Melhores e Piores Leituras de Julho de 2016

Quem bate? É o frio! Não adianta bater, que eu não deixo o frio entrar! É, mas o frio entrou no mês mais congelante do ano! E com o fim dele, mas não do frio, trago para vocês a minha lista de melhores e piores do mês. Lembrando que muita coisa programada para julho pela Panini só chegou essa semana aqui. Então vocês vão ter de esperar agosto. E lá vamos nós…

MELHORES

MPJhanascidoHOMEM-ANIMAL: NASCIDO PARA SER SELVAGEM, DE PETER MILLIGAN, CHAZ TRUOG, MARK FARMER E STEVE DILLON

Apesar de pouco comentada, talvez a fase de Peter Milligan no Homem-Animal seja tão revolucionária quanto a de Grant Morrison. Quanto mais eu penso nela, mais eu gosto e me sinto apegado e próximo. Peter Milligan fala quase sempre sobre loucura e caos e eu adoro essa bagunça, porque toda loucura, caos e bagunça tem seu método. O legal é encontrar essa metodologia nisso tudo. E é o que Milligan nos oferece trazendo uma historinha bem fechada e bem explicada, mas ao mesmo tempo crazy but you like it. Passando por um homem-jornal e um homem-baseado, perambulando pela pizza do gato de Schrodinger até acabar em ancestrais do ele perdido entre os homens e os macacos. Nascido para ser Selvagem é uma aventura atordoante daquelas de nos deixar pensando e nos fazer embarcar nas doidices do escritor até encontrar o fio da meada. Uma leitura sensacional! Eu agarantio!

Leia aqui sobre a fase do Homem-Animal de Grant Morrison.


MPJfrankJUSTICEIRO MAX: FRANK, DE JASON AARON E STEVE DILLON

Ah o Justiceiro. Eu odeio ele. Mas tenho que dar o braço a torcer que Frank Castle rende boas histórias. Essa é uma ótima história do Justiceiro e resume muito bem porque eu odeio Frank Castle. Ele é um cara que perdeu o tesão de viver, coisa que ele só encontra quando vê alguém sofrer, ser morto, ter o sangue e as entranhas expostas. Jason Aaron lida belamente com o psicológico de Frank, mostrando ele como um pai e marido omisso que vai se empregar, após a Guerra do Vietnã, num abatedouro de gado – para o terror dos veganos. Muitas e muitas vezes as histórias do Justiceiro passaram pelo meu melhor do mês e do ano. Isso é um sinal de que, apesar de eu não suportar o personagem, estou aberto para histórias que me empolguem a despeito do crápula que estrela elas. Esse é o caso de Justiceiro MAX: Frank.

Entenda por que eu não gosto do Juticeiro nesse link e veja um reacinha vomitar comentários malignos.


MPJcarta44CARTA 44, DE CHARLES SOULE E ALBERTO J. ALBUQUERQUE

Pare e pense: nós nunca tivemos uma história em que mostrasse o ponto de vista do presidente da nossa maior potência espacial, os Estados Unidos. Ok. Mas imagine esse ponto de vista na iminência de uma invasão alienígena? Sinais de vida foram descobertos no cinturão de asteróides e uma equipe secreta foi mandada para lá. Carta 44 conta a história dessa equipe no espaço, enquanto mostra o novo presidente dos EUA tendo de lidar com toda essa herança do governo anterior ao seu. Uma HQ muito bem desenvolvida tanto quando tem que lidar com a política quanto com a ficção científica. Escrita por Charles Soule, o novo roteirista do Demolidor e dos Inumanos, ele é um dos meus roteiristas preferidos da nova geração. Os desenhos de AJA também não desanimam e dão o tom de descoberta que a história pede. Recomendo muito essa HQ pra vocês que está saindo pela Devir.

Conheça Charles Soule e seus trabalhos.


MPJa24QUADRINHOS A2 – VOLUME 4, DE CRISTINA EIKO E PAULO CRUMBIM

Eu adoro a Eiko e o Crumbim. Eles são uns queridões. Seus quadrinhos conquistam pela sinceridade de suas autobiografias, são cativantes, despertam na gente um sorriso por dentro. Eu até já falei pra eles que vejo em cada volume do Quadrinhos A2 uma saudável evolução. Cada um é melhor que o outro. Nesse volume quatro, o casal faz uma sacada muito legal: deixam um pouco de lado a autobiografia para histórias autoimaginadas. E ficou muito muito muito legal. Eles fazem ficção especulativa! Mas do jeitinho deles, claro! Limões extraterrestres que querem conquistar o mundo e o ar que fica tão rarefeito que as pessoas passam a ter uma cota de ar para respirarem! E o fato deles envolverem a si mesmo nas histórias faz com que nós, leitores desde o número um nos envolvamos muito mais com a história. Sempre bom lê-los. Detalhe que essa é minha primeira HQ autografada deles! Yey!

Veja o Mash-Up do Quadrinhos A2 com o Pato Fu.


MPJmundopetMUNDO PET, DE LOURENÇO MUTARELLI

Mutarelli inegavelmente é um gênio do quadrinho nacional. Com essa Mundo Pet, uma coletânea de quadrinhos publicados na web nos anos 90 – quando nenhum de nós sabia o que ela viraria duas décadas depois – e ineditamente coloridas, Lourenço nos desfere um soco no estômago. Seja com histórias do absurdo do real, seja com suas autobiografias provocantes, Mutarelli sempre faz a diferença. Ele provoca nossa inteligência sacando finais e situações que poderiam muito bem ter saído de um filme de David Lynch ou do Teatro do Absurdo. Mutarelli trabalha o grotesco cotidiano como um quadrinho underground americano, mas com um texto muito mais profundo, existencialista e ao mesmo tempo fantástico. O urbano desgraçado de Lourenço nos encanta nisso mesmo: nos revezes, na coisa que nos escapa, na queima do fusível. Talvez seja isso que seus quadrinhos nos provocam: um superaquecimento no nosso cérebro que queima nossos fusíveis.


MPJcriminososCRIMINOSOS DO SEXO: VOLUME DOIS – DOIS MUNDOS. UMA POLÍCIA., DE MATT FRACTION E CHIP ZDARSKY

Outro quadrinho que felizmente a Devir tem dado continuidade – ao lado de Saga, Criminosos do Sexo saiu no final do ano passado com um volume muuuito legal! Eu pensei que não tinha como melhorar, mas esse segundo volume deixou a história muito mais interessante. Esse é mais ocado na Polícia do Sexo. Jon e Suzie tem o poder de para o tempo quando têm um orgasmo, mas suas intenções são impedidas pelos integrantes dessa polícia que regulam – pasmem! – todas as pessoas com poderes parecidos aos dos dois. Resta a eles buscar ajuda com essas pessoas perseguidas e ameaçada. A primeira delas é Jasmina St. Cocaína, uma atriz pornô que hoje leciona Horologia – o estudo do tempo – nada mais útil para a cruzada do casal sexualmente poderoso. Então, se você não leu essa HQ ainda, tá esperando o quê? Ou você para o tempo quando goza?

Leia a resenha de Criminosos do Sexo: Voume Um.


NÃO SEI O PENSAR, SÓ SENTIR

MPJbuckyBUCKY BARNES: O SOLDADO INVERNAL, DE ALES KOT E MARCO RUDY

Uma boa leitura para viajar, não para entender. Pela primeira vez eu gosto dos desenhos do Marco Rudy. Não me entenda mal ele não é um mal desenhista, mas o problema é que suas composições de páginas são, para não dizer outra coisa, lisérgicas demais. Isso foi um problema quando li o encadernado de Homem-Aranha: 99 Problemas. Nesta HQ do Soldado Invernal, os desenhos até que casaram bem. Pois Bucky Barnes e Daisy Johnson estão no espaço e vão parar num mundo alienígena que se comunica com a mente. Dessa maneira, as intervenções de Rudy nas páginas fazem todo o sentido. Ainda que o roteiro de Ales Kot esteja longe do grande trabalho que ele fez com os Vingadores Secretos, a arte de Rudy potencializa a sensações de viagem espacial e mental. E dessa forma, eu não sei o que pensar sobre essa HQ, apenas sentir.

Leia uma resenha sobre outra HQ legal do Ales Kot, os Vingadores Secretos!


RELEITURAS BOAS

MPJdeadpoolDEADPOOL CLÁSSICO – VOL. DOIS: MISSÃO IMPROVÁVEL, DE JOE KELLY E ED MCGUINNESS

Aaah! Bons tempos da Marvel 99 em que a Editora Abril se permitia inovar nos heróis que ela trazia para seus mixes. Foi assim que o Brasil conheceu as histórias do Deadpool, que até então ele era um coadjuvante besta da X-Force. Eu – e muita gente – considera a fase de Joe Kelly (criador de Ben10 e Mutante Rex) a melhor de todas do mercenário tagarela. Ali eu aprendi a curtir o Wade e não nas histórias podres do Daniel Way. Os desenhos de Ed McGuinness, então um novato bem verde alçaram o artista ao estrelato com o comediante carmesim. As histórias trazidas aqui não são inéditas, mas ao reler deu pra ver que a Abril mexeu em muitas coisa – cortou páginas e diminuiu diálogos, por exemplo. Essa edição pra mim tem gosto de nostalgia, de um tempo mais inocente tanto meu quanto do mercado de quadrinhos – se é que isso é possível (nos dois casos, hehehe!).

Conheça a revista mix da Editora Abril, Marvel 99, que publicava o Deadpool!


MPJaranhaHOMEM-ARANHA: NUNCA MAIS!, DE STAN LEE  & JOHN ROMITA

É difícil existir uma fase do Homem-Aranha, o Amigão da Vizinhança, que seja considerada quase uma unanimidade em qualidade quanto a de Stan Lee e John Romita, respectivamente, o escritor e o desenhista definitivos do teioso. Nesse encadernado, que faz parte da coleção de clássicos da Marvel, lançados pela Salvat, Peter Parker enfrenta muitos inimigos como Kraven e o o Lagarto, mas o mais legal é que ela mostra o Homem-Aranha como um herói mundano, que tem de enfrenar o crime resfriado e com um braço quebrado. Além disso, uma história em que Peter Parker se questiona até onde seu papel como herói vem prejudicando sua vida pessoal, desembocando na edição número 50 do título Amazing Spider-Man que ficou conhecida por todos como Homem-Aranha: Nunca Mais! Um ótimo pedaço da história dos quadrinhos, grande representante da Era Marvel dos Super-Heróis.


PIORES

MPJProntuario666PRONTUÁRIO 666: OS ANOS DE CÁRCERE DE ZÉ DO CAIXÃO, DE SAMUEL CASAL E ADRIANA BRUNSTEIN

Sempre adorei a arte do Samuel Casal. Não por acaso um design dele adornou a tampa do meu notebook por um longo tempo até eu me desfazer dele. Fui nesse Prontuário 666 esperando algo que enchesse meus olhos. Mas não foi o caso. Tudo bem que os filmes do Zé do Caixão são considerados filmes além do B, mas isso não é desculpa para que uma HQ baseada nele tenha um roteiro horrível. É o caso desta história em quadrinhos. Um enredo sem pé nem cabeça que não diz por que veio. Outra coisa que me incomodou foram as onomatopéias. Elas não parecem bem trabalhadas – e um bom quadrinho deve dar atenção aos detalhes – formatar as onomatopéias uma diferente da outra é um trabalho de diagramação tanto quanto colocar o texto nos balões. Isso não ocorre aqui. Eu realmente me senti ludibriado com Prontuário 666, não tem terror, não tem galhofa, não tem filme B, não tem arte insana. De insano só o enredo e do jeito ruim de ser insano.


É isso aí galera! Que acharam da seleção? Concordam? Discordam? Deixe seu comentário! E não se esqueçam que em agosto tem mais! Bem mais!

Anúncios

2 Comments

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s