Mês: julho 2018

Guia de Leitura: Homem-Animal

Bernhard “Buddy” Baker é o Homem-Animal, o super-herói com poderes animais. Na verdade, Buddy mimetiza as habilidades dos animais e as transforma em poderes. Ele foi criado em 1965, na revista Strange Adventures #180, por Carmine Infantino. O mesmo título hospedou heróis como Adam Strange e Desafiador. Mas o herói só ganhou os holofotes quando o escocês Grant Morrison o revitalizou com uma abordagem mais adulta, o que elvou o personagem a ser publicado pela linha Vertigo. De um herói linha C, O Homem-Animal acabou se tornando bem popular com os leitores, embora no universo DC ele ainda seja considerado um herói pé-de-chinelo. Como Buddy é amado por muitos, resolvemos, então, produzir um Guia de Leitura para o Homem-Animal!

Melhores e Piores Leituras de Julho de 2018

O mês de julho foi bem propício para ficar em casa, debaixo das cobertas e lendo um bom dum gibizinho, não é mesmo mergulhadores? Até por que, se pudéssemos, não faríamos mais nada nesse tempo modorrento. Ah, e também teve a Copa, que não deixou as pessoas quietas e fez com que todo mundo se agitasse, gostando ou não de futebol. Infelizmente ninguém passa incólume pelo campeonato mundial do esporte bretão. Então, esse mês trazemos mais de 25 mini resenhas para vocês se divertir com bons quadrinhos e se afastar das más leituras. Em julho, em especial tivemos muitas más leituras, como você vai ver. Mas você vai ver muito mais coisas aqui, eu prometo!

10 Hospedeiros de Venom (Além de Eddie Brock)

O filme do Venom, uma produção da Sony Pictures, com Tom Hardy no papel de Eddie Brock, está para chegar nos cinemas em mês de 2019. No filme, aparentemente o simbionte vai ser desenvolvido ou alterado por um laboratório, mas só saberemos ao certo quando o filme chega às telonas. A maioria dos fãs de quadrinhos sabe que Peter Parker e Eddie Brock já usaram o simbionte encontrado no Mundo Bélico do Beyonder. Mas que outros indivíduos já “vestiram” esse mesmo simbionte? Veja que estamos falando do mesmo simbionte, ok? Não de Carnificina, Toxina e outros familiares. Então, se ainda não está preparado para os easter-eggs do filme do Venom, pode ser que você encontre um deles aqui. Não deixe de ler!

A Série Supergirl Trará a Primeira Heroína Transsexual da TV

Embora o cinema ainda não tenha apresentado nem ao menos um super-herói gay, as séries para a televisão já fizeram isso há muito tempo. O próximo passo dado na representatividade de pessoas queer é uma nova personagem trans na série da Supergirl, exibida nos Estados Unidos no Canal CW e, no Brasil, pelo Warner Channel. A personagem Nia Nal, será inspirada na integrante da Legião dos Super-Heróis, a Sonhadora, que possui poderes de clarividência do futuro. A grande novidade é que a personagem sendo transexual, também será interpretada por uma atriz transexual. Nicole Moines. Vamos falar um pouco sobre representatividade trans no audiovisual?

De Onde Veio o Nome do Asilo Arkham?

A casa de recuperação para criminosos insanos do universo do Batman surgiu nos quadrinhos em 1970. Desde então Arkham tem sido sinônimo de loucura, perversidade e criminosos perigosos. Arkham também batizou uma popular série de jogos de videogame do Cavaleiro das Trevas em que, a cada nova versão, a extensão do Arkham ia se espalhando. Primeiro o asilo, depois a ilha e, por fim, a cidade inteira de Gotham City. Com esse nome sendo muito popular, nada mais justo do que pesquisarmos a origem dele, correto? Coloque que sua camisa de força e prepare sua cela acolchoada que vamos investigar o (nome) Arkham a fundo!

Demasiado Humano. Horácio: Mãe, de Fabio Coala

O último lançamento da graphic MSP foi o tão aguardado Horácio. O personagem não havia ganhado uma nova versão porque o criador, Mauricio de Sousa, nutria um afeto especial pelo dinossauro e não deixava mais ninguém escrever. Demorou, mas acabou cedendo para o Fabio Coala, famoso pelas tiras publicadas no mentirinhas. Coala escreveu e desenhou Horácio – Mãe (2018) e, depois de tanta expectativa, chegou a hora de saber se a espera valeu a pena. Fizemos uma resenha com aquilo que pode ter passado despercebido pelo seu olhar durante a leitura. Isso, se você já leu. Caso não tenha lido, vem com a gente  pra pré-história que não vamos estragar sua experiência!

Opiniões e Expectativas Sobre os Trailers da San Diego Comic Con 2018

O final de semana da San Diego Comic Con deste ano de 2018 veio recheado de trailers para o verão americano de 2019. São muitos filmes e, em geral muito empolgantes, de Animais Fantásticos a Shazam!, passando por Glass e as séries Titans e The Gifted. Resolvemos comentar um pouco sobre nossas opiniões e expectativas para os filmes e séries do universo nerd que vem aí. Então, apertem seus cintos, peguem suas pipocas e refris, pois a sessão de filmes está prestes a começar!

Quem é o herói SHAZAM!, o antigo Capitão Marvel?

Começou a divulgação do filme Shazam!, estrelado por Zachary Levi, que conta a história de um menino de 13 anos que, ao gritar uma palavra mágica, se torna um adulto superpoderoso. Para você que não conhece o herói , ou ainda, o conhecia ainda pela alcunha de Capitão Marvel, resolvemos preparar uma espécie de guia para entender a mitologia de Shazam, Billy Batson, seus inimigos e seus aliados. Vem com a gente!

O Poder e a Alienação do YouTube. Quem Matou o Caixeta?, de Rainer Petter

É indiscutível que o youtube tomou proporções na vida das novas gerações da mesma forma que a TV fez com as gerações anteriores. Mas enquanto a TV se utilizava de filtro e ferramentas de alienação popular mais discretas e subliminares, a doutrinação através dos vídeos de streaming não tem nada de disfarces e muito menos nada de filtros. A forma massiva como essa comunicação chega á pessoas cria um comportamento de rebanho e anula o senso crítico, fazendo as pessoas cada vez mais radicais, ou apenas concordando ou discordando extremamente do que os youtubers apregoam. Quem Matou o Caixeta?, de Rainer Petter, é uma crua retratação dessa geração que quer mais postar sem realmente refletir o que está fazendo e quais as responsabilidades desses comentários e é sobre isso que vamos discutir agora.

(Muitos) Destaques no Checklist Marvel / Panini Comics Para Julho de 2018

Caros mergulhadores, esse mês não vou dar chapoletada na Panini porque é que nem o Willie Lumpkin tentando enfrentar o Galactus. Por mais que ele entregue cartas, o Galactus vai acabar devorando o planeta de qualquer maneira. A não ser que o Vigia tome uma atitude no seu juramento de não-intervenção. Mas isso só acontece nas histórias de super-heróis. Por isso, vamos rapidamente pular para os vários destaques do checklist do mês antes que o Galactus devore o seu salário do mês!

(Poucos) Destaques do Checklist da Mythos Editora Para Julho de 2018

Hey, hey, amigos mergulhadores! Chegou o momento de trazer para vocês os destaques da Editora Mythos para esse mês de julho. Não são muitas novidades, mas tem coisa bem legal esse mês. Além disso, vale dizer que o encadernado do Capitão Stone, do artista de Mulher-Maravilha, Liam Sharpe, foi reprogramado para esse mês. Bem, recado dado, vamos aos destaques de julho!

Aos Vestígios do Passado e Além: A Vida é Boa, Se Você Não Fraquejar, de Seth

Seth é um dos mais festejados quadrinistas canadenses. Ele também é um dos pioneiros a fazer quadrinhos indies autobiográficos, tendo começado ainda nos anos 90 esse tipo de história memorial que teve seu boom em meados dos anos 2000. A Vida é Boa, Se Você Não Fraquejar é o seu segundo trabalho publicado no Brasil, mas é de longe o mais famoso internacionalmente e o cartão de visitas da sua obra. Publicada pela Editora Mino em 2018, esse quadrinho é uma leitura obrigatória para aqueles que curtem artes sequenciais com teor autobiográfico. A seguir, descrevo um pouco melhor sobre esse quadrinho bem diferente do que estamos acostumados, mas com alguma coisinha em comum.

A Diferença na Representação dos Gêneros nos Quadrinhos

Já falamos e muitas outras pessoas, sites, trabalhos de conclusão, artigos acadêmicos, personalidades dos quadrinhos já falaram a respeito da sexualização da mulheres (e também dos homens) nos quadrinhos. Mas como isso se aplica para os desenhistas e para as desenhistas de quadrinhos? Como essa dinâmica das diferenças nas retratações dos gêneros masculino e feminino nos quadrinhos mudou ao longo dos tempos, se é que mudou? Vamos pegar emprestado um artigo de uma das maiores teóricas do gênero nos quadrinhos, Trina Robbins, para discutir essas mudanças.

Destaques do Checklist da DC Comics / Panini Comics Para Julho de 2018

Olá mergulhadores! Já estamos na metade do ano! Que coisa, não? Hoje viemos trazer para vocês os destaques do checklist da DC/Panini para Julho. Tem algumas coisas dignas de um Rei, se é que vocês me entendem e que sabem que o anivers do monarca já passou. Adivinha quem são os bobos nessa corte? Mas tem outros destaques legais tanto nas revistas mensais quanto nos encadernados do Renascimento em capa cartão. E, claro, tem METAL! Quer saber quais são os destaques, bem, então clica aí e dá uma olhada!

A Leitura dos Quadrinhos: Mito, Ritual e Realidade

Acho que vocês, leitores inveterados de quadrinhos, já devem ter percebido que fazemos da nossa leitura, do nosso contato com os quadrinhos, um ritual. Todos visitamos um templo: uma banca, uma livraria, uma loja virtual. Todos comungamos da mesma história, do mesmo enredo, se lemos a mesma publicação. O ato ritualístico da leitura envolve sentidos e sentimentos, a visão, o toque das páginas, o peso do quadrinho, o cheiro do papel e da tinta. Nos acomodamos para poder nos sentir melhor ao ler quadrinhos. Entre muitas outras similaridades com um culto religioso. Afinal, muitos tratam Marvel e DC, e alguns criadores como verdadeiros e veneráveis deuses. Mas eu gostaria de analisar esse fenômeno um pouco mais a fundo e, por isso, fiz uma pequena pesquisa. Venham praticar esse rito comigo, sem cerimônia, por favor!

Quando a Criação de Super-Heróis Gays Brasileiros Sai Pela Culatra

Super-heróis gays estão em evidência. Uma das razões é porque eles servem de alento, de apoio e representatividade para uma camada do público dos quadrinhos que sempre os consumiu e nunca teve essa representação tão forte. Mas quando uma coisa entra em evidência, logo surgem cópias. Logo surgem pessoas e empresas querendo lucrar com isso sem ter o devido comprometimento e seriedade que a representação de uma minoria pede. Acaba sendo o inverso do empoderamento, quando a classe dominadora restringe o espaço da classe dominada falando por ela e, além disso, retirando dividendos da mesma para benefício próprio. Hoje vamos falar de dois casos de super-heróis gays brasileiros que “prestam um desserviço” à representação das minorias.

Os Quadrinhos Nacionais Nos Rankings do Guia dos Quadrinhos

Essa semana escrevi um post falando sobre os quadrinhos mais bem avaliados do site de catalogação e colecionismo Guia dos Quadrinhos. O post gerou algumas boas discussões. Até que alguém trouxe à baila a situação dos quadrinhos brasileiro. Realmente, apesar de nosso cenário se mostrar mais diverso, com publicações para todos os gostos, parece que isso não se reflete na preferência nacional e também não gira tanto capital quanto os quadrinhos estrangeiros. Ao menos através da óptica dos frequentadores do site Guia dos Quadrinhos. Mas vamos um pouco mais à fundo nisso e vamos discutir esses rankings com mais detalhes. Se ficou interessado, continue lendo.

Os 10 Comics Mais Bem-Avaliados do Guia dos Quadrinhos [Edição 2018]

Além de poder cadastrar e catalogar suas revistas no site Guia dos Quadrinhos, também é possível avaliá-las. Na capa do site encontramos duas listas. Uma das revistas mais colecionadas pelos usuários do site e outra com um ranking das revistas em quadrinhos mais bem avaliadas pelos usuários do Guia dos Quadrinhos. Já havíamos feito um desses rankings em 2015 (que você pode acessar logo abaixo), mas de lá para cá muita coisa mudou. Se passaram três anos e apenas quatro daquelas dez revista continuaram no TOP 10. Vale lembrar que aqui só colocamos comics e não quadrinhos japoneses e europeus. Quer saber quais são essas revistas? Então continue lendo este post.

Link para o ranking feito em 2015 dos 10 Comics mais bem-avaliados do Guia dos Quadrinhos.

10) SANDMAN: PRELÚDIO – VOLUME TRÊS
Para vocês verem como as vendas e o hype funciona na cabeça dos leitores, em 2015 era Sandman: Prelúdio – Volume Um que figurava na lista. Mas claro, o belo trabalho de Neil Gaiman e J. G. Jones contando os anos perdidos de Lorde Morpheus merecia uma edição única e não ser cortado em vários volumes. Porém, é o que temos para hoje na décima posição.

9) BEASTS OF BURDEN: RITUAIS ANIMAIS
Outro quadrinho que leva mais o hype nas costas do que qualquer outra coisa. Em nenhuma lista fora do país, Beasts of Burden sequer figurou como grandes coisas, grandes obras, grandes quadrinhos já produzidos. Mas pelo boom que o canal e editora Pipoca & Nanquim fez dessa edição, ela atingiu o notável nono lugar. Para vocês verem, como diz meu amigo Wagner Willian, que a propaganda é a desalma do negócio.

8) OS MAIORES SUPER-HERÓIS DO MUNDO
Outro fator do hype dessas revistas: a Panini mal relançou Os Maiores Super-Heróis do Mundo e ela já figura em oitavo lugar das revistas mais bem-avaliadas. Convenhamos, embora Paul Dini e Alex Ross tenham feito um bom trabalho em alguns desses álbuns, em outros eles deixam a desejar. E além disso, será que poderíamos considerar essa publicação uma história em quadrinhos?

7) DEMOLIDOR: A QUEDA DE MURDOCK
Finalmente chegamos a um quadrinho que, realmente, costuma constar da lista dos quadrinhos mais queridos produzidos nos Estados Unidos. Essa é história definitiva (talvez?) do Demolidor, feita por Frank Miller e David Mazzucchelli, que conta a derrocada de Matt Murdock pelo Rei do Crime depois de ele pagar a identidade secreta do herói por doses de heroína para sua antiga namorada.

6) O REINO DO AMANHÃ: EDIÇÃO DEFINITIVA (ANTES: 10º LUGAR)
O Reino do Amanhã é outra obra de Alex Ross, embora eu considere Marvels muito melhor que esta, Marvels não está nos dez mais. Vale notar que o trabalho de Ross e Mark Waid já havia aparecido na última posição deste TOP 10 em 2015. Ela não apenas se manteve, como subiu quatro posições no ranking.

5) V DE VINGANÇA (ANTES: 5º LUGAR)
Quando fizemos essa lista em 2015, o Brasil tinha acabado de sair de um período tumultuado, quando as máscaras de V de Vingança infestavam as ruas. E a Panini? A Panini não tinha um mísero exemplar de V de Vingança para vender, as pessoas recorriam aos importados – para variar. Depois de uns dois anos saíram novas edições e, aqui, nessa mesma quinta posição se manteve firme e forte esse quadrinho atemporal.

4) AO CORAÇÃO DA TEMPESTADE
Will Eisner aqui nesta lista é praticamente um extraterrestre. Já que a lista é dominada por quadrinhos da Vertigo e de super-heróis. Mas é bom saber que o Will velho de guerra (literalmente) ainda aquece alguns corações joviais com suas narrativa semi autobiográficas. Will Eisner figura nessa lista para mostrar que quadrinhos bons não são apenas quadrinhos com colantes e porradas.

3) SANDMAN: EDIÇÃO DEFINITIVA – VOLUME UM
Vejam que interessante esse fenômeno do hype. Em 2015 a edição de Sandman que figurava na lista era a Definitiva volume quatro, com as histórias Entes Queridos e outros arcos. Agora, por ser a edição mais recente relançada pela Panini, é o volume um que está em evidência e na terceira posição, no pódio! O volume um, com Prelúdios e Noturnos e A Casa de Bonecas tem muito mais apelo ao terror.

2) WATCHMEN: EDIÇÃO DEFINITIVA (ANTES: 1º LUGAR)
Watchmen estava em primeiro lugar em 2015, outro fator hypístico que estava ao seu favor era um relançamento da segunda reedição da “edição definitiva”. Dessa vez, como faz um certo tempo que a Panini não relança essa maxissérie, as pessoas deram menos valor para Watchmen. Isso deverá mudar de figura quando a Panini lançar mais uma “edição definitiva”.

1) MAUS (ANTES: 3º LUGAR)
Embasbacantemente temos Maus em primeiro lugar. Talvez a obra-prima mais elogiada dos quadrinhos, uma das poucas a ganhar o Prêmio Pulitzer. Maus estava no terceiro lugar quando verificamos o ranking do Guia dos Quadrinhos em 2015. Por alguma razão que não sei dizer, ele alçou duas colocações no pódio e ganhou a sua mais que merecida medalha de ouro.

É, amigos mergulhadores, acho que está na hora de eu começar a votar nas minhas revistas preferidas lá no Guia dos Quadrinhos. E você? Tem conta lá no Guia? È gratuito e você pode acessar para cadastrar e catalogar suas revistas. Você também pode votar nas suas revistas preferidas e, quem sabe, mudar esse ranking. Acessa lá: http://www.guiadosquadrinhos.com Abraços Submersos!