Mês: agosto 2016

Melhores e Piores Leituras de Agosto de 2016

Agosto! O mês do desgosto! O mês do cachorro louco! Mas não é que esse mês reserva muitas leituras legais? E até as leituras que foram parar nos piores do mês nem são tão horrendas assim. Temos Marvel, DC, Vertigo, Brasileira e temos até um Mangá esse mês! Quem diria! Venha comigo se quiser vir ver!

Esqueça a Bundona – Mulher-Aranha: Novos Insucessos, de Dennis Hopeless e Javier Rodriguez

Depois da enorme polêmica com a capa da bunda para a Lua, feita pelo italiano Milo Manara, e cinco edições depois, Jessica Drew, a Mulher-Aranha, voltou repaginada. Os responsáveis pela nova fase são Dennis Hopeless (Arena dos Vingadores) e Javier Rodriguez. A capa foi tão criticada que não só o uniforme mudou, mas como a pegada das histórias, que ficou bem mais girl power. Já já falo mais sobre!

Afinal, Quadrinhos São Cultura? E a Cultura, o Que é, Heinhê?

Você sabe que muita gente despreza os quadrinhos. Talvez até você seja um deles. Tem gente que acha que essa mídia é exclusiva de crianças; que acha que por ser um produto de massa, não deve ser valorizado como arte; que por conter personagens de fácil reconhecimento, pode não ser considerada cultura. Mas todos eles estão errados. Nesse artigo pretendo dizer o motivo.

“Nunca Assisti Nenhum Filme de Super-Heróis”, diz David Lloyd, autor de V de Vingança

Grande atração da Comic Con RS 2016, que ocorre neste final de semana na Ulbra – Canoas/RS, o criador do clássico dos quadrinhos V de Vingaça ao lado de Alan Moore, David Lloyd não simpatiza com os filmes de super-heróis. Ainda mais, com os super-heróis em geral. Apenas aqueles que oferecem algo a mais como Deadpool e KIck-Ass. Para saber mais sobre esse ponto de vista, leia a seguir.

Superwoman, de Phil Jimenez, é uma Carta de Amor aos Anos 50

A maior surpresa do Rebirth não é Superman, nem Batman, mas uma personagem que sempre deveria ter existido e somente agora virou realidade: a Superwoman. Todas as divulgações do evento Rebirth da DC Comics levavam os leitores a pensar que Lois Lane seria a nova encarnação da Superwoman. Mas todos estavam redondamente enganados

A Reserva de Mercado Para o Quadrinho Nacional

  Falar de reserva de mercado nos dias atuais poderia soar como um golpe de estado totalitário na mente de quem lê. Para outros, poderia ser uma ameaça ao neoliberalismo. Alguns diriam que é bolchevismo, comunismo ou ainda bolivarianismo. Para quem produz quadrinhos, entretanto, soaria como uma garantia de sobrevivência e ainda uma valorização de um trabalho que rende pouquíssimo para quem o cria. Mas vamos entender a reserva de mercado e seus antecedentes.

Tamanho Não é Documento: Homem Formiga: Segunda Chance, de Nick Spencer, Ramon Rosanas e Jordan Boyd

Finalmente a Panini lançou o encadernado com as histórias do Homem-Formiga pré-Guerras Secretas. Apesar de fora do timing com o filme do herói é uma leitura interessante e descompromissada, mas que traz muitos elementos que fizeram dos heróis Marvel apetitosos para os leitores. Claro, também não tem como negar que Scott Lang absorveu muito de sua versão cinemática, interpretada por Paul Rudd. Vamos falar sobre isso tudo à frente!

Entrevista com Wagner Willian: O Desafio de Um Quadrinho Denso

Wagner Willian é um autor nacional ímpar. Primeiro ele causou estertores com seu Lobisomem Sem Barba, narrativa ganhadora do Prêmio Jabuti em 2015. Este ano ele veio com uma HQ com mais de 300 páginas chamada Bulldogma, contando a vida de uma ilustradora em meio a alienígenas e bizarrices. Através do estranho, Wagner nos aproxima do que é comum. Preparamos uma entrevista com ele, que você pode ler a seguir.

Um Sonho De Rorschach

Como o universo de Watchmen interagia com o o Universo DC regular antes do Rebirth? Ficamos sabendo, através do Rebirth, que foi graças a um ato de criação do Dr. Manhattan que o mundo dos Novos 52 foi criado. Uma história publicada em The Question #17 e 18, de 1988, apresenta ao leitor um dos personagem de Watchmen: Rorschach. Venha comigo se quiser saber!

Saudades: Os Caçadores

A Editora Abril precisava de uma casa para o Arqueiro Verde na década de 90. Então a solução foi unir o herói a outros que tinham uma pegada como a dele. Eram, frios, eram cruéis e raivosos, mas que, afinal, eram bem escritos. Eles eram Os Caçadores, apresentando numa revista em formato americano e com um logo à la Comandos em Ação. Vamos lembrar disso?

Canário Negro: O Som e A Fúria, de Brenden Fletcher, Annie Wu e Pia Guerra

Quadrinhos e rock geralmente dão combinações boas. Não por coincidência, geralmente fãs hardcore de rock também são fãs muito dedicados de quadrinhos. O que a revista da Canário Negro faz é colocar tudo sob uma perspectiva feminina do rock e das aventuras dos quadrinhos. E isso funciona maravilhosamente bem. Vamos lá?

Assustar Crianças é Mais Fácil que Esclarecer Adultos

Muito se discute o que colocar na frente dos olhos das crianças, mas o perigo mora mesmo nos adultos que se comportam como crianças: sem filtros. Enquanto são crianças, elas não tem o poder de ação e o entendimento do mundo. Entretanto, quando se tornam adultos e começam a se transformarem em cidadãos atuantes da sociedade é onde está o x da questão.

Miss Marvel e o Conflito de Gerações

O segundo volume de Miss Marvel, intitulado Questões Mil no nosso pais e Generation Why, lá nos states, trata disso mesmo que o título diz: o conflito entre gerações. Nada mais justo, uma vez que Kamala Khan, a Miss Marvel, pertence à mais novíssima geração. A geração Z – a geração zapping – que nasceu a partir do novo século. Mas vem comigo que eu te explico tudo isso.