arte, destaque, fique de olho, História dos Quadrinhos, quadrinhos, Quadrinhos Comparados
Deixe um comentário

Os Antecedentes dos Quadrinhos

O que veio antes o balão ou a tirinha? Séculos, mais de dez mil anos anos antes de você abrir sua primeira revistinha em quadrinhos, muito antes de o Superman surgir, a arte sequencial já existia e orientava a nossa sociedade. Descubra aqui os primórdios dos quadrinhos que nos fizeram comunicar utilizando palavras e imagens justapostas.

A maioria das pessoas que se dizem fãs de quadrinhos sabe que as primeiras histórias que definem os quadrinhos como são hoje surgiram em Hogan’s Alley. A página dominical que apresentava o Yellow Kid, criação de Richard Felton Outcault em 1896. Foi nas histórias desse personagem que surgiu o elemento mais característico das histórias em quadrinhos: o balão. Enquanto, no começo, o Yellow Kid só se comunicava através de letras escritas em 1897, o menino começou a falar com um papagaio e um gramofone por um círculo que era ligado por um rabicho até o lugar de onde provinha o som.

antyellow

O Yellow Kid, de Richard Felton Outcault.

Mas a comunicação por imagens e ainda, por escrita e imagens, tem precedentes que guardam mais de mil anos. A começar com as pinturas rupestres, as pinturas que nossos ancestrais hominídeos faziam nas cavernas. Como podem comprovar as pinturas de Lascaux, de mais de 17 mil anos atrás. As pinturas traziam inúmeros animais, como touros, cabras e cavalos.  “Ao que parece, esses caçadores primitivos imaginava que, se fizessem uma imagem de suas presas – e, talvez, a golpeassem com seus machados e lanças de pedra – os animais reais também sucumbiriam ao seu poder (GOMBRICH, 2013, p. 39)

 

antlascaux

As pinturas de uma sequência de caça nas cavernas de Lascaux, na França.

Entretanto algumas pinturas rupestres apresentavam sequências de caçadas. Com o caçador encontrando sua presa. A presa sendo atingida por flechas ou lanças. E, por fim, a presa abatida. Essa é a origem da arte sequencial no nosso mundo e, porque não dizer, das histórias em quadrinhos. Os mapas, também são uma forma de comunicação visual por imagens. O primeiro mapa registrado data de 6.200 a. C.:

“Outros tipos de representação gráfica podem ter sido abandonados ou substituídos após o advento da escrita, mas a cartografia se manteve acompanhando todos os desenvolvimentos tecnológicos da humanidade. […] As sociedades antigas sabiam que a cartografia não era apenas um símbolo de conhecimento, mas também de poder. Permitia garantir fronteiras e propriedades, delimitar inimigos e encontrar os melhores caminhos para os atacar ou para se proteger”. (KANNO, 2013, p. 40)

Desde os primórdios, era costume dos monarcas mesopotâmicos encomendar monumentos comemorativos aos seus triunfos. Assim, a exemplo dos hieróglifos, – que são pictogramas – uma forma de escrita, e não de arte sequencial – contavam crônicas destes feitos. A mais bem conservada delas data do século IX a.C. e faz referência ao reinado de Assurbanipal II da Assíria. “Nela, acompanhamos todos os episódios de uma bem-organizada campanha; mostra em detalhes um ataque a uma fortaleza, com os equipamentos do cerco em ação, os defensores caindo, e, no alto de uma torre, uma mulher lamentando-se em vão” (GOMBRICH, 2013, p. 59).

anttrajan

Detalhe da Coluna de Trajano, em Roma, na Itália.

Durante o Império Romano, o Imperador Trajano incumbiu seus artistas de criarem uma coluna contando suas vitórias e proezas na Dácia (a atual Romênia), a exemplo dos antigos mesopotâmicos. Nela, vemos os legionários romanos pilhando, lutando e conquistando. Outro exemplo de arte sequencial, dessa vez na Idade Antiga.

Data-se por volta de 1080 – mas não sabe-se exatamente – a tapeçaria de Bayeux. Como hoje em dia, eram usadas como tapetes ou ornamentos e depois jogadas fora. Entretanto, essa possui uma peculiaridade: conta uma história em sequência através de imagens. “A tapeçaria faz uma crônica pictórica do gênero que conhecemos das antigas artes oriental e romana: narra uma campanha e uma vitória. A história é contada com extraordinária vivacidade”.(GOMBRICH, 2013, p. 128)

antbayeux

Detalhe da tapeçaria de Bayeux.

Até o século XVIII a xilogravura era a principal forma de reprodução de imagens feita a partir de entalhes na madeira. Nessa época as adaptações de contos de fadas feitas por Gustave Doré foram as principais tentativas de se reproduzir algo semelhante à arte sequencial. As primeiras artes sequenciais impressas são atribuídas a William Hogarth, que criou uma série de oito telas que, quando colocadas juntas, davam a impressão de narrativa. As telas foram intituladas de A Rake’s Progress e datam de 1732-33.

“Na Genebra de 1835, recorrendo à técnica litográfica, Rodolphe Töpffer consegue assim realizar desenhos acompanhados, loga abaixo, de texto manuscrito. Esse pedagogo considera texto e imagem componentes essenciais de suas obras, ditas de ‘natureza mista’. Apresentando uma série de vinhetas articuladas entre si, este que é tido como o inventor das histórias em quadrinhos qualifica seu trabalho como ‘histórias em estampas’”. (VAN DER LINDEN, 2011, p.13)

anttopffer

Um dos quadrinhos das “histórias em estampas” de Rodolphe Töpffer.

Embora Töpfer seja aceito internacionalmente como inventor dos quadrinhos, outros países clamam a mídia como invenção sua. Como a França, que diz ter surgido com Christophe e sua Famille Fenouillard. Também o Brasil entra no páreo com As Aventuras de Nhô-Quim, de Angelo Agostini, que batiza um prêmio homônimo e na data a publicação de seu primeiro quadrinho, 31 de janeiro, é tida como o Dia do Quadrinho Nacional aqui no Brasil.


antcapaBibliografia:

GOMBRICH, E. G. A História da Arte. Rio de Janeiro: LTC, 2013.

KANNO, Mário. Infografe: como e porque usar infográficos para criar visualizações e comunicar de forma imediata e eficiente. Edição eletrônica. São Paulo: Infolide.com, 2013.

VAN DER LINDEN, Sophie. Para ler o livro ilustrado. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s