Eu e os Quadrinhos, quadrinhos
Comentários 3

Eu Quero Ser a Minoria

Comecei a ler as revistas mutantes por volta dos 11 anos, no início da adolescência. Vocês devem saber que a adolescência deixa as pessoas um tanto confusas e elas buscam uma âncora, um referencial, uma orientação e através dos X-Men eu aprendi várias lições éticas e de humanidade. Mas naquela época, apesar de venerar os X-Men, eu me assemelhava mais à Peter Parker, o Homem-Aranha: magrelo, de óculos, CDF, uma negação na educação física e era aporrinhado pelos meus colegas de colégio. Não me identificava a nenhum ideal, nem de beleza, nem de comportamento.

A turba com foices e tochas correndo atrás do Noturno.

A turba com foices e tochas correndo atrás do Noturno.

Por me identificar com Peter, tinha tudo para me tornar um fã ardoroso do Homem-Aranha. Mas, o destino quis que eu fosse apresentado antes aos X-Men. Um grupo de pessoas diferentes, excluídas da sociedade por não se ajustarem às condições da maioria e muito menos por se parecerem com elas. Nossa – eu pensava – é bem como eu me sinto: totalmente desajustado com essas pessoas que me rodeiam e odeiam (no caso, meus “adoráveis” coleguinhas).

Os X-Men trouxeram à discussão um tema delicado, o preconceito.

Quem nunca se sentiu diferente? Quem obedece cegamente ao comportamento da maioria? Quem nunca foi olhado com aversão por não ser como a maioria? Quem nunca foi desprezado?

O apresentador de TV EVANGÉLICO pregando contra os mutantes. Essa é uma história de 1988, mas troca mutantes por gays e fica bem atual, né?

O apresentador de TV EVANGÉLICO pregando contra os mutantes. Essa é uma história de 1988, mas troca mutantes por gays e fica bem atual, né?

“As pessoas temem o que não conhecem”, já diziam alguns x-men. O preconceito é um conceito formulado anteriormente, que passamos a conceber na nossa mente como forma de defesa frente ao medo do desconhecido. Por isso, as pessoas com preconceitos são consideradas fracas, pois elas possuem um medo infundado e irreal, e precisam se apoiar em conceitos fantasiosos para auto-afirmar sua superioridade.

Os X-Men entendem esta questão e, sabem que o preconceito dos humanos se deve à sua ignorância quanto à questão mutante, por isso “juraram proteger àqueles que os temem e odeiam”. Os pupilos de Xavier conseguiram sublimar qualquer sentimento de vingança – o que nem sempre nós, reles mortais, conseguimos – e ainda protegem as pessoas que os odeiam da estupidez de sua própria espécie. Enquanto os X-Men buscam desfazer a imagem negativa dos mutantes, integrantes da sua própria condição (no caso, da mesma espécie) ajudam a alimentar o preconceito que nossos heróis tanto combatem.

Ninguém está ileso ao preconceito. nem de sofrer e nem de ter.

Ninguém está ileso ao preconceito. nem de sofrer e nem de ter.

Na realidade ocorre o mesmo com as minorias, apesar de buscarem conscientizar as massas, têm de enfrentar a estupidez das pessoas que não entendem e que os temem e por isso passam a agir com ignorância para tentar se auto-afirmar mostrando que pertencem à maioria. Tentam mostrar que são normais escondendo sua anormalidade através da violência.

Você bateria em alguém de óculos? E em alguém que ama uma pessoa do mesmo sexo?

Você bateria em alguém de óculos? E em alguém que ama uma pessoa do mesmo sexo?

Por isso, como diz a música do Green Day, eu quero ser a minoria. Aprendi a estar em paz com o que eu sou, mesmo que a minha maneira de ser não agrade à maioria. Sou feliz sendo alguém que não segue as modas, as manias e ao modelo de indivíduo perfeito. Sou diferente. Sou um nerd. Sou uma minoria. Mas não uma minoria oprimida, que vive à margem das decisões de uma maioria; quero ser uma minoria pró-ativa, pra frente, que cada vez se relacione com mais pessoas que sejam felizes do jeito que são, sem se importar com o que os outros pensem. Quero ser uma minoria como aquela que os X-Men representam combatendo e assegurando suas garantias legais e exigindo o respeito que deveria ser um direito universal. Antes de ser preconceituosos deveríamos primeiro pensar em respeito. Se a humanidade pensasse mais nessa pequena palavra, guerras e destruições poderiam ser evitadas.

Os X-Men e o Homem-Aranha não são super-heróis pelos seus poderes, por fazerem coisas fantásticas, mas por serem humanos como eu e você. O Homem-Aranha é um herói por suplantar seus problemas e, além disso, por carregar a responsabilidade de socorrer a milhares de pessoas. Os X-Men são heróis pela sua capacidade de perdoar àqueles que os desprezam e ainda defender os indivíduos que os detestam a não se perderem na ignorância, mostrando em atos concretos que estão ao lado de seus opressores.


Esse texto foi escrito em 2004, para o extinto site Mutação.com, muito antes de eu sair do armário (outro motivo para ser a minoria) e muito antes de nerds estarem na moda e se mostrarem para o mundo como são. Ou seja, não me tachem de preconceituoso, porque eu vivi o preconceito e ainda vivo. O que existe sim, é diferença de ideias, e isso não pode ser justificado como preconceito.

Anúncios
Este post foi publicado em: Eu e os Quadrinhos, quadrinhos

por

Guilherme “Smee” Sfredo Miorando nasceu em Erechim em 1984. É mestrando em Memória Social e Bens Culturais, onde pesquisa quadrinhos. Já deu aula de quadrinhos, trabalhou com design e venda de livros e publicidade. Faz parte do conselho editorial da Não Editora. Co-roteirizou o premiado curta-metragem Todos os Balões vão Para o Céu. Seu livro de contos Vemos as Coisas como Somos foi selecionado pelo IEL-RS em 2012. Publicou em 2014 a HQ Fratura Exposta e sua primeira narrativa longa, Loja de Conveniências. Em 2015 lançou a antologia FUGA, de HQs com seu roteiro. Em 2016 lançou a HQ coletiva Lady Horror Show e a HQ "muda" Esperando o Mundo Mudar. Mantém o blog sobre quadrinhos splashpages.wordpress.com

3 comentários

  1. Deve ter pelo menos uns 8 a 10 anos q li esta Graphic Novel ” Deus ama, o homem mata” e com certeza é uma das melhores ou a melhor estória dos X-men.

    Curtir

  2. guilhermesmee diz

    É verdade, Lucas, ela é uma síntese dos que são os X-Men. Não é por acaso que inspirou o segundo filme dos mutuninhas! \o/

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s