Todos os posts com a tag: will eisner

O Sanctum Sanctorum do Doutor Estranho Enquanto Personagem

Você já reparou como a casa do Doutor Estranho, o Sanctum Santorum, possui um papel importante nas histórias dele, principalmente nessa nova fase por Jason Aaron? Pois é, e mesmo no filme de Stephen Strange, o local, novo para ele, também possui um grande destaque. Então agora vamos falar desse local sagrado e santo para a magia do Universo Marvel.

Anúncios

Quem Foi A Primeira Super-Heroína Criada Por Uma Mulher?

A primeira super-heroína criada por uma mulher surgiu nos anos 70? Nos anos 90? Se você respondeu qualquer década recente, você está redondamente enganado! Essa personagem surgiu logo nos anos 40, durante o boom dos super-heróis durante a Segunda Guerra Mundial. Agora você vai conhecer a personagem e a autora!

Love Is Love: Uma Coletânea de Quadrinhos em Honra às Vítimas do Massacre de Orlando

Era 12 de junho de 2016, eu estava com meus amigos gays comemorando o aniversário do cara que viria a ser meu namorado um pouco tempo depois em uma casa noturna alternativa. Cheguei em casa por umas sete da manhã e nos noticiários estava dando que um franco-atirador havia invadido uma boate gay de Orlando, nos Estados Unidos, matando 49 pessoas. O crime, como se provou depois, foi definido como crime de ódio. Uma vez que o atirador era homofóbico, mas, como na maior parte dos casos de homofobia, sentia atração por homens.

Nick Fury: Agente da S.H.I.E.L.D., de Jim Steranko

Se teve um cara que realmente inovou nas artes dos quadrinhos, esse foi Jim Steranko. De origem humilde e com poucos trabalhos na história, Jim revolucionou o mercado trabalhando em títulos como X-Men e Capitão América. Mas foi no título Nick Fury: Agente da S.H.I.E.L.D., que ele atingiu seu auge. E é sobre ele que vamos falar mais aqui.

Não Existe Filme de Super-Heróis Bem Dirigido?

Depois de fracassos com filmes de super-heróis como Batman V Superman, dirigido por Zack Snyder e de Quarteto Fantástico, dirigido por Josh Trank, somos levados a nos perguntar se existem ou não filmes de super-heróis bem dirigidos. Será que os estúdios estão impondo demais a sua vontade sobre os diretores? Seriam os super-heróis apenas produtos de um grande comercial? É o que vamos discutir.

As Melhores e Piores Leituras de Abril de 2016

Abril, mês dos bobos! Nada mais justo que, aos fim dos mês, nós, fãs de quadrinhos que somos muitas vezes feitos de bobos pelas editoras, mas que algumas vezes mostramos como os outros são bobos por não lerem quadrinhos, precisamos selecionar o que vale muito ser lido e o que… bem… não vale. Vamos lá!

Eisner Awards Bate o Recorde de Indicações Femininas

Boas notícias para o mundo dos quadrinhos, principalmente para as produtoras e fãs mulheres! O prêmio Eisner, cujo nome é dedicado ao pioneiro Will Eisner, fez o seu recorde de indicações a produtoras de quadrinhos femininas. São 49 mulheres, que receberam 61 indicações em 27 categorias (de 30 no total). Este número representa um aumento em relação ao ano passado, quando 44 profissionais mulheres foram reconhecidas.

Uma Graphic Novel Portoalegrense. Sottovoce: A Morte Fala Baixo, de Edgar Vasques

Edgar Vasques foi e continua sendo, junto com Luis Fernando Verissimo, um dos grandes nomes do quadrinho porto-alegrense e gaúcho. Cumprindo seu papel de cartunista e crítico da sociedade, foi contra a ditadura brasileira, representando isso em seus trabalhos. Dois dos trabalhos mais famosos de Edgar são as ilustrações de O Analista de Bagé, de Veríssimo e sua criação, o mendigo Rango. Eu me lembro de a minha mãe ter um exemplar das tiras do Rango na nossa casa. Foi lendo essas tiras que meu “eu político” foi despertado, ainda com uns parcos dez anos de idade. Rango e sua turma viviam num lixão e, através dos jornais encontrados naquele lugar, eles liam a notícias e ironizavam a miséria crescente e a alienação por parte do governo com a sua situação paupérrima. Rango foi a obra que deu início à editora L&PM, em 1974, hoje uma das maiores do Brasil, que publica a sua clássica coleção L&PM Pocket, tendo publicado e evidenciado os quadrinhos durante toda sua existência. O primeiro volume de Rango, com prefácio …

Tropa de Elite osso duro de roer pega um pega geral também vai pegar você... Ah, não é esse Tijuana?!?

As Tijuanas Bibles e os Catecismos: Quadrinhos Eróticos de Antigamente

Will Eisner e Joe Shuster foram autores anônimos da Tijuana. Mas o autor brasileiro mais célebre das Tijuana Bibles, ou melhor, os Catecismos brasileiros, foi Carlos Zéfiro, a alcunha do escrivão Alcides Caminha que, nas horas vagas entre um serviço e outro, produzia essas jóias da cultura popular.

Spirit de Porko!

A Questão dos Estereótipos nos Quadrinhos, por Will Eisner

Ébano Branco era o parceiro de aventuras, ou melhor, o taxista do Spirit, maior criação de Will Eisner. O problema era que a caracterização de Ébano enquanto pertencente à núbia raça deixava muito à desejar. Era um estereótipo dos mais horríveis: dentões, parecendo um macaca, cartunesco, enquanto o Spirit era um esbelto e atlético caucasiano. Veja o que Eisner tem a dizer sobre sua criação.

Te vejo no inferno! Hasta la vista, baby

As 10 HQs Mais Bem-Avaliadas do Guia dos Quadrinhos

O Guia dos Quadrinhos, o maior banco de dados sobre publicações nacionais do Brasil, além de permitir o usuário catalogar sua coleção de gibis, também permite-o avaliar as revistas que leu. Dessa forma, nas guias laterais do site, existe um ranking das revistas mais colecionadas e, logo abaixo, das melhores avaliadas por seu público. Esses rankings são inconstantes e mudam de tempos em tempos, porém resolvi pegar uma amostra de hoje 21/03/15, às 22h, para trazer uma amostra das 10 HQs que o público brasileiro colecionador de quadrinhos considera as melhores edições já publicadas.

As Melhores Graphic Novels Americanas que li em 2014

Deixa eu explicar essa categoria: aqui se encaixam HQs produzidas nos EUA que não foram feitas nem por DC Comics, Marvel, Vertigo, mas sim por alternativas a essas editoras. Vamos a elas em nenhuma ordem de qualidade, mas sim, ordem alfabética: ASSASSIN’S CREED: BRÂMAN, de BRENDAN FLETCHER, KARL KERSCHL E CAMERON STEWART Publicação da estreante Alto Astral no Brasil, que tem feito acertos e erros na sua linha editoria. Esse, entretanto é um grande acerto, mas do que uma franquia de videogames bem-sucedida, Karl Kershl e Cameron Stewart têm acertado com as histórias dos descendentes de assassino. Brâman, entretanto é uma história que lida com realidade virtual e  lendas sikh, além de ter um lido visual. Indico essa edição do universo quadrinístico de Assassin’s Creed porque é autocontida e não precisa conhecer o jogo para lê-la. Não por acaso que Brendan Fletcher e Cameron Stewart foram chamados para fazer as histórias da novíssima Batgirl. CARNET DE VOYAGE, de CRAIG THOMPSON Comprei essa HQ na promoção anual que a Top Shelf faz todo ano, mas ela …

Será que a culpa é dos pints de Guiness

O Círculo das Influências, de Will Eisner a Kelly Sue DeConnick

É inegável que autores influenciam e são influenciados. Dentro dos quadrinhos não podia deixar de ser o mesmo. Muitos deles, é claro, tiveram influência de outros tipos de arte, como a pintura, o teatro, o cinema. Esse é um blog que enfoca mais o roteiro, porque dos princípios da arte eu entendo é muito pouco. Então gostaria de mostrar para vocês o que podemos chamar de o Círculo da Influência dos Quadrinhos. Essa foi uma ideia que o Érico Assis explanou comigo uma vez enquanto comentávamos o livro Super Graphics, de Tim Leong. Na época cheguei a fazer um gráfico parecido para explicar as influências do rock’n’roll, que vocês podem conferir nesta primeira imagem. Nos quadrinhos, parti do ponto inicial que seria Will Einser, o cara que modificou o jeito moderno de fazer quadrinhos e influenciou, bem… todo mundo, de Alan Moore a Frank Miller, a Bendis e Ellis. Frank Miller, um confesso fã de Eisner, chegou a fazer um livro de entrevistas com o mestre, chamado Eisner/Miller, – uma provocação dos quadrinhos ao clássico …

Will Eisner, o Alheio e o Acaso

É inegável que o legado de Eisner para os quadrinhos é enorme e, apesar de sua narrativa cinemática, ele faz questão de diferenciar as duas mídias, como podemos ver nesse quadro esquemático aqui. Mas além da forma, de suas aberturas de páginas em splash pages em que o logo da história entra no cenário, é preciso destacar elementos de Eisner que não são tão comumente sublinhados por aí. O ALHEIO Quando falo aqui em alheio, não quero dizer “aquilo que pertence ao outro”, embora também isso faça parte das histórias de Eisner. Ele nos confronta com a visão dos outros e, mesmo quando sabemos que temos um ponto de vista sobre a história, o autor vai lá e nos apresenta outro viés. Andei lendo algumas histórias do Spirit publicadas pela L&PM na década de 80 e pude perceber isso. Nas histórias do Spirit, acabamos olhando o segundo plano bem de pertinho. É engraçado que o Spirit apesar de receber o crédito como “dono” da história, é muito difícil conhecermos detalhes da sua vida por elas. …

PROMO SPLASH #001 – Curta nossa página, marque 3 amigos e concorra a 3 SUPERBRINDES!

Quer ganhar uma miniatura do Thor? E um álbum do Will Eisner? Mais uma HQ independente maneiríssima (cof, cof!)? Então se liga nessa promoção! É FÁCIL: Curta nossa página no facebook:Splash Pages e divida essa promoção com mais três (03) amigos! Depois é só esperar mais um mês e – voilá – você saberá quem ganhou! Aproveite e dê um mergulho no Blog Splash Pages e conheça mais a fundo o universo dos quadrinhos! BOA SORTE! Regulamento 1. Sorteio pessoal e intransferível. 2. Só receberá o prêmio quem curtir a página e compartilhá-la com 3 amigos. 3. O brinde será enviado pelos Correios e a responsabilidade de entrega é da mesma empresa. 4. A promoção ficará em vigência do dia 25/06/21014 até o dia 30/07/2014, que é quando se realizará o sorteio através do site Sorteie.me, que realizará a mesma. 5. Caso a pessoa recuse o prêmio, o blog ficará com o brinde e realizará novo sorteio com novas montagens de kits. 6. A promoção é válida apenas para o território brasileiro.

Os Bastidores da Criação: Leaping Tall Buidings, de Christopher Irving e Seth Kushner

Este é um livros sobre a história dos quadrinhos diferente. Muito mais do que contar o ponto de vista num plano geral da indústria de quadrinhos norte-americana, o livro com texto de Chistopher Irving e fotos de Seth Kushner, apresenta a visão dos criadores sobre sua produção e criação. O livrão, de capa dura e papel com gramatura alta, é muito bonito. Desde seu acabamento a diagramação. É editado pela Powerhouse, uma casa publicadora conhecida por seus livrões belíssimos e vanguardistas, como o livro Lovemarks, que grande parte dos publicitários deve conhecer. Mas o que torna esse livro mais bonito são as fotos de Kushner. São fotos posadas, como se víssemos um ensaio de nossos ídolos criadores de quadrinhos, em lugares urbanos, típicos das cidades que vemos nossos amigos super-heróis transitando. É difícil encontrar fotos boas dos criadores de quadrinhos. O que se encontra por aí e na Wikipédia, geralmente são fotos de convenções, com os quadrinistas vestindo crachás em roupas questionáveis. O texto também não fica à parte. Irving fez um ótimo trabalho conseguindo …

Somente a verdade vos libertará: Antes de Watchmen – Minutemen, de Darwyn Cooke

Uma das coisas mais importantes em Watchmen, de Alan Moore e Dave Gibbons foram as sugestões. Muitos personagens não tiveram seu destino revelado explicitamente, mas podíamos saber muito sobre isso se lêssemos com um pouco mais de atenção. É o caso dos personagens dos Minutemen, como o Justiça Encapuzada, Silhouette e o Traça. Em Antes de Watchmen: Minutemen, Darwyn Cooke revela estes destinos de uma maneira mais reveladora, mas sem deixar de lado a sugestão. Escolher um artista como Cooke foi um acerto, pois ele trabalha bem a parte artística e também o texto. E com três itens vou dizer por que Darwyn Cooke foi a escolha ideal para esta minissérie/especial: O “SPIRIT” DA COISA Assim como fez com o vigilante mascarado de Will Eisner, Cooke sabe como poucos prestar homenagens. Sejam elas da forma visual, sugerindo coisas através de um detalhe, um close, objetos ou até mesmo na tonalidade monocromática de um quadro. Seja por meio de textos, como a citação do livro Jardim de Versos, de Robert Louis Stevenson. Ou quando combina as …

Mundo: um aparelho que funciona – Antes de Watchmen: Dr. Manhattan, de J. Michael Sctraczynski e Adam Hughes

O especial de retcon do Dr. Manhattan é um dos mais interessantes lançados até agora. Como toda aventura espaço-temporal, ele nos faz repensar Watchmen – só que não. A história toda é um grande “What If?”, começa com uma discussão a respeito do que tem dentro de uma caixa e as possibilidades do espectador de vê-la aberta e o conteúdo dela. Muito mais do que a caixa do gato de Schrödinger – história que qualquer um que assistiu The Big Bang Theory conhece – Jonathan Osterman, o Dr. Manhattan, está lidando com uma caixa um pouco mais conhecida: a de Pandora, que não deixa de ser, claro, a caixa do gato de Schrödinger. Assumir que existem múltiplas possibilidades e que cada escolha nossa gera um novo mundo é confinar a caixa de Pandora e a caixa de Schrödinger a um único invólucro: o corpo humano. Essa é a grande caixa da história: o corpo do Dr. Manhattan, capaz de dobrar tempo e espaço. A história começa quando Jon visita uma realidade em que acabou não …

Superman e a Santíssima Trindade – O Espírito Santo, por Neil Gaiman.

O Evangelho Segundo Jesus Cristo. O Espírito Santo, por Neil Gaiman. Publicado em Superman/Green Lantern: The Legend of Green Flame (2000). No Brasil, em Wizard Brasil #3 (dezembro de 2003). Esta história foi imaginada para ser publicada em pequenas partes na revista Action Comics Weekly, logo que John Byrne assumiu as histórias Pós-Crise do Superman. A história, entretanto, não pôde ser publicada à época, pois na trama, Hal Jordan e Clark Kent conheciam as identidades secretas um do outro. Coisa que, para Superman, que seria um herói iniciante, não faria sentido. Muitos anos depois, a HQ foi concluída com ajuda de diversos e renomados artistas e incluída na série Elsewords (Túnel do Tempo/ Realidades Alternativas) da DC Comics. A história conta a origem da bateria do Lanterna Verde Original, Alan Scott (sim, o que é gay agora!), mostra a história do Coração Estelar e revela suas ligações com a criação da Tropa dos Lanternas Verdes. Porque essa história representa o Espírito Santo? Por causa dos apóstolos da Chama Verde, a Tropa dos Lanternas Verdes? Por …

Superman e a Santíssima Trindade – O Filho, por Frank Miller

O Filho Pródigo não Torna à Casa. O Filho, por Frank Miller. Publicada em Action Comics #400 (1984) e publicada por último no Brasil em Coleção Superman 70 Anos – As Grandes Aventuras do Superman (setembro de 2008). Como já falei, Superman é um personagem difícil de ser trabalhado. Imaginem um homem que tem tudo, que pode tudo, que, virtualmente, pode saber de tudo. Talvez,  por essa razão, os roteiristas “pagãos” tenham uma facilidade maior em lidar com esse tipo de poder universal. Como Grant Morrison fez no seu memorável Grandes Astros: Superman. O fato é que Frank Miller é um católico fervoroso, e talvez essa seja sua kriptonita – ou se preferir, sua última tentação – no caso de ser incumbido de escrever uma história do Homem de Aço. A proximidade estraga qualquer análise, dizem os psicólogos. Muitos e muitos elementos católicos podem ser encontrados nas histórias de Frank Miller, principalmente nas do Demolidor. E o que dizer do nome da sua maior criação: SIN City? Até mesmo Ronin tem um tom messiânico. Mas …

A História em Quadrinhos de Super Heróis Definitiva

E se eu perguntasse qual seria para você a obra que define o gênero dos quadrinhos de super-heróis? O que você me responderia prontamente? Watchmen? O Cavaleiro das Trevas? Grandes Astros: Superman? Eu discordaria. Não acho que seja nenhuma daquelas. E talvez a resposta surpreenda você. Primeiro vou justificar porque as obras acima não cabem no pressuposto: todas elas sim, homenageam a indústria e a mitologia dos super-heróis, mas todas de certa medida se utilizam da reconstrução do gênero. Elas não reverenciam o gênero em si, mas o refazem, o repensam, refletem. Sim, são muitos RE’s. “A sociedade Ocidental legitimou o invencível Superman, que os serviu quando o sistema era ameaçado por um inimigo invencível. O Batman apareceu quando Dick Tracy não estava mais disponível para lidar com os grandes crimes. O Homem-Aranha se juntou ao elenco de heróis quando nós não éramos mais inocentes o suficiente no que tangia à perfeição dos nossos super-heróis; e o Spirit veio quando deveria haver um caso perfeito de heroísmo que não eraa terá natal de homens e …

Breve História do Grotesco nos Quadrinhos Americanos

Antes de entrarmos na área dos quadrinhos, seria interessante traçarmos uma definição de Grotesco. Segundo Thiane Nunes em seu livro Configurações do Grotesco, “O Grotesco marca a modernidade, principalmente pela dissonância que revela entre o homem e o mundo. É uma marca de mal-estar. Quando o que se é familiar se torna estranho ou sinistro, as proporções naturais se dissolvem, dando lugar ao sonho, à imaginação ou à realidade que transcende a normalidade”. Assim exposto como o Grotesco marcando a modernidade, é seguro afirmar que quando mais avançamos no tempo, mais representações do grotesco teremos em nossa sociedade. Não por acaso, aconteceu a mesma coisa com os comics, uma forma de arte e expressão recente, que, como todas as artes, teve sua dose de crítica e castração, mas acima de tudo sempre foi considerada uma arte menor, devido aos preconceitos de público, formato e difusão enquanto cultura massificada. Por isso, expor o grotesco nos quadrinhos sempre foi uma contradição devido a esses preconceitos, porém, segundo o esteta francês Jean Onimus: “o grotesco é um estado …

15 HQs Ao Redor do Mundo

Além das pioneiras HQs franco-belgas, Tintin e Asterix, que nos apresentaram o mundo do passado e do presente visto dos olhos dos francófonos, existem outras HQs que retratam o estilo de vida nas mais diferentes partes do mundo. Aqui vai uma lista de 15 delas que li e recomendo: Adeus, Tristeza – A História de Meus Ancestrais, de Belle Yang China. Os desenhos, seguindo a tradição de Persépolis, parecem terem sido feitos por uma criança. Entretanto, a história dos ancestrais de Belle conta, além de muitas traições, casos de amor e brigas em família, a história da China. Cem anos de história: a invasão da Manchúria pelos japoneses, a Segunda Guerra Mundial, a grande fome e a ascensão dos comunistas ao poder. Apesar dos desenhos serem quase infantis, eles ostentam no contraste inocência/brutalidade uma grande carga de poesia.   A Arte de Voar, de Antonio Altarriba e Kim Espanha. Da mesma forma que Yang faz em Adeus, Tristeza, Antonio Altarriba volta no tempo para contar a história do seu pai que percorre praticamente todo o …

Cinema vs. Quadrinhos, por Will Eisner

As diferenças entre as mídias, segundo Will Eisner, em seu livro Narrativas Gráficas: FILMES O público é transportado através da narrativa. Ela não deixa o tempo para contemplar ou saborear as passagens. O observador é um espectador da realidade artificial. TEXTO A aquisição requer a capacidade de ler, o que envolve pensamento, aquisição e lembrança… Os leitores convertem palavras em imagem. QUADRINHOS A aquisição exige menos do que o texto porque as imagens são fornecidas. A qualidade da narrativa depende da disposição de textos e imagens. Espera-se que o leitor participe. Ler a imagem requer experiência e permite a aquisição no ritmo do observador. O leitor deve fornecer internamente o som e a ação das imagens.