Análises, destaque, quadrinhos, Resenhas
Comentários 2

A Trilogia das Cores (Demolidor, Homem-Aranha e Hulk), de Jeph Loeb e Tim Sale

A Trilogia das Cores de Jeph Loeb e Tim Sale é o que vale do trabalho do famigerado escritor na Marvel. Tá bem, talvez excetuando-se Nova. Mas acontece que a parceria entre estes dois artífices sempre gera bons frutos, como podemos perceber o que eles fizeram no universo do Batman, como Dia das Bruxas, O Longo Dia das Bruxas, Vitória Sombria e Mulher-Gato: Cidade Eterna.

Juliette Binoche no papel de Parker, Banner e Murdock!

Juliette Binoche no papel de Parker, Banner e Murdock!

Ronaldo: Amarelo. OPA! Demolidor: Amarelo.

Ronaldo: Amarelo. OPA! Demolidor: Amarelo.

A Trilogia das Cores da Marvel se trata de Demolidor: Amarelo, Homem-Aranha: Azul e Hulk: Cinza. Todas essas cores se referem aos primeiros uniformes dos heróis ou, no caso do Hulk, a primeira pigmentação. O engraçado nessa história toda de cores é que Tim Sale é daltônico mas, claro, não cabe a ele colorizar as HQ, que são feitas pelo competentíssimo Matt Hollingsworth.

Mas as cores nessas trilogias guardam outras simbologias. Vou contar algumas delas para vocês.

O amarelo do Demolidor faz referência aos cabelos louros de Karen Page, mas também vale ressaltar que amarelo é a cor da covardia. Algo impensável para alguém apelidado de “demônio ousado”, mas na história Loeb mostra como foi difícil para Matt conseguir convidar Karen para um encontro, sendo que até Foggy Nelson passou na sua frente.

Solta o Azulão, paixão, solta o Azulão!

Solta o Azulão, paixão, solta o Azulão!

O azul do Homem-Aranha, que poderia muito bem ser vermelho, já que ambas são as cores clássicas do herói, tem um significado que se perde na tradução. Blue também significa triste em inglês, assim como o ritmo blues é uma música de lamento. Aqui, Peter Parker recorda boas lembranças ao lado de Gwen Stacy, que, todos sabemos, teve um final trágico.

Por fim, a cor cinza do Hulk. Além de ser a cor que fica entre a luz e a escuridão, ente o homem e o monstro, também significa luto. Na história, como citei, Bruce Banner relembra o primeiro encontro do monstro gama com Betty Ross.

São três histórias. Três heróis. Três namoradas. E todas as histórias trazem uma trinca como assunto principal: heroísmo, amor e perda. Heroísmo porque todos eles estão começando sua vida de combate ao crime e enfrentam suas primeiras ameaças. Amor, pois todas as histórias são focada no herói conquistar o coração de sua pretendente: Gwen Stacy, Karen Page e Betty Ross. E perda. Quando essas histórias forma lançadas todas essas mocinhas estavam mortas. Então todas as histórias são contadas pelo ponto de vista dos heróis relembrando bons momentos de suas carreiras ao lado dos grandes amores da sua vida.

Das cinzas às cinzas...

Das cinzas às cinzas…

Todas são histórias muito bem escritas, revelando que infelizmente a trajetória do escritor Jeph Loeb é marcada pela perda. Seja na temática das histórias da Trilogia das Cores, seja n’ O Longo Dia das Bruxas ou Vitória Sombria ou na vida real, quando Loeb perdeu seu filho aos 14 anos para o câncer. Para atender a um desejo do menino, vários desenhistas famosos participaram de uma edição especial de Superman & Batman cujo argumento era de Sam Loeb e o roteiro de seu pai, Jeph.

Além disso, quando da morte do Capitão América, Loeb foi encarregado da minissérie Fallen Son, aqui no Brasil ficou Capitão América: Morre Uma Lenda. Na minissérie mostrava-se como cada herói lidava com a perda do Capitão. A maneira que Loeb usou para retratar isso foi colocar cada herói em um dos seis estágios da perda, que vai da Negação à Aceitação.

Seria Bucky o grande amor do Capitão? Também é uma história de perda. #fikadika

Seria Bucky o grande amor do Capitão? Também é uma história de perda. #fikadika

Outra ironia é que foi cogitada uma quarta minissérie das cores desta vez com o próprio Capitão, que se chamaria Captain America: White. Essa porém nunca passou de mais do que uma capa e um anúncio de revista.

Anúncios

2 comentários

  1. Rafael Mateus Pires diz

    Tenho a trilogia das cores. Difícil dizer qual seria a melhor. Está entre o demolidor e o Aranha. Falando de roteiro gosto mais do Aranha. Gostei muito do teor de tristeza que tem a história. Os desenhos acho que a do Demolidor é demais. a do Hulk também é legal mas fica atrás das duas. Enfim, é uma trilogia bem legal. Gosto muito do trabalho da dupla.

    Curtir

    • guilhermesmee diz

      Rafael, esse ano ainda sai a do Capitão. Quem sabe, um dia, teremos um encadernado com todas? Abraços!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s