Todos os posts com a tag: spirit

Mas, Afinal… O Que é Uma Graphic Novel?

As graphic novels estão aí nas bocas e nas mãos de todo mundo. Nas bancas, nas livrarias, se transformando em animações, em filmes e em séries. Embora, quando eu falo o termo para minha mãe eu tenho que repetir, repetir e por fim dizer: “um livro em quadrinhos, mãe!”. Mas onde surgiu esse termo e a o que mesmo ele se refere? Vamos deixar que gente como Bryant Talbot, Scott McCloud, Eddie Campbell e Will Eisner dêem suas definições e vamos tentar compor alguns pontos em comum.

Anúncios

Robocop Versus Exterminador do Futuro: As Continuações Jamais Filmadas, de Frank Miller e Walter Simonson

Na década de 80, Frank Miller era o máximo em quadrinhos de ação que se podia esperar. Na década de 80, Robocop e o Exterminador do Futuro eram o máximo em filmes de ação que se poderia esperar. Alguém pensou: “hey, vamos chamar o Miller para fazer o roteiro de um filme crossover entre essas duas franquias!”.

O Sanctum Sanctorum do Doutor Estranho Enquanto Personagem

Você já reparou como a casa do Doutor Estranho, o Sanctum Santorum, possui um papel importante nas histórias dele, principalmente nessa nova fase por Jason Aaron? Pois é, e mesmo no filme de Stephen Strange, o local, novo para ele, também possui um grande destaque. Então agora vamos falar desse local sagrado e santo para a magia do Universo Marvel.

Uma Volta Pelo Inferno: Kid Eternidade, de Grant Morrison e Duncan Fegredo

A maioria das histórias de Grant Morrison são assim: geram múltiplas interpretações a cada leitura. Basta escolher a sua. Esta, ainda do período inicial da Invasão Inglesa, com a reinterpretação dos personagens clássicos da DC Comics, mostra toda a verve mágica do careca inglês, que tempos mais tarde iria unir tudo isso em séries como Patrulha do Destino e Os Invisíveis.

Love Is Love: Uma Coletânea de Quadrinhos em Honra às Vítimas do Massacre de Orlando

Era 12 de junho de 2016, eu estava com meus amigos gays comemorando o aniversário do cara que viria a ser meu namorado um pouco tempo depois em uma casa noturna alternativa. Cheguei em casa por umas sete da manhã e nos noticiários estava dando que um franco-atirador havia invadido uma boate gay de Orlando, nos Estados Unidos, matando 49 pessoas. O crime, como se provou depois, foi definido como crime de ódio. Uma vez que o atirador era homofóbico, mas, como na maior parte dos casos de homofobia, sentia atração por homens.

A Trilha da Mulher-Gato, de Darwyn Cooke, Ed Brubaker e Brad Rader

A Mulher-Gato é a fantasia mais procurada entre 7 de 10 mulheres. Ela, talvez, seja a vilã reformada mais popular dos quadrinhos. Nesse encadernado, seus autores tentam aproximar a personagem de uma defensora dos fracos e rejeitados da sociedade, como as prostitutas. O resultado é um quadrinho altamente noir, com uma colorização que dá esse clima. Para saber mais, me acompanhe!

Não Existe Filme de Super-Heróis Bem Dirigido?

Depois de fracassos com filmes de super-heróis como Batman V Superman, dirigido por Zack Snyder e de Quarteto Fantástico, dirigido por Josh Trank, somos levados a nos perguntar se existem ou não filmes de super-heróis bem dirigidos. Será que os estúdios estão impondo demais a sua vontade sobre os diretores? Seriam os super-heróis apenas produtos de um grande comercial? É o que vamos discutir.

Spirit de Porko!

A Questão dos Estereótipos nos Quadrinhos, por Will Eisner

Ébano Branco era o parceiro de aventuras, ou melhor, o taxista do Spirit, maior criação de Will Eisner. O problema era que a caracterização de Ébano enquanto pertencente à núbia raça deixava muito à desejar. Era um estereótipo dos mais horríveis: dentões, parecendo um macaca, cartunesco, enquanto o Spirit era um esbelto e atlético caucasiano. Veja o que Eisner tem a dizer sobre sua criação.

As Melhores Graphic Novels Americanas que li em 2014

Deixa eu explicar essa categoria: aqui se encaixam HQs produzidas nos EUA que não foram feitas nem por DC Comics, Marvel, Vertigo, mas sim por alternativas a essas editoras. Vamos a elas em nenhuma ordem de qualidade, mas sim, ordem alfabética: ASSASSIN’S CREED: BRÂMAN, de BRENDAN FLETCHER, KARL KERSCHL E CAMERON STEWART Publicação da estreante Alto Astral no Brasil, que tem feito acertos e erros na sua linha editoria. Esse, entretanto é um grande acerto, mas do que uma franquia de videogames bem-sucedida, Karl Kershl e Cameron Stewart têm acertado com as histórias dos descendentes de assassino. Brâman, entretanto é uma história que lida com realidade virtual e  lendas sikh, além de ter um lido visual. Indico essa edição do universo quadrinístico de Assassin’s Creed porque é autocontida e não precisa conhecer o jogo para lê-la. Não por acaso que Brendan Fletcher e Cameron Stewart foram chamados para fazer as histórias da novíssima Batgirl. CARNET DE VOYAGE, de CRAIG THOMPSON Comprei essa HQ na promoção anual que a Top Shelf faz todo ano, mas ela …

Será que a culpa é dos pints de Guiness

O Círculo das Influências, de Will Eisner a Kelly Sue DeConnick

É inegável que autores influenciam e são influenciados. Dentro dos quadrinhos não podia deixar de ser o mesmo. Muitos deles, é claro, tiveram influência de outros tipos de arte, como a pintura, o teatro, o cinema. Esse é um blog que enfoca mais o roteiro, porque dos princípios da arte eu entendo é muito pouco. Então gostaria de mostrar para vocês o que podemos chamar de o Círculo da Influência dos Quadrinhos. Essa foi uma ideia que o Érico Assis explanou comigo uma vez enquanto comentávamos o livro Super Graphics, de Tim Leong. Na época cheguei a fazer um gráfico parecido para explicar as influências do rock’n’roll, que vocês podem conferir nesta primeira imagem. Nos quadrinhos, parti do ponto inicial que seria Will Einser, o cara que modificou o jeito moderno de fazer quadrinhos e influenciou, bem… todo mundo, de Alan Moore a Frank Miller, a Bendis e Ellis. Frank Miller, um confesso fã de Eisner, chegou a fazer um livro de entrevistas com o mestre, chamado Eisner/Miller, – uma provocação dos quadrinhos ao clássico …

Will Eisner, o Alheio e o Acaso

É inegável que o legado de Eisner para os quadrinhos é enorme e, apesar de sua narrativa cinemática, ele faz questão de diferenciar as duas mídias, como podemos ver nesse quadro esquemático aqui. Mas além da forma, de suas aberturas de páginas em splash pages em que o logo da história entra no cenário, é preciso destacar elementos de Eisner que não são tão comumente sublinhados por aí. O ALHEIO Quando falo aqui em alheio, não quero dizer “aquilo que pertence ao outro”, embora também isso faça parte das histórias de Eisner. Ele nos confronta com a visão dos outros e, mesmo quando sabemos que temos um ponto de vista sobre a história, o autor vai lá e nos apresenta outro viés. Andei lendo algumas histórias do Spirit publicadas pela L&PM na década de 80 e pude perceber isso. Nas histórias do Spirit, acabamos olhando o segundo plano bem de pertinho. É engraçado que o Spirit apesar de receber o crédito como “dono” da história, é muito difícil conhecermos detalhes da sua vida por elas. …

Somente a verdade vos libertará: Antes de Watchmen – Minutemen, de Darwyn Cooke

Uma das coisas mais importantes em Watchmen, de Alan Moore e Dave Gibbons foram as sugestões. Muitos personagens não tiveram seu destino revelado explicitamente, mas podíamos saber muito sobre isso se lêssemos com um pouco mais de atenção. É o caso dos personagens dos Minutemen, como o Justiça Encapuzada, Silhouette e o Traça. Em Antes de Watchmen: Minutemen, Darwyn Cooke revela estes destinos de uma maneira mais reveladora, mas sem deixar de lado a sugestão. Escolher um artista como Cooke foi um acerto, pois ele trabalha bem a parte artística e também o texto. E com três itens vou dizer por que Darwyn Cooke foi a escolha ideal para esta minissérie/especial: O “SPIRIT” DA COISA Assim como fez com o vigilante mascarado de Will Eisner, Cooke sabe como poucos prestar homenagens. Sejam elas da forma visual, sugerindo coisas através de um detalhe, um close, objetos ou até mesmo na tonalidade monocromática de um quadro. Seja por meio de textos, como a citação do livro Jardim de Versos, de Robert Louis Stevenson. Ou quando combina as …

A História em Quadrinhos de Super Heróis Definitiva

E se eu perguntasse qual seria para você a obra que define o gênero dos quadrinhos de super-heróis? O que você me responderia prontamente? Watchmen? O Cavaleiro das Trevas? Grandes Astros: Superman? Eu discordaria. Não acho que seja nenhuma daquelas. E talvez a resposta surpreenda você. Primeiro vou justificar porque as obras acima não cabem no pressuposto: todas elas sim, homenageam a indústria e a mitologia dos super-heróis, mas todas de certa medida se utilizam da reconstrução do gênero. Elas não reverenciam o gênero em si, mas o refazem, o repensam, refletem. Sim, são muitos RE’s. “A sociedade Ocidental legitimou o invencível Superman, que os serviu quando o sistema era ameaçado por um inimigo invencível. O Batman apareceu quando Dick Tracy não estava mais disponível para lidar com os grandes crimes. O Homem-Aranha se juntou ao elenco de heróis quando nós não éramos mais inocentes o suficiente no que tangia à perfeição dos nossos super-heróis; e o Spirit veio quando deveria haver um caso perfeito de heroísmo que não eraa terá natal de homens e …

Breve História do Grotesco nos Quadrinhos Americanos

Antes de entrarmos na área dos quadrinhos, seria interessante traçarmos uma definição de Grotesco. Segundo Thiane Nunes em seu livro Configurações do Grotesco, “O Grotesco marca a modernidade, principalmente pela dissonância que revela entre o homem e o mundo. É uma marca de mal-estar. Quando o que se é familiar se torna estranho ou sinistro, as proporções naturais se dissolvem, dando lugar ao sonho, à imaginação ou à realidade que transcende a normalidade”. Assim exposto como o Grotesco marcando a modernidade, é seguro afirmar que quando mais avançamos no tempo, mais representações do grotesco teremos em nossa sociedade. Não por acaso, aconteceu a mesma coisa com os comics, uma forma de arte e expressão recente, que, como todas as artes, teve sua dose de crítica e castração, mas acima de tudo sempre foi considerada uma arte menor, devido aos preconceitos de público, formato e difusão enquanto cultura massificada. Por isso, expor o grotesco nos quadrinhos sempre foi uma contradição devido a esses preconceitos, porém, segundo o esteta francês Jean Onimus: “o grotesco é um estado …

Sem piadinha com espírito e Will Eisner, por favor...

Ao Coração da Tempestade, Will Eisner

Will Eisner (1917-2005) é um artista ímpar e, apenas para apresentá-lo, para os poucos que não o conhecem, já rende-se algumas linhas: foi criador do Spirit (que virou um filme contestável nas mãos de Frank Miller em 2008), dá nome ao prêmio Eisner, o Oscar dos quadrinhos, e foi vencedor de alguns destes prêmios ainda em vida. Eisner influenciou quadrinistas de Ziraldo a Alan Moore (ou seja, de A a Z) e foi um dos pioneiros na experimentação de técnicas narrativas nos quadrinhos – principalmente com o Spirit. Ele também foi o criador e divulgador do termo graphic novel, com Um Contrato com Deus, em 1978 e com sua prolífica obra. Uma de suas HQs, talvez a seminal, seja Ao Coração da Tempestade. Uma autobiografia quase escancarada como diz o autor na apresentação: “Numa obra como esta, fatos e ficção se misturam com a memória seletiva, resultando numa realidade bem específica. Fui obrigado a confiar na veracidade da memória visceral”. A capa, produzida em papel sem acabamento, aumenta a sensação de pureza e ligação às …