um perfeito veículo para Moore. Apesar de ter a participação esporádica de super-heróis da DC, geralmente mantinha-se independente deles, dando a base para a origem da linha Vertigo.
  2.  Ajudou a tornar os quadrinhos mais sofisticados, focando num público adulto.
  3.  Foi a primeira história em quadrinhos de horror a aproximar-se de uma perspectiva literária desde os quadrinhos da EC Comics.
  4.  A história trazia uma mensagem subjetiva hippie de paz, amor e harmonia, enquanto a criatura percorria uma área incomum do universo de horror.
  5.  Iniciou uma tendência, depois continuada por Neil Gaiman, de unir o vasto rol de personagens sobrenaturais da DC Comics e interligá-los.
  6.  Fez as vendas saltarem de 17.000 para 100.000 exemplares, levando a DC a colocá-lo para roteirizar histórias de personagens mais conhecidos.
  7. Foi um dos primeiros quadrinhos da “invasão inglesa”, cujo objetivo era trazer quadrinistas ingleses, conhecidos por seus trabalho em revistas como 2000 A. D., para retrabalharem os personagens da DC Comics. Assim como Morrison fez com o Homem-Animal e Gaiman com Sandman.
  8. Uma das primeiras histórias americanas a trabalhar o conceito de desconstrução do personagem com a típica frase “Tudo que XX sabia sobre si mesmo era uma mentira”.
  9. A partir do número 29, trazendo nudez, corpos em decomposição, incesto e necrofilia, contrariando muitas normas do CCA e se tornando a primeira revista mensal a ser publicada sem o seu selo.
  10. Constantine: criado por Moore visualmente inspirado no cantor Sting, era um mago inglês de classe operária. Em Gótico Americano, ele prepara Monstro do Pântano para um confronto em uma batalha épica entre as forças do céu e inferno.

A seguir: Roteiristas contemporâneos de HQ e seus momentos grotescos.

Anúncios
Este post foi publicado em: 10 Motivos, Análises, quadrinhos

por

Guilherme “Smee” Sfredo Miorando nasceu em Erechim em 1984. É mestrando em Memória Social e Bens Culturais, onde pesquisa quadrinhos. Já deu aula de quadrinhos, trabalhou com design e venda de livros e publicidade. Faz parte do conselho editorial da Não Editora. Co-roteirizou o premiado curta-metragem Todos os Balões vão Para o Céu. Seu livro de contos Vemos as Coisas como Somos foi selecionado pelo IEL-RS em 2012. Publicou em 2014 a HQ Fratura Exposta e sua primeira narrativa longa, Loja de Conveniências. Em 2015 lançou a antologia FUGA, de HQs com seu roteiro. Em 2016 lançou a HQ coletiva Lady Horror Show e a HQ "muda" Esperando o Mundo Mudar. Mantém o blog sobre quadrinhos splashpages.wordpress.com

3 comentários

  1. Pingback: As 10 HQs Mais Bem-Avaliadas do Guia dos Quadrinhos | Splash Pages

  2. Não foi a história do homem aranha, onde Harry Osborn esta usando droga, a primeira sem o CCA? Ou essa historia não foi mensal?

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s