destaque, fique de olho, Melhores Leituras do Mês, quadrinhos, Resenhas
Comentários 6

Melhores e Piores Leituras de Abril de 2017

Sabe aqueles meses em que o mundo gira muito depressa? As notícias correm muito rápido, os desastres acontecem, você não para de estudar e trabalhar e tudo que você quer é um divertimento bobo, bem tolinho, só pra se esquecer do que está correndo atrás de você?

Bem, esse foi o meu Abril. Então não esperem encontrar aqui grandes leitura que façam pensar, refletir e/ou construir um degrau acima na sua iluminação. Esse mês as leituras foram mais para desopilar do que pra qualquer coisa, como você pode perceber. Por isso, não temos muita coisa da Vertigo e o que tem, bem, decepciona muito. Vejam a seguir!

MELHORES:

ABRmotocaMOTOQUEIRO FANTASMA: MÁQUINAS DA VINGANÇA, DE FELIPE SMITH, TRADD MOORE E DAMIEN SCOTT

A nova versão do Motoqueiro Fantasma para as novas gerações conseguiu até uma aparição no seriado dos Agentes da SHIELD na TV, com Gabriel Luna interpretando Rob Reyes. Só que, aqui no Brasil, temos um problema, o Motoqueiro Fantasma não é Motoqueiro, ele é piloto. Afinal, ele não dirige uma motocicleta, ele dirige um carro possante e que guarda o espírito Eli, que faz como que Rob entre em algumas “ROBadas”. Sacou? Han, han?! Enfim, tou enrolando vocês aqui, mas o quadrinho é muito legal e vale a pena ser lido. Fiquei aqui enrolando porque eu fiz uma resenha completíssima sobre o encadernado e vocês podem checar ela no link abaixo. Desculpa, mas às vezes a gente precisa colocar mais texto aqui pra poder caber a imagem ao lado bonitinha.

Leia uma resenha completa sobre Motoqueiro Fantasma: Máquinas da Vingança.


ABRcavaleironegroCAPITÃO BRETANHA E O MI13: NAÇÃO VAMPIRA, DE PAUL CORNELL, LEONARD KIRK E MIKE COLLINS

Uma quadrinho muito elogiado lá fora, mas que no Brasil só foi publicado o primeiro arco, pois tinha ligação com a Invasão Secreta. Neste quadrinho publicado sob a égide do Cavaleiro Negro pela Salvat Vermelha, o Capitão Bretanha e sua trupe precisam burlar uma invasão de Drácula à Inglaterra – e somente à Inglaterra. Seguindo a linha dos quadrinhos bons ingleses publicados com o Capitão Bretanha, temos aqui uma epopéia bem engendrada, com os personagens apresentados tomando seus lugares para defender as terras da rainha e ainda encerrar com chave de ouro a série. Mas mais do que tudo, eu gostaria de destacar o anual da série, que é enfocado em Meggan e mostra como ela acabou sendo resgatada do inferno. Uma história muito empolgante e marcante.


ABRalena

ALENA, DE KIM S. ANDERSSON

Uma menina sueca que é atormentada não apenas pelas meninas que fazem bullying com ela no seu time de lacrosse na sua escola, mas pela fantasma da sua melhor amiga que se matou na escola anterior. Alena não se ajusta à escola, mas logo um garoto vai se interessar por ela, despertando a ira da líder do time de lacrosse. Então, Alena é perturbada pela fantasma, que quer a induzir a torturar e despedaçar o time de lacrosse e o menino que a admira. Assim, a fantasma e a Alena sugerem uma relação homoafetiva destrutiva que busca fazer com que as duas amigas e/ou amantes se reúnam novamente. Mas que preço Alena terá de pagar para que esse encontro se realize. Um terror climático com desenhos e roteiros bastante competentes, em um quadrinho vindo de um país que tem pouca tradição com esse tipo de mídia: a Suécia.


ABRteatro

TEATRO DAS SOMBRAS: CONTOS FANTÁSTICOS ALÉM DA IMAGINAÇÃO, DE VÁRIOS AUTORES

Ray Bradbury, o escritor homenageado aqui nesta coletânea de quadrinhos, por outros quadrinhistas e escritores, foi um cara que muito me influenciou nos meus escritos. Responsável pelos deliciosos livros Fahrenheit 453 e Crônicas Marcianas, Bradbury talvez tenha sido o autor mais adaptado para os quadrinhos. Aqui em Teatro das Sombras, os escritores não adaptaram seus contos, mas se inspirados em suas obras. O resultado vai de extraordinário, como no caso de Joe Hill, a sofrível, no caso de Audrey Niffenegger. Mas é uma coletânea que vale a pena uma olhada. O que tenho a reclamar é da capa horrenda que a Mythos Editora fez – que aliás, é um dos grandes problemas da editora. Com um logo medonho, os editores escolheram a pior de todas as imagens disponíveis para usar de capa. Isso afasta os leitores que, infelizmente, julgam o livro pela capa e não pela reverência que um mestre com Bradbury merece.


ABRtempestadeX-MEN: MUNDOS SEPARADOS, DE CHRISTOPHER YOST E DIÓGENES NEVES

Um quadrinho que não tinha saído aqui no Brasil na sua época cronológica de publicação e acabou saindo agora, pela coleção vermelha da Salvat. A minissérie em quatro edições enfoca em Tempestade e suas obrigações tanto como rainha de Wakanda – na época em que era casada com o Pantera Negra – e como uma das líderes dos X-Men. Aqui ela deve lidar com sua tutoria do jovem mutante wakandano Nezhno e uma acusação de assassinato ao garoto. Mas a verdadeira ameaça escondida é o Rei das Sombras, que quer acabar com a existência tanto dos X-Men como do Pantera Negra e seu país de Wakanda, para desepero de Ororo Munroe, a Tempestade. Eu gostei bastante, até porque na época da publicação dessa mini, ela acabou não vindo para cá. Faz jus às grandes histórias da mutante controladora do tempo.


ABRleiaSTAR WARS: PRINCESA LEIA, DE MARK WAID, TERRY E RACHEL DODSON

Eu tinha cá pra mim que as histórias de Star Wars para os quadrinhos eram como as do Universo Expandido: um monte de navezinha conversando e atirando umas nas outras. Mas esse novo universo Star Wars da Marvel tem caído nas minhas graças, principalmente porque os times chamados para fazer essas histórias são nomes de peso. Como Mark Waid e o casal Dodson, nesta Princesa Leia, o melhor quadrinho que li da linha até agora. Com uma história bem road trip, Waid trabalha sensacionalmente os personagens e os Dodsons acrescentam sua arte deleitosa e de babar. Nessa minissérie em cinco edições, Leia quer reunir os sobreviventes de seu então planeta-natal, Coruscant, uma civilização brilhante, cheia de pessoas inspiradoras, mas que foi devastada na guerra contra o Império. Uma leitura interessante até para quem não está familiarizado com o universo de Star Wars.


ABRviuvaVIÚVA NEGRA: NA MIRA DA SHIELD, DE MARK WAID E CHRIS SAMNEE

Eu me decepcionei um pouco com esse encadernado da Viúva Negra porque, dada a dupla que fazia o quadrinho, achei que ia encontrar alguma coisa mais parecida com o Demolidor. Mas, na verdade, encontrei algo mais parecido com um filme de ação. E quando falo filme de ação, não são aquelas porcarias brucutu dos anos 80/90. Quando falo filme de ação comparo com coisas mais recentes como Bourne ou os novos 007. O novo quadrinho de Natasha Romanoff privilegia a ação antes de qualquer coisa, tanto que a primeira edição é praticamente sem diálogos. Diferente das outras encarnações de histórias da Viúva Negra, que privilegiavam a espionagem, este mostra mais o combate e, claro, o passado inescapável da femme fatale russa.


ABRcaixoes

QUARENTA CAIXÕES, DE RODOLFO SANTULLO E JOK

Já havia lido essa HQ ainda quando fui à Argentina pela primeira vez. Li ela em espanhol e achei muito legal. Uns cinco anos depois, ela chegou no Brasil pela Editora Jambô. A HQ conta como Drácula saiu dos cárpatos e chegou à Londres. Essa é a história de sua viagem. Entretanto, ela é narrada pelo ponto de vista do capitão do navio encarregado de levar quarenta caixões cheios de terra. Lá pelas tantas, a tripulação do navio vai presenciando fenômenos estranho e seus marujos vão desaparecendo um a um. Um quadrinho de atmosfera, que mostra o terror crescente entre os marinheiros do navio que carrega Drácula para lá e para cá. Uma leitura rápida, afinal o quadrinho não possui mais do que uma centena de páginas.


ABRtitas

NOVOS TITÃS: A QUEDA DOS TITÃS, DE TONY BEDARD, SCOTT LOBDELL, IAN CHURCHILL E MIGUEL MENDOZA

Este encadernado marca o encerramento das histórias dos Novos Titãs na iniciativa Novos 52 e DC e Você para abrir caminho para o Renascimento. Os Titãs começaram essa nova fase sob a batuta de Scott Lobdell e Brett Booth e nem os desenhos e nem os roteiros ajudavam as histórias serem bem quistas pelos leitores. Por isso, ele foram reinventados por Will Pfeifer e ganharam, de certa forma, uma nova roupagem, se aproximando mais do que eles eram antes do Flashpoint. Nesse encadernado vemos como Tony Bedard e os artistas dão um fechamento para a fase, com destaque para a história em que os heróis enfrentam os confusos Monsieur Mallah e Cérebro, uma narrativa muito bem engendrada. O único porém é um baita spoiler ao final do encadernado.

Leia aqui mais sobre a fase dos Novos Novos Titãs por Will Pfeifer.


ABRtocha

TOCHA HUMANA: EM CHAMAS, DE KARL KESEL E SKOTTIE YOUNG

O criador e escritor do Superboy se junta com o desenhista dos herois Marvel baby, Skottie Young, para trazer essas histórias do membro mais esquentadinho do Quarteto Fantástico. O primeiro arco dessa série só foi sair no Brasil este ano, através da coleção vermelha da Salvat. É uma história bastante interessante, trazendo um mistério de pessoas que vêm sendo consumidas pelo fogo e, para descobrir esse mistério Johnny Storm precisa trabalhar ao lado do corpo de bombeiros e do único cara que ele acabou queimando intencionalmente: Mike Snow. Uma história intrigante e bastante divertida. Imagino que os dois arcos seguintes, não publicados no Brasil, devam ter seguido a mesma pegada. Achei legal esse enfoque no Johnny Storm, porque geralmente nas histórias do Quarteto Fantástico ele não tem muito destaque.

Leia mais sobre a linha Tsunami da Marvel que, inclusive, gerou esse encadernado do Tocha Humana.


PIORES:

SUIpaniniSUICIDAS, DE LEE BERMEJO E MATT HOLLINGSWORTH

Suicidas tem n problemas que me incomodam, mas o maior deles, sem dúvida, é a falta de cuidado editorial. Que falta a Karen Berger faz nesse momento. Se os editores tivessem ajudado Lee Bermejo a construir seus personagens e seu universo, talvez e somente talvez, Suicidas não fosse esse desperdício de papel de quadrinhos que é. Afinal, não adianta termos gladiadores num futuro numa cidade cerceada, se nada disso serve para a história. Se o personagem tosse, ele tem que morrer no fim. Se o autor foca numa espingarda, ela deve disparar em algum momento. Mas Bermejo nos traz um quadrinho tão raso e fraquinho, que eu chego à conclusão de que ele serve mesmo é pra fazer capas bonitas e só. Uma grande lástima.

Leia uma resenha completa de Suicidas, de Lee Bermejo.


ABRvingançaSUPERMAN/BATMAN: VINGANÇA MÁXIMA!, DE JEPH LOEB E ED MCGUINNESS

Tente imaginar um rocambole feito de salada de frutas. Ou então tente imaginar aquelas massas do Spoleto, que você tasca todos os ingredientes de uma vez. Qual vai ser o resultado? Você não vai conseguir sentir o sabor dos ingredientes, nenhum deles vai se destacar e vai ficar uma lambança tão putchecosa que ninguém vai saber se aquilo é uma massa ou o quê. Assim é esse arco, que é a despedida da dupla Loeb/McGuinness do título e que saiu aqui na coleção da Eaglemoss. Ele começa com Batman e Superman enfrentando uma versão DC dos Supremos, os Máximos, depois aparece o Bizarro e o Batzarro, depois n versões da Supergirl, e a coisa vai ficando tão feia que vira um combate do Sr. Mxyzptlk e o Batmirim. Se você quer uma história ótima de combate entre os dois, procure o especial Os Piores do Mundo e esqueça esse arco do Loeb. Por favorzinho!


E você? Quais foram suas melhores leituras do mês? E as suas piores? E você concorda com o que foi dito aqui? Não deixe de comentar aí embaixo! Abraços submersos!

Anúncios

6 comentários

  1. Em Abril minhas melhores leituras foram Y o ultimo homem e Marvels. Ambos encontrei no sebo e não havia lido antes (leitor novo no mundodas HQs).
    Entre as piores eu cito o Doutor Estranho Fim da Magia que foi muito ruim!!! Até desisti da mensal depois dela. Com o mesmo dinheiro vou comprar Renascimento.

    Curtir

    • Guilherme Smee diz

      Oi Rafael! Em primeiro lugar, seja bem vindo ao mundo das HQ, espero que sobreviva à experiência! Ótimas leituras que você fez esse mês, hein? Até o Doutor Estranho eu gostei, viu? Parabéns, fique a vontade para comentar mais! Abraços! =)

      Curtir

  2. Desses eu só li Novos Titãs mesmo kkkk A Viúva Negra eu desisti depois que dei uma olhada que tinha bastante ação pela ação (nunca gostei de gibi assim…) e to querendo dar uma chance pra Leia, mas tenho receio de que o medo de fazer algo que altere o que está nos filmes deixe as hqs do Star Wars meio médias… (o que você recomendaria pra entrar com o pé direito nesse universo de Star Wars da Marvel a propósito??). To ansioso mesmo é pelo Renascimento não consegui ainda decidir o que colecionar e o que não colecionar por causa do pouco dinheiro @.@’

    Curtir

    • Guilherme Smee diz

      Arth, Viúva vale a pena mesmo assim. Leia Leia, hehehe, eu achei o melhor, mais interessante, uma aventura boa pra ler no friozinho. Renascimento tá complicado de acompanhar, afinal, aqui em Porto Alegre nem chegou nada, sendo que a Panini prometeu o primeiraço pra março e estamos em abril. Panini Paninando! =P Abs!

      Curtir

      • Aqui em São Paulo só chegou o especial e quatro mensais do Renascimento (claramente Panini paninando kkk)… A Viúva acho que vou acabar esperando a continuação e dar uma olhada pra ver os rumos da história (é duro, porque encadernados assim a gente não encontra na Saraiva nem na Fnac pra pegar promoção T.T)… Leia vou dar uma chance então… É minha favorita dos três, então se eu não gostar da história dificilmente gostarei das outras de Star Wars kk Abs!

        Curtir

      • Guilherme Smee diz

        Tenta a Leia. Se não gostar, pelo menos os desenhos são um deleite. ❤ Abs!

        Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s