Análises, cinema, quadrinhos, Resenhas
Comentários 2

Anjos e Demônios: DV8, de Warren Ellis e Humberto Ramos

Warren Ellis, escritor dos personagens complicados, se uniu a Humberto Ramos, dos desenhos complicados, para fazer a série solo e spin-off de Gen 13. Isso, aquela mesma, da Fairchild e do Grunge, da Granizo, a lésbica que metia a mão na bunda da Queda-Livre, a equipe cirada por Jim Lee, Brandon Choi e J. Scott Campbell. Ao mesmo tempo, surgia na revista dos heróis adolescentes geneativados, o seu lado negro, uma equipe de porra-loucas juvenis liderados por Ivana Baiul, da O.I. (Operações Internacionais), a nêmese de John Lynch, o líder do Gen 13.

Humberto Ramos estragando os personagens de DV8.

Os nossos protagonistas criados por Jim Lee, Brandon Choi e J. Scott Campbell

Jim Lee gostou tanto da sua criação perversa que chamou um cara nota dez em perversidades pra dar conta da nova revista dos DV8 (Os Deviantes): Warren Ellis. Nessa época Ellis vinha escrevendo com sucesso a série Stormwatch, que mais tarde se tornaria The Authority e lançaria a carreira de Ellis à estratosfera.

A primeira aparição dos DV8, em Gen13.

A primeira aparição dos DV8, em Gen13.

Para que Ellis tivesse uma orientação do que fazer na sua nova revista, Jim Lee indicou para ele que se inspirasse no filme KIDS, de Larry Clark, produzido por Gus Van Sant (1994). O filme apresentava as jovens Cloe Sevigné e Rosario Dawson numa trama que envolvia sexo e drogas com menores de idade. O approuch do filme, sem puritanismos , cru e extremamente real, provocou polêmica nos Estados Unidos e fora dele mostrando cenas de sexo explícitas e consumo de drogas ilícitas. Era uma coisa assim que Jim Lee queria que Ellis fizesse para os jovens de DV8: adolescentes sem nenhum limite.

No seu texto de apresentação da nova série, Ellis declara: “Você assistiu Kids? Ele foi como uma granada de mão lançada contra o mercado de filmes independentes, no meio da década de noventa. Lembra quando os adolescentes achavam que sexo e drogas significava rebeldia? Em Kids não era assim. Aqueles garotos feios, eticamente deformados e sem futuro arruinavam suas vidas languidamente, como uma forma de passar o tempo. O filme não era perfeito, mas quando acertava era como se desse uma martelada nas nossas cabeças”.

Modelos da Victoria's Secret e da Clavin Klein é o que temos pra hoje.

Modelos da Victoria’s Secret e da Clavin Klein é o que temos pra hoje.

“O que você pode fazer quando está convencido de que é alguém especial mas, ainda assim, não tem vida alguma? É, naqueles momentos em que mais alguém concorda que ‘sim, você tem um talento’, essa pessoa só faz com que você use esse talento para realizar o equivalente a ir até o bar para comprar cerveja para ela, apertando um pouco mais o salto do sapato contra a sua alma”.

Eu me lembro quando assisti Kids. Passou na Bandeirantes e eram chamadas e chamadas de “um filme que modificou e retratou uma geração”. Eu fui assistir e era um mindblowing. Eu não devia ter muito mais que quatorze anos. Eram meninos e meninas da minha idade se chapando até cair. Um menino que ao ver a garota inconsciente de tão chapada de cocaína, despe sua saia e calcinha e a estupra naquele momento. Realmente chocante para minha cabecinha de guri de apartamento que fez catequese.

Quanto ao feito de Ellis, digamos que não se aproxima em muito do filme Kids, não é tão mindblowing não. Tá mais pro que estamos acostumados a ver no que se trata de grim’n’gritty. Uma das personagens mais cativantes é Copycat, a garota de múltiplas personalidade em que cada uma delas se apresenta como um balãozinho diferente – chupa Deadpool – chupa Daniel Way – ela varia entre a persona inocente, soldado, nihilista e espiã, cada uma com habilidades e modus operandi diferentes, mas com mudanças incessantes de um para o outro. A série com Ellis durou 8 números, depois mais 24 com outros escribas. No Brasil, a Pandora Books publicou as 6 primeiras edições.

Os DV8 de Brian Wood e Fiona Staples

Os DV8 de Brian Wood e Fiona Staples

Em 2008, Brian Wood, discípulo de Warren Ellis, e Fiona Staples, que está arrebentando a boca do balão em SAGA, convenceram a Wildstorm, que vinha definhando como selo da DC Comics, a publicar a minissérie DV8: Gods and Monsters. É uma minissérie muito interessante e mostra os personagens do grupo divididos num mundo estranhos, onde são obrigados a guerrear uns contra os outros no melhor estilo Jogos Vorazes, de Suzanne Collins.

Se chamou sua atenção, dê uma olhadinha abaixo no trailer de Kids (não, não tem nada de explícito, safadeenh@) e se lhe agradou procure pelo DV8 do Brian Wood e da Fiona Staples, que é de longe melhor – e mais bonito – que o de Ellis e Ramos.

Anúncios

2 comentários

  1. Pingback: Os Melhores Quadrinhos de Super-Heróis que Li em 2014 | Splash Pages

  2. Pingback: O Que Retomar e O Que Esquecer na Volta do Universo WildStorm – Splash Pages

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s