Todos os posts com a tag: scott snyder

Eu Matei Bruce Wayne

Uma das mais recentes sagas do Batman, de Tom King, traz a revelação de que o Batman gosta de arriscar sua vida porque tem tendências suicidas. Isso poderia explicar o comportamento arredio, sombrio e pouco amigável do Homem-Morcego. Mas as implicações e nuances psicológicas dessa afirmação poderiam ir muito mais longe, mostrando que o Batman matou um lado importante da sua psique: Bruce Wayne. E é sobre isso que vou discorrer agora.

Anúncios

Mulher-Maravilha: Terra Um, de Grant Morrison e Yanick Paquette

Chegou às bancas o encadernado que reimagina a origem da Mulher-Maravilha para uma nova audiência. Isso é feito pelas mãos de Grant Morrison (Homem-Animal, Novos X-Men, Os Invisíveis, LJA) e Yannick Paquette (Jovens X-Men, Monstro do Pântano). Apesar de, na superfície, a origem não apresentar grande modificações, são as nuances que causam a reverberação do impacto da pedra no lago.

Melhores e Piores Leituras de Setembro de 2016

Uhlala! Tivemos uma lista longa nesse mês de Setembro em que a flora floresce e a fauna acasala. Muitas coisas boas, mas muitas coisas ruins também. A Coleção Marvel de Graphic Novels da Salvat em sua versão Clássicos tem feito cadeira cativa aqui na nossa sessão mensal. Muita coisa foi resenhada com mais cuidado, mas aqui vão algumas minirresenhas da nossa seleção!

Os 19 Quadrinhos Mais Vendidos do Ano pela Panini (até então)

Eu sempre acreditei que, como formadores de opinião, e principalmente de quadrinhos, devíamos dar uma ajuda a divulgar os títulos das editoras para aquecer o mercado. Porque no Brasil quadrinho não vende e isso e aquilo. Mas a verdade é que nunca ganhei um quadrinho sequer de uma grande editora tipo a Panini para divulgação. Das editoras menores e independentes, sim. Então, será que a Panini precisa de ajuda na divulgação?

Mudando (ou não) o futuro – O Abrigo: Volume Um, de Joshua Hale Fialkov e Joe Infurnari

Você PRECISA ler essa HQ! Se teve um quadrinho que mexeu comigo até então esse ano, foi o Abrigo. Uma história sobre “o que aconteceria se você soubesse o que acontecerá no futuro e se pudesse mudar isso”, sendo que o grande responsável pelo fim do mundo é você e seus amigos. Você deixaria tudo acontecer ou seria um agente da mudança?

O Talento do Roteirista Charles Soule e a Invenção de Personagens

Um dos principais nomes da nova geração de roteiristas da Marvel e da DC Comics, nenhum roteirista dos últimos tempos teve uma ascensão tão meteórica como Charles Soule. Nenhum deles também é tão prolífico. Entre 2013 e 2016, Charles esteve envolvido com mais de 20 títulos, incluindo os do Universo Star Wars. Vamos conhecer um pouco mais desse novo talento.

Os Melhores Quadrinhos da Vertigo que li em 2014

Chegou a hora da última lista de melhores do ano, depois dela só vem a lista de 5 piores leituras do ano. Então, antes que acabe o ano, vamos acelerar os trabalhos e dizer quais foram as 10 melhores HQs da Vertigo que li em 2014. 😉 Clube Vampiro: Morra Agora, Viva Para Sempre, de Howard Chaykin, David Tischmann e David Hahn Howard Chaykin é famoso por sua narrativa densa e personagens complexos. E é isso que ele nos entrega em Clube Vampiro: Morra Agora, Viva Para Sempre: uma trama intrincada que revela a competição de uma família mafiosa de vampiros. A arte de David Hahn, leve e colorida parece fazer um contraponto com a história dos nossos sanguessugas, mas casa muito bem com a história. Você pode ler uma resenha completa que escrevi sobre Clube Vampiro: Morra Agora, Viva Para sempre nesse link aqui. Crime e Castigo, de Garth Ennis e John Higgins É, eu realmente não gostava do Ennis até que eu li o Justiceiro dele. Muita gente veio me dizer que começou …

Série Jonah Hex, de Justin Gray, Jimmy Palmiotti e Diversos Artistas

Os Melhores Quadrinhos de Super-Heróis que Li em 2014

Primeiramente, Feliz Natal! Dingou béu, dingou béu, acabou papel! Não acabou não! Tem muito quadrinho bom pra ler e eu vou estar aqui pra dar umas dicas! Então vamos lá, os quadrinhos nessa seção são só da Marvel e DC Comics, ok?! Então tá! Valendo! Antes de Watchmen: Minutemen, de Darwyn Cooke Ano passado a Panini publicou a iniciativa Antes de Watchmen no Brasil. Mas a Panini que é Panini não cumpre seus prazos e tudo chega no mês seguinte do calculado. Ou seja, esse Antes de Watchmen chegou a mim em 2014, não que isso importe para essa lista. Você pode conferir uma resenha completa dessa edição aqui. E da iniciativa toda de Antes de Watchmen neste link. Foi uma inciativa polêmica que não teve o apoio de seu criador Alan Moore, mas que em geral trouxe histórias muito boas para os leitores. Claro, houveram tropeços, mas essa edição dos Minutemen é um digno exemplar das melhores coisas que essa iniciativa poderia trazer. Batman: O Retorno de Bruce Wayne, de Grant Morrison e Vários …

Chris Ware e Building Stories: uma mídia dentro da mesma mídia ad abismum

A Era dos Quadrinhos de Forma

Estamos vivendo uma era em que os quadrinhos precisam se fortalecer em seu suporte mais antigo: o papel. A concorrência está aí. São os webcomics, os motioncomics, os quadrinhos em app, os quadrinhos em PDF e digitais pirateados. Mas o papel continua forte. A razão é que, por mais arcaico que seja, a leitura em papel permite uma experiência única no caso dos quadrinhos. Através dele, o conhecimento está nas mãos do leitor, que controla o ritmo da história e da leitura. Hoje muitos quadrinhos brincam com a forma como são produzidos, seja no layout de página, seja no design gráfico, nas onomatopeias, enfim, os quadrinhos de hoje abusam dos recursos gráficos para tornar essa mídia plena. Mas como foi que chegamos a esse patamar? Vou explicar em alguns itens. INFLUÊNCIA DAS GRAPHIC NOVELS Na metade da primeira década do século XXI, as graphic novels começaram a se proliferar nos EUA e no Brasil da mesma forma que os álbuns fazem na Europa. Porém, a diferença é que as graphic novels vindas dos Estados Unidos …

10 Razões Por Que o Superman dos Novos 52 Não Funciona

Hoje li a última edição do Superman da Panini e chego à conclusão de que não sei por que estou “investindo” em um personagem que não vai para frente. Nem a chegada de Scott Snyder e Jim Lee à revista serviu para transformar as histórias do Azulão menos “indigestas”. Por que eu NÂO deveria estar investindo está bem claro. Os motivos seguem abaixo: LOIS LANE SUBAPROVEITADA: Lois Lane é o coração e a mente das histórias do Superman. Não por acaso havia uma série que se chamava Lois & Clark: As Aventuras do Superman. A personagem, que já teve série própria, agora está apagada, com um namorado novo, um loiro aguado sem a mínima graça e sem a mínima tensão com Clark, que por sua vez não parece ter interesse nenhum em Lois. LEX LUTHOR NA CADEIA: A maior mente criminosa do Universo DC está na cadeia e, ao invés de aproveitá-lo da maneira que fizeram com Lionel Luthor na série Smallville, Luthor parece tão apagado quanto os outros personagens coadjuvantes. SUPERMAN NAMORANDO MULHER-MARAVILHA: Se …

Corujas, Morcegos e Gotham City

Este mês encerrou-se apoteoticamente no Brasil o arco Noite das Corujas, na revista do Batman. Orquestrado por Scott Snyder e Greg Capullo, com histórias de back-ups co-roteirizadas por James Tynion IV e a arte por Rafael Albuquerque, este arco e o anterior, Corte das Corujas, fizeram parte da inciativa Os Novos 52 da DC Comics. A intenção era dar um novo início para os personagens da editora. O Cavaleiro das Trevas foi uma exceção. Sua cronologia continuou valendo, com pequenas (ou talvez grotescas, na opinião de alguns leitores) alterações. Desde o começo, a série publicada na revista americana Batman, sob a batuta dos nomes acima, se destacou das demais. Foi dado à Snyder, por assim dizer, o “controle” do bat-universo, visto o excelente trabalho que o mesmo havia feito nas derradeiras edições de Detective Comics, no pré-reboot. O roteirista é formado em escrita criativa pela Brown University, já trabalhou na Walt Disney World, e leciona escrita em várias universidades, entre elas a Columbia e a New York University. É a densidade de seus roteiros que …

As Eras dos Quadrinhos – Post Scriptum

Contrariando as previsões de Mark Millar, de que a indústria de comics teria um ritmo de crescimento menor na década de 2010 e também a despeito da crise econômica mundial que se abateu sobre os EUA e o mundo a partir de 2008, o mercado de quadrinhos vai muito bem, obrigado. Segundo dados do ICV2, entre 2003 e 2013, o crescimento foi de 96%. Isso se deve, em grande parte, para o grande destaque dos comics em outras mídias, seja em animações, séries de TV, filmes e até mesmo a internet. Em 2 de maio de 2008 estreava o filme do Homem de Ferro, o primeiro do Marvel Studios, que pretendia fazer nas telonas o que já era feito nos gibis: um universo interligado. A estratégia deu certo, e nos anos seguintes seriam lançados Thor, Capitão América – O Primeiro Vingador, além do segundo filme do latinha. Tudo isso para culminar em 2012 com um dos maiores fenômenos do cinema, The Avengers – Os Vingadores, reunindo todos estes personagens. O filme teve a maior abertura …

Scarlet #1

Vários estilos, um só roteirista

O que me faz  gostar de um escritor de quadrinhos e o que deles eu posso extrair para melhorar minha percepção de leitura e de escrita? Muitas vezes o mérito é de um bom relacionamento entre o (os) artistas que geram planos, composição dos quadros e apuro estético, como faz Geoff Johns com seus colaboradores, outras vezes vem da mania de controle e dos roteiros ultra-detalhados de pessoas como Neil Gaiman e Alan Moore. As duas maneiras geram boas histórias. Eu gosto dos diálogos pingue-pongue de Brian Michael Bendis, da experimentação e da contestação de Brian Wood, da construção de personagens através do diálogo de Brian K. Vaughan, da dinâmica entre os personagens de Robert Kirkman e dos textos off-panel formando um todo com o que se lê imageticamente de Jason Aaron – como em Scalped #10, a história de Dino Urso Pobre (só pra citar autores mais recentes, mas não tão recentes como Nick Spencer, Scott Snyder e Cullen Bunn). Esses são só os elementos mais marcantes que eu vejo no estilo de cada …