Todos os posts em: mangás

Os Melhores Mangás que li em 2013

Então, primeiro quero pedir desculpas pelo meu total desconhecimento sobre o universo dos Mangás. Se eu falar alguma besteira, me corrijam. Nunca fui muito desse tipo de leitura, mas não por não curtir o estilo, e sim, porque os títulos errados caíram em minhas mãos. Tentando corrigir esse lapso na minha formação quadrinhística, tentei ler alguns. Os melhores foram estes:  ADOLF, OSAMU TESUKA O Deus do Mangá não poderia ficar de fora da lista de iniciação aos quadrinhos japoneses. Além de Adolf, li A princesa e o cavaleiro, um dos grandes clássicos do mestre. A diferença de teor entre os dois é enorme, seja no traço ou no conteúdo narrativo.  Dizem que Adolf foi o primeiro quadrinho adulto de Tesuka e a história tem coisas para maiores de 18 anos como sexo e muita violência, mas, claro, à maneira Tesuka. Notei nos dois mangás uma influência de Shakespeare, seja nas tragédias, nos encontros e desencontros ou nas trocas de papéis, como já bem diz o título que comporta três Adolfs diferentes. Além disso, há a …

Delivery Service of Corpse

Essa semana comprei Delivery Service of Corpse (Conrad, R$ 12,90) para dar uma chance ao mangá, coisa que não está regularmente nas minhas leituras. O plot chamou a minha atenção: um grupo de estudantes de uma universidade budista se reúne para resolver os assuntos pendentes dos mortos. O roteiro é de Eiji Otsuka e a arte de Housui Yamasaki. No primeiro volume são quatro histórias. A primeira, Felicidade Incompleta, conta como Kurô Karatsu encontra seus companheiros e como eles iniciam a Amigos Voluntários Kurosagi. Kurô é o que chamam no Japão de Itako, uma pessoa capaz de se comunicar com os mortos através do contato físico. O resto do grupo também tem habilidades específicas: uma hacker, um radiestesista (capaz de localizar água, tesouros e cadáveres sob a terra), uma embalsamadora e um canalizador (? – um cara que canaliza energias extraterrestres através de seu fantoche). O gibi é recomendado para maiores de 16 anos. O conteúdo das histórias não poupa o uso de violência e nudez, todo parece  acontecer de uma forma gratuita. Para se …