Todos os posts com a tag: cinema

Como e Quando Julgar um Quadrinho?

Sempre odiei o fato de que nas redes sociais existe gente que diz apenas “gosto” e “não gosto”, para um quadrinho, para uma série, para um filme, simplesmente “porque sim” ou “porque não”. A pessoa não vai além da superfície e não pesquisa o contexto que aquela produção foi concebida. As artes e seus produtos derivados para a sociedade de consumo são muito mais complexos e muito menos definitivos que um sim e um não alheios e aleatórios, como se dependessem da aprovação do tal “especialista em tudo” para existir. Anúncios

A Importância do Fazer de Conta

Eu fiquei um tanto chocado quando ouvi que Pedro, um dos mais recentes eliminados da cozinha do Masterchef Brasil, declarou que nunca tinha lido um livro de ficção na sua vida. Porém, livros de culinária ele já havia lido muitos. Ele disse que não gostava de ficção. Dados alarmantes de pesquisas anuais revelam que o brasileiro médio lê por volta de dois livros por ano. Em tempos de redes sociais em que as pessoas querem conclamar a razão para si em todas as esferas da vida, se mostra importante haver embasamento teórico para nossos pensamentos. E é aí onde mora a importância da ficção.

Tropa de Elite osso duro de roer pega um pega geral também vai pegar você... Ah, não é esse Tijuana?!?

As Tijuanas Bibles e os Catecismos: Quadrinhos Eróticos de Antigamente

Will Eisner e Joe Shuster foram autores anônimos da Tijuana. Mas o autor brasileiro mais célebre das Tijuana Bibles, ou melhor, os Catecismos brasileiros, foi Carlos Zéfiro, a alcunha do escrivão Alcides Caminha que, nas horas vagas entre um serviço e outro, produzia essas jóias da cultura popular.

Spielberg dando uma de Vingador já que não dirigiu nenhum filme de heróis...

Stephen Spielberg: “Os filmes de super-heróis estão destinados a acabar como o faroeste”.

O premiado e diretor favorito dos fãs Stephen Spielberg, de E.T. – O Extraterrestre, Jurassic Park, A Lista de Schindler e O Resgate do Soldado Ryan, comparou a onda de filmes de super-heróis com os cultuados filmes de faroeste. Ele disse que se trata de mais uma “marolinha que não vai virar onda”, para ficarmos em termos atuais, e que os super-heróis acabarão no ostracismo como o faroeste

As 10 Heroínas Mais Sexies do Cinema

Já trouxemos para vocês nossos TOPs Musos e Musas dos quadrinhos, Musos do Cinema e agora chegou a vez das Musas da Cinema! Tem heroínas (e algumas nem tanto) de todos os tipos e tempos: desde Barbarella, de 1968, até a musa-mor Leia. Concordam? Discordam? Deixe os seus comentários e nos ajude a melhorar a lista.   10 – LEIA (Carrie Fischer) Carrie Fischer é a musa mor de 9 entre dez nerds desde 1983, quando o biquíni dourado (roupa de todas as escrvas do Jabba The Hutt) que ela vestia no “Star Wars: Retorno do Jedi” virou ícone e enlouqueceu todo mundo.   9 – ESPECTRALl II (Malin Åkerman) A sueca Marlin Akerman fez uma Espectral digna da obra mor de Alan Moore, Watchmen. Destaque para a quente cena de sexo com o Coruja, onde fica claro que eles chegaram lá graças ao “fogo” que jorra do Arqui, a nave do Coruja. 8 – EMMA FROST (January Jones) Há muitas mutantes sexys, mas na hora de escolher, qualquer personagem que o uniforme se baseia num …

[TOP 12] Super-Heróis Mais Sexies do Cinema (Em Gifs)

Sim! Depois de fazermos nossa lista de musos e musas dos quadrinhos e todo mundo ter curtido (pelo menos é o que dizem nossos acessos) chegou a vez de fazermos uma lista dos super-heróis mais sexies do cinema. Sim! Atores sem camisa! Em gifs! E tem ator que fez mais de um super-herói no cinema! E sobrou até pra um bichinho! Vamos lá?

Impeach-Man: O Homem da Capa Amarela, de Luciano Braga e Péricles Ianuch (Entrevista)

Levando a sério nossa missão de apresentar a nossos mergulhadores quadrinhos independentes de qualidade, venho apresentar para vocês O Homem da Capa Amarela. Criação de Luciano Braga e Péricles Ianuch, a HQ conta como dois criadores de quadrinhos acabam se envolvendo com um suposto assassino de políticos corruptos, o tal Homem da Capa Amarela, o Impeach-Man.

Esse ano vimos que mais uma onda de protestos varreu o país, então esse tema está mais em voga do que nunca. Além disso, parece que, vem governo, vai governo, a corrupção nunca sai de moda.

Kane & Murdock: um novo escritório. Causas jornalísticas!

A HQ Demolidor: O Fim dos Dias e o filme Cidadão Kane – As Semelhanças

Neste mês e no próximo sairão os dois volumes da série Demolidor: O Fim dos Dias, contando os últimos dias do defensor da Cozinha do Inferno que em breve ganhará série de TV pelo Netflix. A revista original americana era para ter feito parte da série O FIM, que contou as derradeiras histórias de X-Men, Quarteto Fantástico, Hulk, Justiceiro e do Universo Marvel como um todo por escribas e desenhistas renomados que já passaram por esses personagens. Para o Demolidor foi chamada a equipe formada por Brian Michael Bendis, David Mack, Klaus Janson e Bill Sienkiewicz. A produção, entretanto, atrasou muito e a Marvel resolveu desligar essa minissérie do conjunto de O FIM. Mas o que eu queria destacar aqui não é tanto fazer uma resenha da história de O Fim dos Dias, mas traçar comparações com a estrutura e história do filme Cidadão Kane de Orson Welles. Para que não sabe, Cidadão Kane é o filme mais importante do cinema, um marco que deixou influências até hoje. Cidadão Kane quebrou a forma linear de …

10 Motivos Contraditórios Para Amar a Marvel e/ou a DC Comics

MUNDO REAL: Os personagens da Marvel vivem no mundo real. Sim, pelo menos em cidades que existem no mundo real. A maioria das histórias da Marvel têm como pano de fundo a cidade de Nova Iorque, é lá que vive o Homem-Aranha (Queens) e o Quarteto Fantástico (Manhattan). A Mansão dos Vingadores fica lá pertinho e os X-Men não muito distantes. HERÓIS HUMANOS: Eles são falhos. Não na sua moral, mas enfrentam dificuldades que os tornam mais próximos de nós. Os X-Men com o preconceito, o Homem-Aranha com as dificuldades financeiras, o Homem de Ferro com o alcoolismo e a doença cardíaca, o Demolidor e a deficiência visual. Todos obstáculos a serem superados por verdadeiros heróis. OS FILMES: Desde a década passada, a Marvel tem enchido as telas de cinema com filmes incríveis vindo de seu universo. Foi ela que deu uma incrementada na indústria de quadrinhos ao trazer seu Universo inteiro para as telonas, e são heróis das mais variadas origens e poderes. Começando pelo Blade indo até os Big Hero 6, que saíram …

Batmirim um novo leitor!

Definições de Felicidade para um Colecionador de Quadrinhos

Pode ser fácil ou pode ser difícil fazer um fã de quadrinhos feliz. Mas vamos concluir que é b em fácil, na verdade, basta entender seu coraçãozinho quadriculado. Listei 10 coisas que fazem um fanático de quadrinhos feliz: REVISTA NOVA NAS BANCAS: Ah, que beleza ver aquele exemplar que você tanto queria ali nas bancas, primeiro você folheia na banca, depois folheia em casa e por fim, vai ler. CHEIRAR REVISTA: Sim, ler quadrinhos é um vício e nada melhor do que cheirar a revista e sentir o odor da tinta e do papel, da cola e tudo mais que deixou o seu gibi do jeito que está. COMPARTILHAR UMA DESCOBERTA: Eu li uma HQ do carvalho e agora quero mostrar para o povo como ela é boa, ter a gratidão das pessoas por fazê-las entrar no mundo de uma revista também é legal. ASSISTIR UM FILME BASEADO EM QUADRINHOS: Se gostamos do filme ou não, isso é o de menos, o legal é toda aquele suspense antes do filme sair e das especulações com …

O incrível desenho de David M. Buisán. Adoro esse cara!

Por que os quadrinhos são mais importantes hoje do que jamais foram?

“Por mais de um século, os quadrinhos têm se mostrado uma forma de comunicação que casa a sequência linear da tipografia com a percepção global de uma matrix internetesca de partes simultâneas”, essa é uma das razões que tornam os quadrinhos uma mídia tão atual. Para além disso, listei algumas outras razões, inspirado no artigo de Bill Kartalopoulos, para o Huffington Post, que você pode ler aqui. Kartalopoulos é o editor da versão 2014 da incrível coletânea Best American Comics. A MUDANÇA DE PARADIGMA DAS GRAPHIC NOVELS As graphic novels alçaram os quadrinhos a um outro patamar. Os “romances gráficos” levaram alguns jornalistas e teóricos a compararem e até incluírem quadrinhos como literatura, mas, conforme expliquei neste link, quadrinhos não são literatura, eles são mais que isso. São um meio puro, uma narrativa híbrida de palavras e imagens. Ainda assim podem abarcar artes tão grandiosas como a literatura e a pintura, mesmo estando enclausurados no meio de produção industrial e se caracterizando como um meio de comunicação de massa. Esse fenômeno das graphic novels tem …

Federico Fellini fala sobre os Quadrinhos

“Histórias em Quadrinhos são a fantasmagórica fascinação daquelas pessoas de papel, paralisados no tempo, marionetes sem cordões, imóveis, incapazes de serem transpostas para os filmes, cujo encanto está no ritmo e dinamismo. É um meio radicalmente diferente de agradar os olhos, um modo único de expressão. O mundo dos quadrinhos pode, em sua generosidade, emprestar roteiros, personagens e histórias para o cinema, mas não seu inexprimível poder secreto de sugestão que reside na permanência e inabilidade de uma borboleta num alfinete”. “(…) Descobri, assim, com um sentimento de admiração, que, por trás de uma história em quadrinhos, sempre aparecendo regularmente nas bancas, há uma formidável organização eficientíssima e tecnicamente preparada. Como sabemos, nós do cinema pertencemos a uma casta; e os desenhistas, os roteiristas, os coloristas, e os letristas, capazes de preencher o balão com diálogos escritos em uma límpida letra de forma, fazem parte de uma casta de artistas e de artesãos que fascina e faz felizes milhões de leitores de todas as idades. Exatamente como nós do cinema estamos convencidos de fazermos o …

Sentimentos Concretos: Azul é a Cor Mais Quente, de Julie Maroh

Depois de ser muito comentada por causa de sua adaptação em filme, Azul é a Cor Mais Quente saiu na sua forma original no Brasil: em graphic novel pela Martins Fontes. A graphic conta a história de Clémentine, uma jovem francesa descobrindo sua sexualidade através do amor que sente por Emma. No percurso ela também descobre o significado do amor. Nesse quesito, Azul é a Cor Mais Quente, é uma das obras em quadrinhos mais bem-sucedidas. Ela não descreve os sentimentos dos personagens somente em palavras, mas como se fosse um filme bem dirigido, as expressões dos personagens não estão somente nos seus diálogos ou em sua narrativa em off. Os personagens transbordam sentimentos, seja nos olhares, nos gestos, em um sorriso. Além disso, a autora Julie Maroh, se utiliza de intervenções visuais para concretizar sentimentos, quando imagens valem mais que mil palavras. Por exemplo, quando Clémentine se sente excitada por um uma mulher pela primeira vez. Ou o abismo em que ela cai quando percebe pela primeira vez que pode ser lésbica. É como …

Os Melhores Romances que Li em 2013

1Q84 – Livro 1, Haruki Murakami Ler esse novo sucesso do autor japonês mais cultuado no mundo de hoje, me fez embarcar na vida dos personagens. Fez com que eu fizesse parte de um Japão moderno, nada tradicional. Fui buscar por mais leituras de obras orientais – estou falando dos mangás – que comportassem aquele clima que o livro me passou. Mas ainda fico na dúvida do que se trata o livro e a que ele veio: um mistério que só vou conseguir entender quando ler os Livros 2 e 3. Ele trata de amor, em primeiro lugar, claro, os dois personagens principais possuem uma relação que só será elucidada no fim da trilogia (espero). O livro é uma homenagem a 1984, de George Orwell – o ano em que nasci – e se passa também no mesmo ano. Entretanto, se você está esperando o Grande Irmão, ministérios, duplipensar, censura, vai demorar um pouco para entender como esses elementos estão presentes. Talvez a maior qualidade de Murakami seja a sutileza, mas não se trata de …

Os Melhores Quadrinhos Brasileiros Que Li em 2013

ESTÓRIAS GERAIS, WELLINGTON SRBEK E FLÁVIO COLIN Esperava que essa fosse mais uma daquelas histórias em quadrinhos brasileiras que glorificam o país, mas acabei me deparando com uma história rica. A riqueza de Estórias Gerais fica por conta de seu traço cultural sem cair no exagero ou no ufanismo.  São “estórias” – assim grafada da maneira antiga que diferenciava a narrativa dos acontecimentos humanos – , porque elas têm aquele gostinho de cousas antigas, de causos que nossos avós contavam. Ela permite um paralelo com as novelas fantástico-maravilhosas da Globo, como Saramandaia e Roque Santeiro e tantas outras que seguem nessa tradição de Dias Gomes, mas cuja fonte mesmo é a inovadora literatura moderna de Guimarães Rosa. Estórias Gerais traz vários causos de um interior do Brasil situado numa fronteira entre o nordeste e o sudeste rural,ou  talvez no centro-oeste do país, que se entrelaçam formando um painel único dessa tradição. ENTREQUADROS – CIRANDA DA SOLIDÃO, MÁRIO CÉSAR Esta foi uma das HQs que eu incentivei a produção através do site Catarse, e acabei fazendo …

Thor 2 – O Mundo Sombrio, de Alan Taylor

Não fui com muitas esperanças de encontrar em Thor 2 – O Mundo Sombrio um grande filme de super-heróis. Tive que dar o braço a torcer e perceber que, diferente do primeiro filme, Thor 2 é um dos melhores filmes do Marvel Studios até agora.   DEIXEM O THOR DE LADO Ok, o primeiro filme já passou, então não precisa mais contar a origem do Thor (Chris Hemsworth), quem ele é, o que ele quer, porque ele não é feliz e blá, blá, blá. O fato é que sem a persona de Donald Blake, ou uma das suas múltiplas outras (Erick Masterson, Sigurd Olson, Jake Olsen), temos que dizer que o Thor fica meio sem graça (seria pior se ele falasse com o inglês arcaico). Aquela “voz de trovão”, impostada, querendo ser Batman já é o bastante. Então, os roteiristas – entre eles Chistopher Yost, de X-Men – Evolution, Robin Vermelho e X-Force –, numa sábia decisão, resolveram deixar um pouco Thor de lado e se concentrar em dois fronts: Midgard (a Terra) e Asgard …

O camundongo e o mestre dos magos. Três dedos: um escândalo animado, de Rich Koslowski

O que aconteceria se os desenhos animados vivessem lado a lado com pessoas reais? Você poderia dizer que isso já foi feito em Uma cilada para Roger Rabbit e em vários filmes da Disney bem antigos como Alô, Amigos e Mary Poppins. Pois é, mas é bem deste Walt Disney que trata Três Dedos e, também, de sua maior criação, Mickey Mouse. Porém, nesta HQ, o criador é Dizzy Walters e a criatura é Rickey Rat. A graphic novel, listada como uma das 500 essenciais pela Harper Collins,  começa com depoimentos de várias pessoas e de toons, relatando a vida de Dizzy e Rickey e o envolvimento dos dois. Cada um desses depoimentos tem lugar em uma página do livro e se repetem, conforme necessário. Paralelo a isso, temos uma linguagem documental, em letras de máquina, acompanhada de “fotos” que retratam a história do cinema e dos Estados Unidos. Dessa forma é contada a biografia dos dois, com muito mais to tell e pouquíssimo to show, conferindo a Três Dedos a exceção que confirma a …

Henry James falando sobre quadrinhos?

Henry James, escritor consagrado de A volta do parafuso e Retrato de uma senhora, nasceu em Nova York, em 1834 e morreu em 1916, em Londres. Nessa época, os quadrinhos ainda estavam dando seus primeiros passos. Então, como Henry James poderia ter escrito sobre quadrinhos? A resposta é que ele não escreveu. Mas chegou muito próximo disso quando comparou a literatura com a arte plástica em seu ensaio “A arte da ficção”, incluído no livro A Arte da Ficção, de 1884. (Publicado no Brasil pela Editora Novo Século em 2011). SE A PINTURA É A REALIDADE, O ROMANCE É A HISTÓRIA Foi o que disse o autor, que a pintura representa o que a visão pode alcançar. (Claro, muito antes dos movimentos modernistas mudarem essa perspectiva). Mas se a pintura está relacionada com o espaço, a história, o romance, estão relacionados com o tempo. Os quadrinhos, por sua vez, representam o espaço e o tempo através de seus quadros justapostos. Ambos são uma representação da realidade. Segundo o autor, “um romance, em sua definição mais …