Mês: agosto 2014

Rafaela, Cravo e Canela

Um Jogo com Você: Aos Cuidados de Rafaela, de Marcelo Saravá e Marco Oliveira

Uma das melhores histórias em quadrinhos brasileiras lançadas esse ano, Aos Cuidados de Rafaela, é como um jogo de provocações, é um gato e rato ao melhor estilo Nelson Rodrigues, como diz a quarta capa da HQ. A trama é a seguinte: após muitas tentativas, Nicolas acaba contratando Rafaela para cuidar de sua mãe, Aureliana, uma decadente cantora da Era de Ouro do rádio. Ele acaba se afeiçoando à garota e a desejando, embora Rafaela não dê motivos para isso. Com a morte de sua mãe, ele acaba, um conluio com seu amigo médico, inventando uma síndrome que o faz merecer os cuidados de Rafaela. Em, Aos Cuidados de Rafaela, os autores trabalham bem o silêncio na reação dos personagens, volta e meia aparece um quadro sem palavras apenas com os personagens encabulados ou escondendo uma emoção que está à flor da pele e que a imagem disso não pode negar. Também temos muitas interações aditivas entre quadros de coisas distintas que junto acarretam numa nova situação. Elas muito bem utilizadas aqui, como por exemplo …

O Quinto Beatle: A História de Brian Epstein, de Vivek J. Tiwary, Andrew C. Robinson e Kyle Barker (Editora Aleph, 2014, 168 páginas, R$ 59,90. Tradução: Delfin)

O Quinto Beatle: A História de Brian Epstein, de Vivek J. Tiwary, Andrew C. Robinson e Kyle Barker

Talvez você não conheça Brian Epstein, mas com certeza conhece os Beatles. A história dos quatro rapazes de Liverpool é difundida mundo afora em diversos filmes, documentários, memorabilia, livros, biografias, shows tributo, mas pouco se sabe da força por trás do fenômeno. E essa força foi Brian Epstein. Se fossemos comparar Brian com um personagem de filme, eu chamaria a atenção para a película The Wonders – O Sonho Não Acabou. No caso, o personagem de Tom Hanks teria sido inspirado em Epstein. Brian foi o primeiro empresário da banda e esteve junto com eles até o sucesso de Sargent Peppers’ Lonely Hearts Club Band. A vida de Epstein até conhecer os Beatles, havia sido lotada de fracassos. Quer dizer, não na sua vida profissional, mas no seu âmbito artístico. Brian era uma alma livre que era constantemente aprisionada. Suas ambições não davam certo, apesar do apoio incondicional da família. Para piorar, ele era gay, coisa que nos anos 60 era considerado crime e doença na Inglaterra. Além de não libertar sua alma para a …

Uma cena de OMAC, de John Byrne.

O Exército de um Homem Só: O.M.A.C., de John Byrne

Antes de falar da obra de John Byrne, ou melhor, da versão feita em 1994 por John Byrne para o O.M.A.C. (One Man Army Corps ou Exército de Um Homem Só), temos que falar de seus antecedentes. OMAC foi criado por Jack Kirby em 1974, no final de sua fase na DC Comics, na qual criou os Novos Deuses, Kamandi e Etrigan, o Demônio. O.M.A.C. talvez seja o projeto mainstream mais autoral de Jack Kirby, já que, no final do seu contrato com a DC, com essa série ele preenchia sua cota mensal de 15 páginas. O.M.A.C. tem uma origem estilo Shazam!, mas ele está mais para uma espécie de Capitão América que luta contra as corporações. Ele é Buddy Blank, ou na tradução literal, Chapa Branca, que é selecionado pelo Irmão Olho, uma espécie de Big Brother que a tudo controla e tudo vê, e é transformado em O.M.A.C.. A série de Kirby durou apenas 8 edições. A minissérie em quatro partes escrita por Byrne serviu para unir as pontas soltas da história de …

Entrevista com Mariana “Mazô” Paraizo, autora de Ateneu

Foi na última Parada Gráfica que eu a conheci. Ela estava ali no cantinho com suas HQs, conversando com uma menina, usando um gorro, talvez não acostumada com o frio de Porto Alegre. Tinham várias HQs sobre a mesa, uma mesa redonda, e um papelzinho escrito “Mazô”. O fanzine, colorido, chamava a tenção pela capa inusitada, sem título, mas com uma bela colagem: folhas secas, pintura em guache e uma estrelinha de uniforme (talvez indicando um a premiação, ou o primeiro número de muitos?). Ela perguntou “você é o menino que veio ontem?”, respondi que não. Não conhecia o trabalho da Mazô, mas depois fui dar uma checada no seu tumblr (mazotopia.tumblr.com) e achei muita coisa legal, como os quadrinhos de Viagem ao Centro da Terra. Uma HQ que deixaria qualquer amante da geografia, dos mapas e bandeiras, e dos mundos imaginários, mapas que aparecem na frente de livros de fantasia, babando. Mas, sem mais delongas, vamos à entrevista: Splash Pages: Em primeiro lugar, o que chama a atenção na sua HQ é a capa, …

Young Avengers #007

10 Razões Por Que eu AMO os Jovens Vingadores (pegando só uma edição de exemplo)

A edição de exemplo aqui, é a Young Avengers #7, publicada aqui no Brasil nessa última edição de Homem de Ferro & Thor #009. ANOS 60: Noh-Varr, o Marvel Boy, é um megafã interdimensional dos Anos 60, mas principalmente das músicas daquela época. Toda hora ele está soltando uma referência a esse tempo. REDES SOCIAIS: Como recapitulação da história, os autores, Jamie McKelvie e Kieron Gillen usam o Yamblr, uma versão do Tumblr do Universo Marvel. Lá eles colocam imagens do que aconteceu nas edições anteriores. Nessa edição, porém eles se superaram e foi usando o Instagram, ou, uma espécie disso. Para contar o que os Jovens Vingadores fizeram durante três meses, estão lá 9 fotos com comentários dos próprios heróis. BITOCAAA: Não sei qual foi a palavra original usada aqui, mas nos comentários dos heróis no Instagram, ele acabam fazendo uma piada interna que somente Loki não entende. E ela tem a ver com Bitocaaa! CABEÇÕES DE NARRATIVA: Durante a Era de Prata, era muito comum vermos nas aberturas das histórias de equipe as …