Porque as Revistas dos Super-Heróis Premium eram legais.

Já se falou muito de porque as Premium da Abril não funcionaram. No momento econômico atual não se acharia absurdo uma revista em quadrinhos de 170 páginas a preço de 10 reais, mas nos idos de 2000, a coisa foi um fracasso, fazendo a Abril perder a licença da Marvel e retornar ao formatinho para as revistas da DC. A economia mudou, o público mudou e o comportamento do consumidor de quadrinhos acompanhou essas mudanças. Mas, muita gente não acompanhou as revistas Premium e, em seu conteúdo, elas traziam histórias bastante interesssantes. Como algumas que vou citar agora.

TERRA DOIS, DE GRANT MORRISON E FRANK QUITELY (EM SUPERMAN PREMIUM)

Terra Dois, de Grant Morrison e Frank Quitely (em Superman Premium)
Terra Dois, de Grant Morrison e Frank Quitely (em Superman Premium)

A revista do Super trazia essa minissérie muito elogiada lá fora e aqui dentro, repetindo essa pareceria de artistas que sempre deu certo. A história era o primeiro encontro pós-crise da Liga da Justiça com o Sindicato do Crime, as versões maléficas dos heróis, com direito ao único super-herói bonzinho da Terra, Lex Luthor.

TITÃS, DE DEVIN K. GRAYSON E MARK BUCKINGHAM (EM SUPERMAN PREMIUM)

Titãs, de Devin K. Grayson e Mark Buckingham (em Superman Premium)
Titãs, de Devin K. Grayson e Mark Buckingham (em Superman Premium)

Devin sempre soube utilizar muito bem os personagens que escreve, dando a eles um carisma único. Buckingham, muito antes de Fábulas, nos mostrava heróis adolescentes com caras e jeitos de adolescentes. Tinha humor, ação e conflitos internos na medida certa. Até hoje lembro da Lian falando pro Aqualad “Pesse do Tio Bânquia!”.

A TORRE DE BABEL, DE MARK WAID E HOWARD POTTER (EM SUPERMAN PREMIUM)

Depois da saída de Morrison, coube a Mark Waid se encarregar da Liga da Justiça. Uma das sagas mais memoráveis e que se tornou um desenho animado foi Torre de Babel. Nela, Thalia Al Ghul se apossa de planos para derrotar a Liga da Justiça indo atrás de suas fraquezas. O problema se agrava quando os heróis descobrem que quem havia criaqdo esses arquivos havia sido Batman, seu próprio colega de equipe.

O RETORNO DO HERÓI, DE GEOFF JOHNS E MATT SMITH

O Retorno do Herói, de Geoff Johns e Matt Smith
O Retorno do Herói, de Geoff Johns e Matt Smith

Um dos primeiros trabalhos de Johns com o Lanterna Verde, que tornou Hal Jordan popular novamente. Nesta história que são utilizados os mais diferentes super-heróis místicos da DC Comics, uma proto-equipe do Pacto das Sombras, chamada Os Sentinelas da Magia. Aqui o Espectro enlouquece (pra variar) e os Sentinelas precisam achar um novo hospedeiro para ele. Trazem, então, Hal Jordan de volta dos mortos e ele se torna o novo Espectro.

BISHOP: O ÚLTIMO X-MAN, DE JOE HARRIS E GEORGES JEANTY (EM X-MEN PREMIUM)

Acabada a saga Os Doze, Bishop é mandado para o fim dos tempos, e lá acaba recrutando uma equipe de mutantes para lutar contra o Cronomante, que no final se revela sendo seu arquiinimigo Trevor Fitzroy. Uma história bem bolada, desligada totamente da confusa e atribulada cronologia dos mutantes, que qualquer um poderia acompanhar, mesmo se trtando de Bishop, um mutante perdido no tempo.

X-MEN: OS ANOS PERDIDOS, DE JOHN BYRNE (EM X-MEN PREMIUM)

X-Men: Os Anos Perdidos, de John Byrne (em X-Men Premium)
X-Men: Os Anos Perdidos, de John Byrne (em X-Men Premium)

Entre 1971 e 1975 houve um hiato na publicação dos X-Men, que só foi retomada com a Segunda Gênese dos heróis, com Wolverine, Tempestade, Colossus, Noturno, entre outros. Assim, Byrne resolveu contra o que aconteceu com os X-Men Originais nesse tempo obscuro. As histórias são muito divertidas, mostrando que os X-Men já haviam enfrentado a Fênix e encontrado Tempestade muito antes do que se lembravam.

VIÚVA NEGRA, DE DEVIN K. GRAYSON E J. G. JONES (EM HOMEM-ARANHA PREMIUM)

Nessa minissérie, publicada pelo selo Marvel Knights, Natasha Romanov acaba conhecendo a OUTRA e nova Viúva Negra, Yelena Belova, criando uma trama de espionagem e guerra, onde a ameaça do “outro” é apresentada de uma maneira nova e revigorante.

JUSTICEIRO, DE GARTH ENNIS E STEVE DILLON (EM GRANDES HERÓIS MARVEL PREMIUM)

Já falei bastante aqui sobre o Justiceiro de Ennis. Foi com ele que aprendi a gostar do personagem, entendê-lo um pouco mais e às suas histórias.

VINGADORES ETERNAMENTE, DE KURT BUSIEK E CARLOS PACHECO (EM GRANDES HERÓIS MARVEL PREMIUM)

Uma equipe de Vingadores com cada integrante deslocado de uma parte da história dos Heróis Mais Poderosos da Terra precisa enfrentar a dupla ameaça de Kang e Immortus, dois vilões temporais. Utilizando de vários momentos memoráveis dos Vingadores, Busiek e Pacheco dão um show de fanboyzice que agrada a leitores que conhecem e desconhecem esses momentos.

TORNEIRO DE CAMPEÕES II, DE CHIS CLAREMONT, PHIL JIMENEZ E MATT RYAN (EM HOMEM-ARANHA PREMIUM)

Torneiro de Campeões II, de Chis Claremont, Phil Jimenes e Matt Ryan
Torneiro de Campeões II, de Chis Claremont, Phil Jimenes e Matt Ryan

O primeiro Torneio de Campeões foi, historicamente, o primeiro grande crossover/evento da Marvel. Essa segunda minissérie foi uma tentativa de resgatar aquele clima. Um dos melhores trabalhos recentes de Chris Claremont, lembra uma espécie de Marvel vs. DC que deu certo, com direito a subtramas, mortes e retornos e conspirações entre vilões e heróis.

Viram? Os super-heróis premium não foram tão maus assim.

Anúncios

8 Comments

  1. Oi, amigo. Vc poderia me dizer em quais edições de Homem Aranha Premium foi publicada o Torneio dos Campeoes II? Gostaria de contar com elas em minha coleção. Um forte abraço!

    Curtir

    1. Olá policial intergalático da cidade engarrafada! Torneio de Campeões II foi publicado na íntegra em Homem-Aranha Premium #4. Abraços e boa leitura!

      Curtir

  2. Realmente era caro na época, e por isso parei de ler quadrinhos por uns tempos. Voltei quando a Abril tentou trazer o formatinho de volta, mas falhou após cinco edições. Se formos fazer a correção monetária pelo IGMP de 2000 até 2016, hoje essa revista estaria custando aproximadamente 35 reais. Imagine que em 2016 o quadrinho mais barato das bancas custe 35 reais e você irá entender o motivo do fracasso.

    Curtir

    1. Legal isso da correção monetária, Gregório! Sempre falei mal da estratégia Premium, mas que tinham boas histórias isso tinham, heheh! Valeu pela contribuição! Abs!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s