Todos os posts em: Citações

Alguém famoso citando quadrinhos.

Brian Michael Bendis!!! GRAURRRRR!

“Brian Michael Bendis é o Melhor Escritor de Comics de Super-Heróis”, por Henry Jenkins

Em um livro que trazia artigos sobre as coisas mais bonitas na cultura pop dos Estados Unidos e do mundo o estudioso dos fãs e da cultura da convergência Henry Jenkins apontou Brian Michael Bendis como uma dessas coisas belas. Para Jenkins Bendis é o melhor escritor de quadrinhos do mainstream contemporâneo. Em um ensaio inspirado o estudioso da cultura dos fãs e da convergência explica suas motivações para essa escolha. O ensaio é de 2007, mas resolvemos trazer para vocês algumas partes deste ensaio para entendermos um pouco do impacto e do legado de Brian Michael Bendis na cultura de fãs de quadrinhos de super-heróis do mainstream estadunidense contemporâneo.

Popeye: 90 Anos do Marinheiro Predecessor dos Super-Heróis

Neste ano de 2019, o marinheiro Popeye está fazendo seus 90 anos. Famoso nos desenhos animados, ele surgiu primeiro nas tiras de jornais em 1929 e foi criado por E. C. Segar, um veterano dos quadrinhos com muita verve para o humor. O que Popeye tem de interessante para os fãs de super-heróis é que ele traria um modelo que seria seguido por vários deles, inclusive o Superman, que surgiria nove anos depois. Ele tem uma condição mágica ou tecnológica que lhe garante força e poder, a espinafre; ele tem um eterno interesse romântico, Olívia Palito; bem como possui um eterno antagonista, o Brutus. E uma lista longa de coadjuvantes peculiares, como Gugu, Dudu, Alice e a Bruxa do Mar. Para homenagear esse curioso personagem trazemos uma citação do livro The Comics Before 1945, de Brian Walker, que fala sobre a carreira de E. C. Segar e da criação de Popeye.

Algumas Analogias Sobre Adoção nas Histórias de Shazam!

Existem diversas alegorias e metáforas no universo das revistas do Capitão Marvel, agora chamado apenas de Shazam! Muitas delas, contudo, se referem à família. Essa instituição social tem uma importância mais profunda na série de Shazam! principalmente porque Billy Batson é órfão e é uma criança, diferente de outros heróis que são órfãos mas são adultos como Batman, Superman e Homem-Aranha. Por isso, as alegorias à família e à adoção são mais destacadas tanto em versões atuais de Billy Batson tanto nos quadrinhos quanto em seu filme recente. Mas o escritor dominicano Junot Diaz tem uma ideia interessante sobre essas metáforas que vamos apresentar neste post.

“A Marvel Está Tentando se Manter Apolítica”, por Art Spiegelman

Art Spiegelman, autor de Maus e ganhado do primeiro e único prêmio Pulitzer dado para os quadrinhos, foi convidado pela Marvel Comics para escrever o prefácio da edição de número 1000 de Marvel Comics, comemorando os 80 anos da editora. Contudo, ele acabou brigando e se desligando da editora ao ser censurado de fazer um crítica ao governo de Donald Trump. Assim, apesar do que os conservadores podem dizer, mesmo com seus movimentos em favor da representação e diversidade, a Marvel, segundo Spielgelman está tentando se manter “apolítica” e não criticar nenhuma orientação política. Resolvemos, então, replicar aqui este excerto, que foi originalmente publicado na revista Quatro cinco um, da Folha de S. Paulo, com ótima tradução do Érico Assis.

Super-Heróis: O Futuro dos Santos?, por Leandro Karnal e Luiz Estevam de Oliveira Fernandes

No livro Santos Fortes, os historiadores Leandro Karnal e Luiz Estevam de Oliveira Fernandes analisam retratos do sagrado no Brasil, mais precisamente os santos católicos romanos e suas influências e confluências no Brasil. Qual não foi a minha surpresa que, ao pesquisar sobre sincretismo, me deparo no posfácio deste livro com nomes de super-heróis bastante conhecidos. Os autores sugerem que os super-heróis poderiam ser uma mutação dos santos para um futuro próximo, como uma forma de culto, que tem tudo a ver com as formas de culto atuais da religiosidade cristã. Então resolvi transcrever uma parte deste texto em que eles encaram a santidade dos super-heróis. Sem blasfêmia aqui.

“Santa Sexualidade! Batman e Robin Me Tornaram Gay”, por Steve Berry

A oitava edição da revista underground de quadrinhos Gay Comix, assim como a nona edição, eram temáticas de super-heróis (gays, é claro!). Para o editorial, o leitor Steve Berry falou sobre sua relação especial com os personagens Batman e Robin e como eles despertaram a sua (homo)sexualidade. O relato de Berry é muito mais afetivo e carismático do que os apelos feitos pelo psiquiatra Fredric Wertham. Neste post, além de trazer na íntegra e traduzido o texto de Berry, vamos apresentar algumas teorias de porque os gays acabam criando casais gays onde eles não existem, principalmente na mídia de quadrinhos. Por isso, peço encarecidamente, NÃO COMENTE COM HATE, e leia pelo menos todo o post antes de comentar algum disparate. Agradecemos a preferência!

“Mike Mignola é Um Gênio”, por Guillermo Del Toro

Guillermo Del Toro é um diretor mexicano que tem grande afinidade pelos temas sobrenaturais. Fez isso em filmes muito premiados como O Labirinto do Fauno e A Forma da Água, sempre buscando encontrar o lado humano e além do humano em criaturas das formas mais bizarras, mas que se mesclam à nós de forma fluida e natural. Como a maioria dos fãs de quadrinhos sabem, Del Toro também foi o diretor dos dois primeiros filmes de Hellboy, baseados nas criações do autor e desenhista Mike Mignola. Del Toro e Mignola mostraram em seu filme uma dedicação e uma fascinação pelo universo que se descortinava à frente do espectador, foi uma bela osmose de trabalhos. Perceba aqui nesta citação o que Del Toro pensa do trabalho de Mike Mignola e entenda porque o diretor considera o quadrinista um gênio. 

Afinal, Por Que Alan Moore é Chamado de Mago?

Você já deve ter visto em muitos textos que falam sobre o roteirista de quadrinhos Alan Moore que ele é referido como o “mago de Northampton”, ou ainda “o mago dos quadrinhos”, ou “o mago do caos”. Mas por que ele é referido assim e que tipo de magia ele pratica? Será magia negra, será magia branca, será que ele fuma e vê duendes e gnomos? Será que ele pratica rituais satânicos imolando bodes e cabras? Ou será que ele gosta de se apresentar em festas infantis tirando coelhinhos da cartola? Agora você vai saber!

Saca Só as Referências Aos Quadrinhos Feitas no Clipe “Pantera Negra”, de Emicida.

Fã confesso de super-heróis, o rapper Emicida lançou essa semana o clipe “Pantera Negra”, em homenagem ao seu super-herói favorito dos quadrinhos, cujo filme estreia esse mês. Emicida é leitor de quadrinhos desde criança e , em release, o cantor se disse empolgado com o filme e que quis aproveitar a oportunidade de explorar o seu tema sempre presente de negritude e desigualdade social em combinação com o mundo dos super-heróis. Nós aproveitamos a oportunidade, e destacamos alguns pedaços dessa letra incrível que o rapper fez homenageando T’Challa de Wakanda. Saca só!

O Que Faz Um Bom Quadrinho?

Volta e meia surge uma discussão, seja entre amigos, entre leitores, nas redes sociais, sobre que conjunto de elementos fazem um bom quadrinho. Seria usar mais palavras que imagens? Seria usar bem o ritmo? Ou então, será que é por quanto tempo essa HQ dura e nos prende dentro dela. Sempre tive comigo que uma leitura valiosa seria aquela de nos transformar, de mudar nosso pensamento, de abalar nossas certezas, de nos despedaçar para nos reconstruir de novo. Mas eu não tinha minha certeza. Então fui pesquisar o que grandes nomes falam sobre grandes leituras. E o resultado está aqui.

A Vida do Quadrinho Americano em Miniatura: Will Eisner por Neil Gaiman

Este é o ano em que o Mestre dos Quadrinhos Will Eisner completaria 100 anos de existência. Por isso, resolvemos fazer uma singelíssima homenagem a esse quadrinista fantástico, trazendo algumas palavras de Neil Gaiman sobre sua importância. Essas palavras foram escritas na introdução do encadernado The Best of The Spirit, da DC Comics, publicado em 2006. Acompanhem as palavras de Neil Gaiman e reverenciem a importância de Will Eisner e de sua maior criação, o Spirit.

Desvendando o Pensamento do Charlie Hebdo

Se você estava vivo e consciente no mundo planeta Terra nos últimos cinco anos, certamente conhece ou já ouviu falar do jornal humorístico francês Charlie Hebdo. O jornal publica charges e quadrinhos polêmicos principalmente envolvendo religiões fundamentalistas como o islamismo e o cristianismo. A sede do jornal em Paris foi alvo de um ataque terrorista no início de 2015, matando vários de seus colaboradores, inclusive o diretor da época, Stéphane Charbonnier, o Charb. É dele o livro Pequeno Tratado da Intolerância, que li essa semana e trago um texto para vocês falando um pouco das ideias que o jornal queria passar.

Gail Simone Traça Sinceros Elogios a Rob Liefeld

Gail Simone é uma das mais reverenciadas escritoras femininas dos quadrinhos de super-heróis. Ela teve passagens marcantes por revistas como Deadpool, Mulher-Maravilha e Aves de Rapina, criando personagens coadjuvantes também marcantes, sempre cheios de bom humor e pendor para o feminismo. Em 2005, ela escreveu uma história em duas partes para a revista dos Novos Titãs (os números 27 e 28) em parceria com Rob Liefeld na arte. Não é segredo que o Youngblood, equipe criada por Liefeld foi inspirada nos Novos Titãs, e que Rapina e Columba só tem o destaque que tem hoje graças aos seus desenhos. Os dois aparecem na história de Gail. No dia 26 de outubro de 2017, Gail traço linhas elogiosas ao seu antigo parceiro de Novos Titãs através do Facebook. Confira o texto!

“Estão Faltando Vilões”, por Luis Fernando Veríssimo

Com tantos filmes de super-herói contra super-herói, como Batman v Superman e Capitão América: Guerra Civil, e filmes de vilões que se passam por heróis, como Esquadrão Suicida, levaram o escritor gaúcho a essa conclusão. Vamos destacar partes de sua coluna e comentar com nosso lastro nerd.

Assustar Crianças é Mais Fácil que Esclarecer Adultos

Muito se discute o que colocar na frente dos olhos das crianças, mas o perigo mora mesmo nos adultos que se comportam como crianças: sem filtros. Enquanto são crianças, elas não tem o poder de ação e o entendimento do mundo. Entretanto, quando se tornam adultos e começam a se transformarem em cidadãos atuantes da sociedade é onde está o x da questão.