música, quadrinhos, Quadrinhos Comparados
Deixe um comentário

Quadrinhos são como música para nossos ouvidos

“Os quadrinhos são o rock’n’roll da literatura, porque não dão necessariamente a eles aquele certo peso de respeito, mas são essa fascinante e empolgante mídia híbrida. Rock’n’roll não é exatamente um coisa só. Combina rockabilly, jazz, gospel – todos estes – e é copiado de si mesmo toda hora, tornando-o chato e azedo, mas toda vez que toma algo de fora de seu campo, e a absorve naquilo que está sendo feito, torna-se algo inerente e vital. Eu vejo a narrativa nos quadrinhos da mesma maneira. Quando as pessoas estão copiando algo de alguma coisa preexistente e tentando parecer com isso, não é interessante para mim, mas quando alguém está utilizando aquele formato que já está lá e se posicionando nos ombros de gigantes que já estiveram lá, mas adicionando algo novo, está dando o próximo passo e adicionando um novo e interessante vocabulário para o meio. É essa a maneira que me empolga”. – David Mack, em entrevista para Christopher Irving em Leaping Tall Buildings.

“Para mim, Kirby num sentido visual é como a escala de blues. Se você se interessa por blue, existem um monte de tipos diferentes de blues que você pode tocar. Nesse sentido, Kirby é como a blueprint do blues, se você olhar para os componentes dos quadrinhos como uma escala musical.(…)É a linguagem dos quadrinhos, da mesma forma que se você tocar um certo riff de blues isso se transforma numa canção de blues. Essa é a meneira que o vejo e como eu o uso”. – Paul Pope, em entrevista para Christopher Irving em Leaping Tall Buildings.

Anúncios
Este post foi publicado em: música, quadrinhos, Quadrinhos Comparados

por

Guilherme “Smee” Sfredo Miorando nasceu em Erechim em 1984. É mestrando em Memória Social e Bens Culturais, onde pesquisa quadrinhos. Já deu aula de quadrinhos, trabalhou com design e venda de livros e publicidade. Faz parte do conselho editorial da Não Editora. Co-roteirizou o premiado curta-metragem Todos os Balões vão Para o Céu. Seu livro de contos Vemos as Coisas como Somos foi selecionado pelo IEL-RS em 2012. Publicou em 2014 a HQ Fratura Exposta e sua primeira narrativa longa, Loja de Conveniências. Em 2015 lançou a antologia FUGA, de HQs com seu roteiro. Em 2016 lançou a HQ coletiva Lady Horror Show e a HQ "muda" Esperando o Mundo Mudar. Mantém o blog sobre quadrinhos splashpages.wordpress.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s