quadrinhos
Comentários 3

Doutor Estranho: Uma Terra Sem Nome, Um Tempo Sem Fim, de Stan Lee e Steve Ditko

Uma das mais memoráveis sagas do Doutor Estranho, pelas mãos dos seus criadores, Stan Lee e Steve Ditko, saiu no volume III da coleção de Clássico da Coleção Oficial de Graphic Novels da Marvel, pela Savat. Um dos grandes méritos da HQ é nos fazer viajar, pelo mundo e entre realidades, dando uma incrível sensação de maravilhamento.

STRclass

O Doutor Estranho está em voga hoje em dia. Com revista própria na Marvel e um filme vindo ai pelo Marvel Studos, com Benedict Cumberbatch no papel de Stephen Strange. Mas nem sempre foi assim. Por muitos anos o Doutor Estranho amargou o limbo dos heróis da Marvel, fazendo raras aparições ocasionais em revistas, pois, por mais de 30 anos não teve sua revista própria.

Stephen Strange é a segunda criação mais famosa de Steve Ditko, ficando Peter Parker, o Homem-Aranha em primeiro lugar. As histórias do Doutor Estranho eram inovadoras para a época tanto quanto as de Nick Fury, por Jim Steranko, já resenhada aqui. Não por acaso os dos dos dividiam a mesma compilação: Stange Tales. Elas uniam elemento místicos com new age e tanto Strange quanto o Surfista Prateado eram os heróis favoritos dos estudantes universitários devido a seus temas existenciais e filosóficos.

STRmaster

“Os hipsters dos anos 60 penaram que o realismo urbano e as visões febris de Ditko diziam que ele era um deles. Não poderiam estar mais enganados. Na época em que DItko caiu fora da Marvel Comics, em 1966, ele se tornou fascinado com Ayn Rand e o objetivismo, e seu trabalho começou a demonstrar uma pegada numa vibe direitista severa e incrivelmente estridente.”, nos diz Douglas Wolk em seu livro Reading Comics.

Apesar de seu ultraconservadorismo, os personagens de Ditko não apresentavam formas atléticas. Pelo contrário, eles eram magrelos e feiosos como o Peter Parker, ou o Abutre ou então gordos e esquisitos como o Doutor Octopus. Stan Lee uma vez declarou: “tudo que eu precisava era descrever uma linha para Steve e ele desenvolvia tudo. Ele pegava os esqueletos de esboço que eu fazia e transformava em trabalhos clássicos de arte, que acabavam sendo bem mais legais do que aquilo que eu tinha imaginado”.

STRsalvatRealmente, dentro de cada quadrinhos que Ditko desenha nas histórias do Doutor Estranho, somos transportados para espaços diferentes: outras dimensões, orientes místicos, grandes centros urbanos, espaços entre espaços… O trabalho de Ditko, com certeza era mais cuidadoso que o de Jack Kirby, embora toda a fama que O Rei tenha. Além disso, Ditko também foi abafado nos méritos das criações dos personagens que fez.

A história em questão, Uma Terra Sem Nome, Um Tempo Sem Fim, trata da batalha de Stephen Strange contra seu maior inimigo, o demônio feiticeiro Dormammu. Ela é dividida em quatro partes: A Busca por Eternidade, A luta contra o Barão Mordo, A Luta Contra Dormammu e a Libertação de Cléa, que viria a se tornar sua aprendiz e amante. Sem dúvida, esse encadernado da Salvat, é uma linda porta de entrada para o universo do Mago Supremo da Terra.

STRcapa

Anúncios

3 comentários

  1. Pingback: Melhores e Piores Leituras de Setembro de 2016 – Splash Pages

  2. Pingback: Os Melhores Quadrinhos da Marvel Que Li em 2016 | Splash Pages

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s