Análises, quadrinhos, Resenhas
Comentário 1

Quadrinhos Neuróticos: O Nada e Mais Alguma Coisa, de Woody Allen

Eu nem sabia que Woody Allen havia feito quadrinhos. Mas não só fez como protagonizava tiras diárias que foram produzidas entre 1976 e 1984 e circularam pelos jornais de todo o mundo, inclusive no Brasil. Não por acaso, o mesmo artista das tirinhas “Inside Woody Allen”, Stuart Hemple, também emprestou suas arte para sequencias, do talvez mais famoso filme do diretor, o oscarizado Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (Annie Hall).

Woody enquanto personagem de quadrinhos. Mais um aspecto da sua obra: a metalinguagem.

Woody enquanto personagem de quadrinhos. Mais um aspecto da sua obra: a metalinguagem.

Encontrei o livro O Nada e Mais Alguma Coisa abandonado num saldão de cinco reais em um sebo aqui de Porto Alegre, mas a realidade é que o livro valia muito mais que aquilo. Esta compilação de tinhas, originalmente chamada Nothing and Somethingness, foi publicada aqui no Brasil em 1978, pela editora L&PM, talvez um dos primeiros lançamentos da casa publicadora. A tradução das tiras é feitas por Ruy Castro, enquanto que os balões e a programação gráfica são feitos pelo mestre disneyniano, Renato Canini.

Woody vai (ou não vai?) à analista.

Woody vai (ou não vai?) à analista.

A edição me fez dar boas gargalhadas, sempre no tom autodepreciativo de Allen. Para além das críticas feitas ao diretor em sua vida pessoal, as tirinhas dele são um tira-gosto para os filmes. Recheadas de sua crítica amarga e pontual a vários aspectos da vida humana. No caso deste livros, estes aspectos estão divididos em 6, talvez os pontos focais da obra de Woody Allen: Filosofia, Psicanálise, Relações com o outro sexo, Traumas de família e infância, Fama & celebridade e As Forças do Mal. Talvez como efeito irônico, na página 86 encontrei uma traça fossilizada.

O Nada e Mais Alguma Coisa, de Woody Allen e Stuart Hemple (L&PM, 1978, 98 páginas, tradução de Ruy Castro)

O Nada e Mais Alguma Coisa, de Woody Allen e Stuart Hemple (L&PM, 1978, 98 páginas, tradução de Ruy Castro)

No Brasil, ainda saiu em 1981, pela editora Record, outro volume das tirinhas de Woody: A vida privada de Woody Allen. Hemple, que foi assistente do sensacional Al Capp, publicou em 2009 um livro chamado Dread & Superficiality: Woody Allen as Comic Strip. Hemple faleceu em 2010. Allen continua nos brindando com um filme novo a cada ano, ao menos. E também com novas e polêmicas versões sobre sua vida pessoal e que não estão no gibi.

1 comentário

  1. Pingback: As Melhores Graphic Novels Americanas que li em 2014 | Splash Pages

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s