Mês: setembro 2014

Barbelith, Immateria, Leviatã: Bem-Vindos à Matrix

Quem nunca viu o filme Matrix? Foi um filme que mudou os conceitos mundiais de realidade, apresentando a velha e manjada confrontação: tudo o que você sabe é mentira. Tudo o que você vê e sente é apenas uma representação de mundo. O mundo real está a muitas camadas abaixo disso tudo. Nos quadrinhos de reconstrução do final dos anos oitenta, capitaneados pela “invasão inglesa”, essa nova realidade é muito comum. Seja no “tudo que o personagem sabia sobre si mesmo era uma mentira”, de Alan Moore em Miracleman, Capitão Bretanha, Monstro do Pântano e tantos outros. Ou no Homem-Animal de Grant Morrison que se encontrou com seu próprio criador, ele mesmo, o próprio Morrison e acabou descobrindo que não passava de um personagem de histórias em quadrinhos. Ou quando Neil Gaiman nos mostra o Sonhar, um mundo onde o herói da Era de Prata, Sandman, teve um filho com Hipólita Hall nos seus próprios sonhos.   OS QUADRINHOS SÃO A PRÓPRIA MATRIX Os quadrinhos são a própria Matrix, eles nos afastam da realidade e …

ASTRO SPLASH – Curta, compartilhe e entre na nossa nave!

Quer ganhar a nova Graphic MSP do Astronauta e ainda mais um livro super divertido? Então curta a fan page do Blog Splash Pages: https://splashpages.wordpress.com, compartilhe e marque três amigos. A ASTRO SPLASH é um oferecimento da Loja Punch Comics: http://www.punchcomics.com.br/loja Não marque bobeira, marque três amigos! Vamos lá viajar pelo espaço! REGULAMENTO: 1. Sorteio pessoal e intransferível. 2. Só receberá o prêmio quem curtir a página e compartilhá-la com 3 amigos. 3. O brinde será enviado pelos Correios e a responsabilidade de entrega é da mesma empresa. 4. A promoção ficará em vigência do dia 26/09/21014 até o dia 01/11/2014, que é quando se realizará o sorteio através do site Sorteie.me, que realizará a mesma. 5. Caso a pessoa recuse o prêmio, o blog ficará com o brinde e realizará novo sorteio com novas montagens de kits. 6. A promoção é válida apenas para o território brasileiro.

É muito triste ser o Batman ou Pobre Menino Rico

Ele é Bruce Wayne. Milionário. Playboy. Filantropo. Detetive. Pegador. Mas ele é um caso de psiquiatra. Ah se ele é! Ele luta contra os maníacos do Asilo Arkham, julgando a todos por suas psicoses, mas pouco reflete que essa luta que ele trava é uma exteriorização do seu próprio trauma. Seja bem-vindo a mais um: Guilherme’s Hate List: destilando sua raiva contra os personagens. (também é uma terapia!) Pisc, pisc! Quando ele tinha 5 anos, o pobre menino rico Bruce Wayne viu seus pais serem assassinados na sua frente. Ele podia estar roubando, ou matando, desfilando ricos Porsches ornados com diamantes de sangue na sua concessionária de carros importados. Mas não, ele resolveu percorrer o mundo e se tornar o Batman! <música dramática ao fundo> Em suas andanças pelo mundo, ele aprendeu artes marciais, ambidestria, ataque furtivo, defesa, ele aprendeu todos os talentos da sua lista de RPG, até lambada ele aprendeu. Mas nessas andanças, ele não ficou sabendo de um cara barbudo que fumava charuto, o tal pai da psicanálise, o tal Sigmund Freud. …

Precisamos falar sobre Manara

Quadrinhos são hipersexualizados, isso é uma verdade. E os dos super-heróis, então, nem se fala. Pessoas que usam colantes grudados ao corpo e que revelam toda sua forma corporal para os leitores, costumam ter um teor masturbatório, com o perdão da palavra. Essa foi uma tendência muito grande nos anos 90, quando as chamadas bad girls se destacavam: Vampirella e sua roupa Borat, Lady Death e seus peitões, Witchblade e suas… suas coisas que tapavam suas coisinhas. Só para citar algumas. Mas aquele era um período em que o mercado de quadrinhos estava na sua adolescência, é só analisarmos o que saía por aqueles tempos. Grant Morrison em seu lindo Flex Mentallo, faz essa analogia. Se na Era de Ouro os quadrinhos de super-heróis engatinhavam, na Era de Prata eles eram voltados para crianças com suas aventuras mirabolantes, na Era Moderna, o alvo eram os adolescentes. O problema é chegar nos dias de hoje e insistir nessa tecla. Manara, como sabemos, é um ícone do mercado de quadrinhos eróticos. Não vejo sua Mulher-Aranha como um …

A Paralisia da Leitura e da Escrita e a Resenha das Pessoas

Ou por que nos sentimos intimidados para ler e escrever sobre as grandes obras? Como isso está atrelado aos relacionamentos? Sempre deixo para depois para ler as grandes obras de quadrinhos. Building Stories e Wednesday Comics ainda estão aguardando ali na minha estante para quem sabe, um dia serem lidas. É que para mim, tem de se criar um momento todo especial para se ler uma coisa também tão especial e tão bem criticada. É como aquela pessoa que você tem como sonho de consumo e que quer preparar um momento especial para vocês dois. Você arruma a casa, o quarto, se perfuma, coloca a sua melhor roupa íntima e vai. Com a leitura é o mesmo. Precisa ser num final de semana, que você tenha tempo para apreciar a obra com calma, sentado ou deitado confortavelmente, com uma boa bebida ao lado. A bebida pode depender do clima e da disposição psicotrópica do tipo de leitura. Mas intimidação é algo como um tipo de ansiedade e também é algo como um tipo de expectativa …

Will Eisner, o Alheio e o Acaso

É inegável que o legado de Eisner para os quadrinhos é enorme e, apesar de sua narrativa cinemática, ele faz questão de diferenciar as duas mídias, como podemos ver nesse quadro esquemático aqui. Mas além da forma, de suas aberturas de páginas em splash pages em que o logo da história entra no cenário, é preciso destacar elementos de Eisner que não são tão comumente sublinhados por aí. O ALHEIO Quando falo aqui em alheio, não quero dizer “aquilo que pertence ao outro”, embora também isso faça parte das histórias de Eisner. Ele nos confronta com a visão dos outros e, mesmo quando sabemos que temos um ponto de vista sobre a história, o autor vai lá e nos apresenta outro viés. Andei lendo algumas histórias do Spirit publicadas pela L&PM na década de 80 e pude perceber isso. Nas histórias do Spirit, acabamos olhando o segundo plano bem de pertinho. É engraçado que o Spirit apesar de receber o crédito como “dono” da história, é muito difícil conhecermos detalhes da sua vida por elas. …