quadrinhos, Resenhas
Deixe um comentário

Dura lex, sed lex: A Lei de Canon, de Mark Millar, Kek-W e Chris Weston

Pegue um padre bem armado no juízo final. Ele sai matando pecadores. Só que, durante o juízo final, Deus se esqueceu de levar consigo as almas que ressuscitaram. O resultado: mais de 20 bilhões de almas sobre a Terra, e um caos digno do inferno. É nesse cenário que as maiores mentes de todos os tempos: Sherlock Holmes e o Doutor Moriarty bolam um plano. A tramóia resulta na morte dos dois, nus, dividindo a mesma cama e de pulsos cortados. Eles tinham ido para o céu com a missão de matar Deus por permitir que o caos se assolasse sobre a Terra.

Canon Law é uma espécie de Juiz Dredd, só que religioso. Ele faz parte da Patrulha Paroquial, uma espécie de Power Rangers dos Quatro Evangelistas do Juízo Final, cada um com sua cor temática. Mas acontece que só sobrou Canon, pois os outros desapareceram num evento envolvendo papéis de parede. Cabe a Canon manter a ordem num mundo pós-juizo-final.

Just Like a Prayer... your voice can take me there...

Just Like a Prayer… your voice can take me there…

A HQ de 100 páginas é dividida em dois arcos. O primeiro por Mark Millar e Chris Weston dá um gostinho do mundo, mas não o explora plenamente. Somos apresentados a ele através dos olhos de Watson, o fiel companheiro de Sherlock Holmes, que passa a narrar a história de Canon. Com a morte de Sherlock, resta pedir ajuda ao insano irmão do maior detetive do mundo, Thomas Wayne Jr. Mycroft Holmes. Assim, embarcam numa jornada de encontro com o seu Criador.

O segundo arco, dessa vez conduzido por Kek-W (pseudônimo do escritor e músico Nigel Long) é mais bem desenvolvido. Dessa vez, como personagem coadjuvante temos ninguém menos que o pai da psicanálise, Sigmund Freud. Mas durante a história também encontramos com Albert Einstein, Nicola Tesla, Júlio Verne e muitos outros grandes nomes da ciência e da ciência-ficção envolvidos em debelar uma ameaça ao plano terrestre: a matéria negra que compõe o universo.

A Liga dos Cavalheiros Extraordinários

A Liga dos Cavalheiros Extraordinários

Ambos os arcos tratam de conceitos metafísicos, mas enquanto o arco de Millar mal arranha a superfície do mundo de Canon, Kek-W vai além, falando de arquétipos, do inconsciente coletivo, do subconsciente, das leis da física moderna, da vida, do universo e tudo mais. E surpreende com um final pra lá de pop, pra não revelar muito.

A Lei de Canon, de Mark Millar, Chris Weston e Kek-W (204, Mythos Editora, 100 páginas, R$ 16,40)

A Lei de Canon, de Mark Millar, Chris Weston e Kek-W (204, Mythos Editora, 100 páginas, R$ 16,40)

Os desenhos de Chris Weston são um deleite à parte. Por acaso eu estou lendo a Saga The Horned God, de Slaine  (Slaine , o Deus Guerreiro, no Brasil) ao mesmo tempo. Essa história é desenhada por um Simon Bisley em começo de carreira. Não dá para negar a semelhança e a influência na arte de Weston. Também é possível enxergar um pouco de Bill Sienkiewicz. Seja nas arestas pontiagudas, o detalhismo da pintura e dos chanfros, as onomatopeias criadas especialmente por ele. Por outro lado, os desenhos conceituais de Weston são únicos, como quando desenha Deus, Satã e o mundo pós-juízo-final. Saber desenvolver mundos e designs de personagens são a prova de que é bom desenhista, ainda mais se pode ser comparado a nomaços como os que citei anteriormente.

Se a arte de Weston é de babar, casada com roteiros instigantes e que vão além da porradaria, dão à ficção especulativa – não sei se chamaria A Lei de Canon de Ficção Científica – um novo patamar. Talvez um patamar pertinho de um paraíso sem Deus.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s