Todos os posts com a tag: era de ouro

Ocasiões em Que os Super-Heróis da Marvel Lutaram Pelados

Como você viu na semana passada, heróis e vilões de todos os tipos e tamanhos e de diversas editoras já lutaram completamente nus em histórias de super-heróis. Mas agora vai ser diferente, separamos um rol de dez heróis apenas da Marvel que já lutaram como vieram ao mundo para despudor dos leitores. O striptease começa em 3… 2… 1…

Anúncios

A Sua Zona de Conforto e o Legado da Diversidade

Já falamos muitas vezes aqui de como as revistas em quadrinhos de super-heróis por um lado exigem personagem imutáveis e, por outro, faz com que eles acompanhem as transformações da sociedade. Também falamos da característica infinita das narrativas de super-heróis – elas nunca acabam, estão sempre contando mais e mais histórias desses personagens. Já falamos ainda da importância da diversidade nos quadrinhos. Hoje vamos falar sobre essa dicotomia entre imutabilidade x transitoriedade.

O Problema da Nostalgia nos Quadrinhos

Uma das coisas que mais me chateia em ler nas redes sociais são pessoas que dizem “não se fazem mais quadrinhos como antigamente”, mas que não se dão nem ao trabalho de ler os atuais. Realmente dá um preguiça discutir com essas pessoas que tem preguiça de ler quadrinhos mais atuais simplesmente pela desculpa do “não li e não gostei”. Mas vamos ver o que as teorias dos quadrinhos tem a dizer sobre os “conservadores” dos quadrinhos.

A Importância do Humor nos Quadrinhos de Super-Heróis

Os quadrinhos de super-heróis sempre tiveram elementos de humor. Um prova evidente disso é que o nome americano dos gibis se chama comic books, dada a origem humorística das primeiras publicações nesse estilo e formato. Hoje, comics, é sinônimo de super-heróis. Claro, existem aqueles que não curtem o humor presente nos quadrinhos. “Super-herói bom não dá risada, dá socos”, diriam. Aqui vamos dar uma olhada superficial sobre o humor e como ele se encaixa nos quadrinhos.

Mulher-Maravilha: Terra Um, de Grant Morrison e Yanick Paquette

Chegou às bancas o encadernado que reimagina a origem da Mulher-Maravilha para uma nova audiência. Isso é feito pelas mãos de Grant Morrison (Homem-Animal, Novos X-Men, Os Invisíveis, LJA) e Yannick Paquette (Jovens X-Men, Monstro do Pântano). Apesar de, na superfície, a origem não apresentar grande modificações, são as nuances que causam a reverberação do impacto da pedra no lago.

Heróis da Era de Ouro Reaproveitados Pela Marvel

Você sabe que muitos heróis da Era de Ouro, como o Flash e o Lanterna Verde, foram reaproveitados pela DC Comics na Era de Prata. Entretanto, alguns heróis mais obscuros da Era de Ouro nos dias de hoje, também foram reaproveitados pela Marvel. E não necessariamente vindos da Timely ou da Atlas, nomes anteriores da Casa da Ideias. Aqui, fizemos uma listinha desses heróis.

Um Sonho De Rorschach

Como o universo de Watchmen interagia com o o Universo DC regular antes do Rebirth? Ficamos sabendo, através do Rebirth, que foi graças a um ato de criação do Dr. Manhattan que o mundo dos Novos 52 foi criado. Uma história publicada em The Question #17 e 18, de 1988, apresenta ao leitor um dos personagem de Watchmen: Rorschach. Venha comigo se quiser saber!

10 Incríveis Macacos da DC Comics

Macacos me mordam! (Perae, não me mordam não!) A DC Comics é uma editora de macacadas, vocês bem sabem, por isso ela está tão recheada desses símios simiescos que nós gostamos tanto por serem tão parecidos com a gente. Para demonstrar que a editora das Lendas adora uma macacagem, fizemos aqui um lista dos seus 10 principais símios

Crise nas Múltiplas Terras: Ano Um

Gostou da aparição do Flash da Era de Ouro, Jay Garrick, no seriado do Flash? Aquele que tem o capacetinho de Mercúrio. Que já foi chamado de Joel Ciclone no Brasil. Sim, essa aparição abriu o mundo das séries da DC como nenhuma outra. Então aproveite para acompanhar esse texto de Mark Waid explicando como começou a confusão das várias terras que compõem o Universo DC.

E foi TORNADO em VISÃO!

[Quem Veio Primeiro] Visão x Tornado Vermelho

Dois valiosos integrantes das duas maiores equipes da Marvel e da DC Comics. Dois androides que podem chorar e até mesmo amar mulheres humanas e criarem filhos com elas. Quem diria? É tanta coisa em comum que fica difícil dizer quem veio antes. Mas o Splash Pages fez uma pesquisa que nos leva lááá para a Era de Ouro. Então se aprochega aí que está na hora de resolver essa querela!

Será que é realmente uma pergunta tão difícil de responder?

É pior um super-herói virar gay do que virar um supervilão

É, mergulhadores, aqui estou eu de volta batendo nessa tecla de novo. E por quê? Bem, o mundo dos quadrinhos é um dos universos mais misóginos, sexistas e homofóbicos que existem, tendo em vista a resposta que tive aos posts sobre os gays dos quadrinhos. E, engraçado que odeiam tanto assim, mas é um dos assuntos mais acessados do blog. Vai entender. Freud explica. A frase que abre o post é verdadeira. Não existe tanta reclamação dos fãs de super-heróis quando um herói se torna vilão. Mas quando um herói “se torna gay” caem feito abelhas no pote de mel das reclamações. Vou explicar: quando Hal Jordan se tornou o vilão Parallax, ele matou toda a Tropa dos Lanternas Verdes e destruiu a bateria central de Oa, impedindo (ou quase) de que novos Lanternas surgissem. Hoje, o fato é quase esquecido e não, ninguém da mídia tradicional noticiou esse fato. Por quê? Porque não tem relevância nenhuma. Ninguém foi ameaçado de morte por Hal Jordan ser vilão. Heróis, vira e mexe, se tornam vilões. Isso …

Precisamos falar sobre Manara

Quadrinhos são hipersexualizados, isso é uma verdade. E os dos super-heróis, então, nem se fala. Pessoas que usam colantes grudados ao corpo e que revelam toda sua forma corporal para os leitores, costumam ter um teor masturbatório, com o perdão da palavra. Essa foi uma tendência muito grande nos anos 90, quando as chamadas bad girls se destacavam: Vampirella e sua roupa Borat, Lady Death e seus peitões, Witchblade e suas… suas coisas que tapavam suas coisinhas. Só para citar algumas. Mas aquele era um período em que o mercado de quadrinhos estava na sua adolescência, é só analisarmos o que saía por aqueles tempos. Grant Morrison em seu lindo Flex Mentallo, faz essa analogia. Se na Era de Ouro os quadrinhos de super-heróis engatinhavam, na Era de Prata eles eram voltados para crianças com suas aventuras mirabolantes, na Era Moderna, o alvo eram os adolescentes. O problema é chegar nos dias de hoje e insistir nessa tecla. Manara, como sabemos, é um ícone do mercado de quadrinhos eróticos. Não vejo sua Mulher-Aranha como um …

Somente a verdade vos libertará: Antes de Watchmen – Minutemen, de Darwyn Cooke

Uma das coisas mais importantes em Watchmen, de Alan Moore e Dave Gibbons foram as sugestões. Muitos personagens não tiveram seu destino revelado explicitamente, mas podíamos saber muito sobre isso se lêssemos com um pouco mais de atenção. É o caso dos personagens dos Minutemen, como o Justiça Encapuzada, Silhouette e o Traça. Em Antes de Watchmen: Minutemen, Darwyn Cooke revela estes destinos de uma maneira mais reveladora, mas sem deixar de lado a sugestão. Escolher um artista como Cooke foi um acerto, pois ele trabalha bem a parte artística e também o texto. E com três itens vou dizer por que Darwyn Cooke foi a escolha ideal para esta minissérie/especial: O “SPIRIT” DA COISA Assim como fez com o vigilante mascarado de Will Eisner, Cooke sabe como poucos prestar homenagens. Sejam elas da forma visual, sugerindo coisas através de um detalhe, um close, objetos ou até mesmo na tonalidade monocromática de um quadro. Seja por meio de textos, como a citação do livro Jardim de Versos, de Robert Louis Stevenson. Ou quando combina as …

A História em Quadrinhos de Super Heróis Definitiva

E se eu perguntasse qual seria para você a obra que define o gênero dos quadrinhos de super-heróis? O que você me responderia prontamente? Watchmen? O Cavaleiro das Trevas? Grandes Astros: Superman? Eu discordaria. Não acho que seja nenhuma daquelas. E talvez a resposta surpreenda você. Primeiro vou justificar porque as obras acima não cabem no pressuposto: todas elas sim, homenageam a indústria e a mitologia dos super-heróis, mas todas de certa medida se utilizam da reconstrução do gênero. Elas não reverenciam o gênero em si, mas o refazem, o repensam, refletem. Sim, são muitos RE’s. “A sociedade Ocidental legitimou o invencível Superman, que os serviu quando o sistema era ameaçado por um inimigo invencível. O Batman apareceu quando Dick Tracy não estava mais disponível para lidar com os grandes crimes. O Homem-Aranha se juntou ao elenco de heróis quando nós não éramos mais inocentes o suficiente no que tangia à perfeição dos nossos super-heróis; e o Spirit veio quando deveria haver um caso perfeito de heroísmo que não eraa terá natal de homens e …

Coadjuvantes Cômicos e Cheinhos da Era de Ouro

Desde Robin tem sido assim, quando se discute os companheiros dos paladinos da justiça logo se vêm à mente crianças ou adolescentes belos, saudáveis e habilidosos que se arriscavam ao lado dos heróis e tomavam para si a identificação do leitor. Mas nem sempre foi assim. Muitos heróis durante a Era de Ouro, ao contrário de terem como sidekicks jovens aprendizes, contavam com a ajuda de adultos, na maioria com alguns quilos a mais e que proporcionavam o alívio cômico em suas histórias de aventura. Para começar, Batman tinha Alfred, que diferente do esguio serviçal retratado hoje em dia era um rotundo inglês com ácidas palavras capazes de constranger até o Cavaleiro das Trevas. Johnny Quick tinha Tubby Watts. E como um efeito retardado desta onda até Lois Lane, lá pelos anos 70 tinha uma amiga gordinha com o sugestivo nome de Marsha Mellow. Os amigos gordinhos e engraçados foram um aspecto muito característico dos quadrinhos de super-heróis durante os anos 40, inspirados em grande maioria por comediantes da época não negavam a origem do …

As Eras dos Quadrinhos – Parte 3

Período de Transição A – Atirando para todos os lados Durante a Segunda Guerra Mundial, os quadrinhos de super-heróis atingiram seu ápice. Foi durante este período que foram registrados seus maiores números de vendas por exemplar. Segundo Bradford W. Wright, em 1943, os quadrinhos vendiam 25 milhões de cópias por mês. Apenas o título do Capitão Marvel era responsável por mais de 1,5 milhão. A guerra impulsionava os leitores a consumirem quadrinhos, uma vez que os gibis traziam em suas capas os super-heróis enfrentando os cabeças do Eixo. Além disso, milhares de quadrinhos eram levados ao front para que os soldados se sentissem incentivados com as histórias dos heróis. Contudo, em 1945, a guerra acabara, e não fora nem Superman nem o Capitão América quem acertara um direto de direita na face de Hitler, mas seres humanos normais. Os soldados aliados haviam vencido a guerra sem a ajuda de superpoderes e, de volta para casa, não estavam mais interessados em superaventuras patrióticas, mas na manutenção de suas famílias. As pessoas começaram a perder o interesse …

As Eras dos Quadrinhos – Parte 2

A Era de Ouro – Agradando Gregos e Romanos            A expressão “Era de Ouro” é geralmente usado para classificar um período de tempo em que um determinado gênero, arte, ciência ou civilização atingiu seu auge, e manifestou com maior esplendor os valores que o norteiam. Dessa maneira, no que se refere à sociedade, temos, por exemplo, a Era de Ouro da China, do Islã, da Inglaterra.   A origem do termo vem da Grécia e da Roma antigas, da referência que seus poetas faziam a um tempo em que a humanidade vivia em uma utopia e era pura. O autor grego Hesíodo descreve as Cinco Eras do Homem, dividindo-as em Era de Ouro, de Prata, de Bronze, Heróica e de Ferro. Todas elas se iniciam com a criação de uma nova raça humana e se encerram com a destruição da mesma, seja pelo titã Cronos ou por Zeus. A exceção é a Era Heróica, em que viveram Hércules, Teseu, Perseu e Aquiles, encerrada com a Guerra de Tróia, na qual muitos campeões pereceram. A mitologia …

Os Escapistas, Brian K. Vaughan e Vários Artistas

Os Escapistas, Brian K. Vaughan e Vários Artistas

Eu não li As Incríveis Aventuras de Kavalier e Clay, mas sabia que o livro de Michael Chabon tratava dos bastidores da gênese de um super-herói, o Escapista, na década de 30, a Era de Ouro dos Quadrinhos de Super-heróis. O mote de Os Escapistas é que anos depois, nos anos 2000, Maxwell Roth adquire os direitos de publicação do Escapista e com eles começa a republicar o super-herói por uma nova visão. Para isso vai contar com a ajuda de Case e Denny, a nova desenhista e o melhor amigo (que encarna o Escapista), já que cabe a Max escrever as histórias. O mérito do roteiro de Vaughan e também das transições entre os desenhos de Phillip Bond e Steve Rolson, e Shawn Alexander e Eduardo Barreto (que faleceu no final do ano passado) é a mescla perfeita entre a história dos criadores independentes e a das novas histórias que estão criando para a nova versão do super-herói. Como diz a contracapa deste encadernado, essa aventura é uma defesa apaixonada dos sonhadores em toda …

Capa do DVD Liga da Justiça: A Nova Fronteira

Liga da Justiça: A Nova Fronteira

Assisti ao DVD do filme Liga da Justiça: A Nova Fronteira, baseado na HQ escrita e desenhada por Darwyn Cooke, que mostra a transição da Era de Ouro para a Era de Prata dos quadrinhos de super-heróis. A história impressiona pela contextualização. Passa nos meados dos anos 50, época da Guerra Fria, da perseguição aos comunistas, das comissões do senado presididas pelo senador McCarthy e da corrida espacial. Esses momentos são bem pontuados tanto na história em quadrinhos quanto na animação. A desistência da Sociedade da Justiça frente à comissão que pretendia desmascará-los (referências aqui à uma história escrita por Paul Levitz e à minissérie A Era de Ouro, de James Robinson). O momento em que Hal Jordan, futuro Lanterna Verde, conta ao coreano que quer matá-lo que a Guerra da Coréia havia se encerrado, e seu ato subseqüente de matar seu inimigo em busca da própria sobrevivência. Depois, vemos o Superman se encontrando com a Mulher-Maravilha, na Indochina. Ela havia libertado as mulheres de uma aldeia assolada pelos rebeldes, e que haviam sido espancadas …