O Que é Alchemax, a Empresa de Homem-Aranha: no AranhaVerso, nos Quadrinhos?

Na animação Homem-Aranha: no Aranhaverso, a aranha que pica o adolescente Miles Morales possui uma inscrição nas costas: “Alchemax 42”. Esse é o nome da empresa de Wilson Fisk, o Rei do Crime, possui. Ela é a catalisadora do encontro entre as várias versões de Homens-Aranha que encontramos no filme longa-metragem. Mas querem saber um segredo? A Alchemax nos quadrinhos não está ligada ao Miles Morales, mas sim, a um outro Homem-Aranha. E eu vou contar tudinho, tim tim por tim tim neste post a seguir!

alclogo

A origem do Homem-Aranha Miles Morales nos quadrinhos não está ligada à Alchemax, mas à OsCorp, a mesma responsável pela origem do Peter Parker daquele universo, o Universo Ultimate da Marvel. Naquela realidade, aquela versão do Peter Parker morreu e, durante a luta de sua morte, outra aranha, diferente, que fugiu da OsCorp acabou mordendo Miles Morales. Não havia nenhum Wilson Fisk envolvido na origem de Miles Morales, embora, como no filme, ele invariavelmente acaba conhecendo Mary Jane e a Tia May.

A resposta para o lugar de onde vem a Alchemax está na alardeada cena pós-créditos de Homem-Aranha: no Aranhaverso. Ela está sediada na cidade de Nueva York, no ano de 2099. A Alchemax foi criada por Peter David e Rick Leonardi em Spider-Man 2099#1 e sempre foi retratada como uma megacorporação que produz tudo que o consumidor precisa. Ela também envolve diversos tipos de manufaturamento desde armas militares à viagens espaciais. No Universo 2099 da Marvel ela também é responsável por armar o Olho Público, que é uma espécie de policiamento high-tech das cidades.

alc2099

Foi por causa da Alchemax que Miguel O’Hara se tornou o Homem-Aranha 2099, quando foi malignamente manipulado em seus genes pelo presidente da Alchemax que queria castigá-lo por mau comportamento.  Miguel passou a ganhar uma visão diferente e também garras nas mãos e nos pés que o permitem escalar paredes. O presidente da Alchemax em 2099 é Tyler Stone que, nas histórias do Homem-Aranha 2099, Miguel O’Hara descobre que é seu verdadeiro pai. Eventualmente, O’Hara acaba herdando a Alchemax.

No universo regular da Marvel, o Universo 616, a Alchemax foi criada por Dan Slott e Ryan Stegman em The Superior Spider-Man #19. Lá a empresa é um ajuntamento das empresas Allen, de Liz Allen, do que sobrou da OsCorp e dos Laboratórios Horizonte. Foi durante esse período que o Homem-Aranha Superior acabou trazendo o Homem-Aranha 2099 para o presente, onde ele estrelou dois volumes de suas novas séries, escritas por Peter David. Nessas séries, ele enfrentava os planos malignos de Tiberius Stone, um de seus ancestrais e de seu pai, Tyler Stone.

alcmeet

No mundo de 2099, a Alchemax só tem uma concorrente, a Stark-Fujikawa, que também chegou a existir durante um breve tempo no Universo 616, nas histórias do Homem de Ferro. Ela era uma empresa fusão das Indústrias Stark, que na época passava por um grande colapso econômico com as Empresas Fujikawa, de Rumiko Fujikawa. Quando Tony Stark e Rumiko Fujikawa se casaram, as duas empresas se fundiram e passaram a se chamar Stark-Fujikawa enquanto o casamento dos dois durou.

Agora que você já sabe mais sobre a Alchemax, vai poder entender um pouco melhor a cena pós-créditos de Homem-Aranha: No Aranhaverso e talvez, elaborar na sua cabeça algumas ramificações de uma possível continuação dessa trama. Abraços submersos em teia pra tudo que é lado!

alclogo2

5 comentários sobre “O Que é Alchemax, a Empresa de Homem-Aranha: no AranhaVerso, nos Quadrinhos?

  1. Cara, esse universo 2099 era passado de bom! Lembro que foi meu primeiro contato com a leitura do universo aracnídeo (apesar de já estar familiarizado com o Aranha Peter Parker e do saudoso desenho “Homem-Aranha e Seus Incríveis Amigos”) Aquela pegada ciberpunk, relances de Orwell (1984), opressão das grandes corporações que controlavam a população por meio de bens de consumo de massa, cerceamento da livre expressão e por aí vai.

    Peter David mandou bem com este universo próprio de histórias cabulosas. Havia drama familiar, comédia, ação, momentos reflexivos acerca do mundo que nos rodeia e a alienação do povo, crítica social (havia uma história onde o Miguel O’Hara caia na parte baixa de Nueva York, uma espécie de submundo com todo lance de pobreza e miséria social, parecido bastante com nosso cenário atual). Não é a toa que as histórias contidas em livros, quadrinhos e outras mídias ressaltam a crítica à sociedade e a forma como os indivíduos se comportam nela, um espelho de vida.

    É por isso que Thompson, do livro Mídia e Modernidade, sempre percebeu os meios de comunicação como ferramentas fantásticas que promovem a crítica social e transforma a relação dos indivíduos em algo dialógico e funcional. Diferente de certos frankfurtianos negativos que só enxergam o mal e a dominação das massas através da mídia.

    Sou nerd desde criança e confesso que já fui daqueles que se empolgavam com as coisas massavéio da década de 90. Mas, à medida em que crescemos e amadurecemos as ideias, já queremos ler o universo geek e nerd por um viés diferente, mais recursivo e transformador. Não vale mais o Batman chutar bundas, tem que ter motivo para tais ações. Entende o que quero dizer?

    Bom, é isso. Agora, vou lá na minha coleção buscar reler essa fase do Aranha 2099 que, mesmo derrapando lá no finalzinho de tudo, ainda é bastante relevante para o cenário atual de mundo em que vivemos.

    Obrigado por reviver esta nostalgia em mim.

    Curtir

    1. Oi Brasuka! Sim, o universo 2099 tinha uma pegada legal em alguns personagens como o Aranha, o Ravage e o Destino. mas os demais, como X-Men e Quarteto Fantástico, eles erraram na mão feito. Tu sabia que o Universo 2099 foi mais popular no Brasil do que foi nos Estados Unidos e que as revistas deles saiam quase no mesmo tempo aqui e lá? Pois é.
      Sobre o massavéio, tudo bem se amar quando se é adolescente e criança. O problema é achar isso depois de véio e com cabelo branco… Valeu pelo comentário! Sempre é bom lê-los! Abraços! =)

      Curtir

  2. Parabéns! Bela matéria! Sou fã do Universo 2099 e, principalmente, do Aranha 2099. Espero que ele tenha destaque numa futura continuação da animação. Em relação ao texto, percebi que falou que Miguel foi picado por uma aranha. Porém, pelo que lembro, ele foi drogado por Tyler Stone e, para se livrar da dependência que a droga causava, ele recorreu a manipulação genética no laboratório da Alchemax. Por causa de uma sabotagem neste momento, seu DNA foi fundido com o do Homem-Aranha original, que era o objeto de pesquisa do setor de genética.

    Curtir

Deixe um comentário, caro mergulhador!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.