Análises, destaque, fique de olho, Melhores Leituras de 2016, quadrinhos
Comentários 4

Os Melhores Quadrinhos Brasileiros Que Li em 2016

É isso aí mergulhadores, chegamos ao fim das nossas listas de final de ano! Uhuu! Mas pra essa lista preciso esclarecer alguns critérios. A lista dos melhores quadrinhos brasileiros extrapolou o número de dez. Então, o critério foi excluir quadrinhos consagrados como Los Três Amigos, A Volta da Graúna, Sottovoce e Mundo Pet, para abrir espaço para as novas gerações. Dito isso, vamos lá às escolhas:

la-dansarinaLA DANSARINA, DE LILLO PARRA E JEFFERSON COSTA

Essa HQ foi escolhida por vários sites e blogs ano passado como uma das melhores do ano. Os dois autores já haviam participado juntos da adaptação da peça A Tempestade, de William Shakespeare. A parceria funcionou e este roteiro, trabalhado há muito tempo por Parra tomou forma com os desenhos de Costa. É um quadrinho com brasilidade, primeiro pelo cenário paulista em que se passa durante a epidemia da gripe espanhola – que é a grande vilã da história, mas também pela decisão dos autores fazerem os diálogos com sotaques espanhóis, caipiras, entre outros. Se trata de uma HQ estilo road movie, uma jornada dupla de descobertas, encontros e desencontros, com uma mensagem e valores importantes sobre como enfrentar a morte de entes queridos e de como aproveitar a vida, como eles gostariam que fosse. Agora eu entendi a razão da escolha como uma das melhores do ano. Com certeza é.  


downloadUMA PATADA COM CARINHO, DE CHIQUINHA

Chiquinha tem um humor peculiar. Ela já é bem conhecida aqui do público gaúcho pois suas tirinhas eram trazidas a nós no Diário Gaúcho. Em Uma Patada Com Carinho, Chiquinha trata dos temas do universo feminino com muito humor através da personagem Elefoa Cor-de-Rosa. Eu tenho de confessar que tiveram vários momentos em que gargalhei muito com esse quadrinho. O diferente desse quadrinho para outros quadrinhos de humor é que as histórias apresentadas são mais longas e não de tiro certeiro como as contumazes tirinhas diárias dos jornais – não que o tiro da Chiquinha com este álbum tenha errado o alvo, muito antes pelo contrário. Embora tenha sido um lançamento antigo, foi só esse ano que eu li o quadrinho, por isso ele entrou na lista.


JUNbull

BULLDOGMA, DE WAGNER WILLIAN

Pintas no rosto, alienígenas, pugs, demônios e o universo freelancer. Dessa mistura inusitada sai uma HQ de muitas páginas tratando de uma maneira bem diferente o trabalho autônomo com quadrinhos e ilustrações no Brasil. A arte de Wagner Willian é um espetáculo à parte, que já tinha surpreendido a todos com seu primeiro livro, Lobisomem Sem Barba, Mas agora, meus amigos, é quadrinhos. É dia de rock, bebê! Uma das coisas legais desse quadrinho é que o Wagner retratou várias pessoas do cenário do quadrinho nacional nas páginas de Bulldogma. E eu, por acaso, estou lá, no meio de uma festa em que Deisy Mantovani está. Além disso, esse ano Wagner publicou um livro que é uma espécie de transmídia de Bulldogma. Se trata de O Flerte da Mulher Barbada, o blog de entrevistas de Deisy Mantovani. Poucos quadrinhos nacionais e internacionais possuem esse tipo de ferramenta e metalinguagem a seu serviço.

Leia uma entrevista com Wagner Willian  aqui neste link.


MPJa24QUADRINHOS A2: VOLUME 4, DE PAULO CRUMBIM E CRISTINA EIKO

Bem, eu sempre gostei muito dos quadrinhos do Crumbim e da Eiko, mas nesse volume quatro eles se superaram. A imaginação foi às alturas exatamente porque eles permitiram que suas histórias autobiográficas abrissem espaço para os seus devaneios autobiográficos. E o resultado, oh, é muito bom, amigos! Desde um limão extraterrestre que quer dominar o mundo porque foi jogado fora, até as desventuras do cachorrinho Pino na floresta, lembrando bastante o mangá do dinossaurinho GON. Fora que a maneira que os dois contam as histórias, mais próxima dos mangás e com um jeitinho brasileiro é uma gostosura de ler. Embora eles tenham lançado o volume cinco este ano, foi o volume quatro que ficou no meu coração e na minha mente.


AGMcaonegroO CORAÇÃO DO CÃO NEGRO, DE CESAR ALCÁZAR E FRED RUBIM

Com uma extensa pesquisa histórica, Cesar Alcázar nos traz a adaptação em quadrinhos do seu personagem de contos medievais, o Cão Negro. Com seus desenhos cheios de arestas, Fred Rubim dá a cara ao personagem e ao mundo do mesmo, como se fossem histórias do Conan com um sopro de renovação. Essa renovação é  tanto visual, estilística, estética e literária. Um quadrinho bem diferente do que o público brasileiro está acostumado a ver, mostrando que nosso cenário é altamente diversificado e não vive de apenas um estilo, como os comics americanos, embora em um número de venda bem menor. Além disso, o personagem do Cão Negro ganhou até trilha sonora, criada pelo conjunto Bando Celta, especializado em músicas medievais. Isso é bem legal, não é?!

Veja o vídeo e ouça a música aqui: https://www.youtube.com/watch?v=fkT3m_twRzo


sethomemMEU PAI É UM HOMEM DA MONTANHA, DE BIANCA PINHEIRO E GREGÓRIO BERT

A Bianca é uma querida. Não tem como não gostar. Tive aula de personagens com ela esse ano na Galeria Hipotética. Aí, na Bienal de Quadrinhos de Curitiba eu comprei o Homem da Montanha. É uma história que começa toda fofinha e vai se tornando sombria, sombria. Já falei no outro review que acho que isso se deve à influência da quadrinista americana Emily Carroll na Bianca. Então cheguei a conclusão que, apesar de uma mesma pegada, achei que a Bianca e o Gregório conseguiram produzir um quadrinho de terror que tem mais impacto no leitor do que a obra em que se inspiraram. Não poderia deixar de falar que esse foi o ano da Bianca Pinheiro, afinal ela lançou uma graphic novel da Mônica pelo selo Graphic MSP, o sonho de 10 entre 10 quadrinistas brasileiros. =D


setsirircaGAROTA SIRIRICA, DE LOVEVLOVE6

Um quadrinho que fala inteirinho sobre masturbação feminina, que tal? Quando eu disse que a produção nacional é bem diversa eu não estava brincando. Falando sério e com alguns toque humorístico, Lovelove6 tenta desmistificar a prática da masturbação feminina que ainda é um tabu. Bem, a masculina também, de certa forma, mas nada comparada à busca pelo prazer pelas mulheres, que por séculos lhes foi negado qualquer papel de representação sexual que não fosse apenas objeto para os caprichos masculinos. Essa é uma HQ libertária que diz que a busca do prazer para as mulheres está ao alcance de suas mãos, com o perdão do trocadilho. Uma HQ divertida, informativa, mas principalmente um grito de liberdade para todas as mulheres.

Leia mais sobre a Garota Sirirca aqui neste link.


setshikoLAVAGEM, DE SHIKO

O Shiko é o cara! Ele é uma pessoa muito legal e, talvez, o melhor desenhista brasileiro de todos. É só ver a dedicação que ele faz os sketches dele para o pessoal. Nesse Lavagem, Shiko veio para causar. Misturando críticas à televisão, à Igreja Universal do Reino de Deus, aos “bons” costumes e aos “maus” costumes, temos uma história contundente, apavorante e libertadora sobre uma mulher que trai o marido enquanto escuta os desmandos dos pastores. Uma HQ que seria impossível de ser mais brasileira. Além disso tem toda a relação do marido com os porcos no chiqueiro que também é de embasbacar. Somente um autor e artista da tarimba do Shiko para nos brindar com uma história desse gênero.


capnocturneNOCTURNE, DE FRED CASSAR

Misturando influências como Scott Pilgrim Contra o Mundo e Pokémon, Fred Cassar nos traz uma história baseada na música e como ela pode mudar uma cidade inteira ou o mundo todo. O que acontece se na cidade de Greenport, toda vez que alguém começa a tocar uma música, monstros sedentos por melodias ruins surgem e tentam te devorar? O jeito é tocar uma música muito boa. Mas como faz isso sozinho, se a ajuda de uma banda? Só sendo muito corajoso! Milo, o protagonista da história tenta isso. Com desenhos charmosos e uma narrativa lenta como a dos mangás, Nocturne, de Fred Cassar nos capta como se entrássemos em transe com uma música boa. Uma HQ bem divertida e cativante, que também pode ser lida na internet no endereço: https://www.facebook.com/nocturnecomic


aaanecromorfus-volumes-1-e-2NECRO MORFUS: VOLUMES 1 E 2, DE GABRIEL ARRAIS, MAGENTA KING E ABEL

Que tal um carinha que quando toca nos restos mortais de alguém, acaba se transformando neles? Mas ao virar outras pessoas, ele acaba perdendo a essência de quem é de verdade? Uma das HQs mais bem roteirizadas feitas no Brasil que li nos últimos tempos, também tem desenhos incríveis do Magenta King no primeiro volume e do Abel no segundo. No primeiro volume temos a participação de Elvis Presley. Já no segundo é baseado na maldição dos restos mortais de Shakespeare, ampliando a história e dando espaço para novos personagens recorrentes. Necro Morfus é um exemplo do grande momento do quadrinho nacional, de uma HQ que entrega não somente arte como roteiros irretocáveis.


Bem, mergulhadores, encerramos nosso passeio pelas melhores HQs do ano. Espero que você tenha gostado. E se ficar com saudade, saiba que todo final de mês pretendo trazer uma listinha mensal para vocês com as melhores e piores leituras. Obrigado por acompanhar nesse mergulho! Abraços!

Anúncios

4 comentários

  1. lierson diz

    Nossa, quanta coisa diferente… e bom ver que o mercado de HQs nacionais é tão diverso que a única que eu li dessas foi o Cão Negro, mas minha lista seria bem diferente (e constaria Lady Horror Show ), bom que temos uma produção variada. Abração e bom final de ano Guilherme!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s