Todos os posts com a tag: george pérez

Renascimento DC e os Destaques da DC Comics / Panini Comics Para Março de 2017

Vocês estavam loucos para ler Renascimento, não é? Bem, então, este mês (cof, cof!) teremos o especial DC Renascimento pela Panini Comics. Mas não é só isso. Vão sair muitos encadernados para deixar sua estante um luxo só, até ela cair no chão, esparramar suas HQs e estragar todas elas! Uhuuu!

Anúncios

Destaques do Checklist DC Comics / Panini Comics Para Fevereiro/2017

Uhuuu! Finalmente Os Novos 52 estão acabando! Hasta la vista, babe! E não volte! EPA! Pera, ainda falta acabar a revista do Superman. Mas ok, é mero detalhe. Em março já teremos o REBIRTH em terras brasileiras. Enquanto isso, fique com os destaques para o mês do carnaval! TAPADORES DE BURACOS Bem, você já sabe que a Panini fez uma manobra para fazer caber suas publicações em 52 números, né? Então foram necessários encadernados para encerras todas as séries. Alguns deles são estes. A Sombra do Batman Especial: Capuz Vermelho e Arsenal traz o fim do rosca-enrosca com a Filha do Coringa. Apesar de eu curtir a mística ao redor dessa personagem desde a Turma Titã, o roteiro é escrito pelo Scott Lobdell, então acho que vou passar. A Sombra do Batman: Grayson traz o encerramento da fase de espião de Dick Grayson, ex-Robin, ex-atual Asa Notuna. As histórias de Tom King foram muito elogiadas, bem como os desenhos de Mikel Janin. Eu estava com muita vontade de conhecer essa série e essa é minha …

Melhores e Piores Leituras de Agosto de 2016

Agosto! O mês do desgosto! O mês do cachorro louco! Mas não é que esse mês reserva muitas leituras legais? E até as leituras que foram parar nos piores do mês nem são tão horrendas assim. Temos Marvel, DC, Vertigo, Brasileira e temos até um Mangá esse mês! Quem diria! Venha comigo se quiser vir ver!

Destaques do Checklist DC Comics/Panini Para Abril/2016

Com a insurgência do evento DC & Você, a Panini traz três novas revistas da DC Comics à baila e mais vários encadernados de séries desse momento editorial. Como não somos do seleto grupo que recebe os checklists da Panini todo o mês, não reparem que as imagens tem a marca d’água do blog Planeta Gibi, uma ótima fonte quando se trata de lançamentos e novidades. #fikadika

As 10 Maiores Duplas de Criação dos Comics

Acredito que os quadrinhos funcionam melhor quando são em colaboração do que quando feitos por uma pessoa só. Duas cabeças pensam melhor que uma e, assim cada um pode se dedicar ao seu ponto forte e trazer essas vantagens para os quadrinhos. Os comics americanos funcionam muito nesse sentido colaborativo. E as melhores colaborações dos super-heróis serão comentadas agora.

Será Que Ele É? 10 Criadores LGBT de Comics

Já foi o tempo em que essa pergunta andava nas bocas das pessoas. Hoje saber se uma pessoa é gay ou não só importa para os próprios gays que podem ter um interesse na pessoa. Tá, e a alguns moralistas que ainda acham isso um absurdo fora do comum. Talvez por essa razão a maioria dos criadores LGBT dos quadrinhos se encontra no meio indie, como é o caso de Alison Bechdel, Howard Cruse, Dean Haspiel, Ralph Konig e Julie Maroh, nomes proeminentes do gueto quadrinístico LGBT.

Os Melhores dos Melhores

Saudades: Melhores do Mundo (Panini)

A competição entre a Pixel Media e a Panini Comics pelo direito de publicação da DC Comics no Brasil acabou gerando a oportunidade de surgir um mix bem diferente de super-heróis da editora das lendas. E a Legião dos Super-Heróis finalmente voltava a ser publicada com regularidade em terras tupiniquins. Venha se lembrar ou conhecer a revista Os Melhores do Mundo, versão Panini Comics!

SplashFolia – Concurso de Fantasias de Super-Heróis (Parte 2)

CATEGORIA GLOBELEZA (AS MAIS PELADAS DOS QUADRINHOS)     Façamos o seguinte exercício criativo: imagine o momento singular em que as editoras perceberam que as personagens femininas dos quadrinhos poderiam lutar apenas de biquíni ou maiô; em seguida, tente imaginar a satisfação dos nerds adolescentes, enquanto descobrem o poderoso efeito dos hormônios em seus corpos, chegando nas bancas e vendo revistas onde personagens curvilíneas lutam semi-nuas,  sempre em poses provocativas e algumas até dando voadora de perna aberta. O que isso gera? Mais vendas e banhos demorados, claro! Sim, meus amigos, os quadrinhos também influenciam a crise no abastecimento de água! Trazendo essa realidade para o âmbito carnavalesco, a disputa seria fortíssima. Várias silhuetas femininas com menos roupa do que profissionais de entretenimento adulto fazem jus ao título de “mais peladas”.  Poderíamos falar de Psylocke, que tentou seduzir o ciclope e vivia de dando voadora com as pernas abertas nos anos 90, ou ainda da Supergirl que voava de minissaia, da Mulher-Aranha com roupa fechada a vácuo (deve ser, de tão colada que é), ou …

A Crise Final da Marvel e a Guerra Secreta da DC

Rumo ao fim da Marvel! Rumo às novas Guerras Secretas! E à Convergência de todas as Crises! Guerra tem pra todos os lados. Crise, então, eu tenho uma a cada dia. Mas a guerra que nos pegou de surpresa esse mês foi a nova edição da megassaga Guerras Secretas, da Marvel Comics, que completa 30 anos em 2015. Tanto é que a próxima edição do SplashPod vai ser inteiramente dedicada a discutir o final da Marvel, ou a nova Guerras Secretas. Mas para você ficar por dentro do que aconteceu historicamente, eu faço aqui um apanhado dos principais eventos que redefiniram Marvel e DC Comics e mexeram com suas realidades, seus multiversos e omniversos. Me acompanhem! 10 motivos mais um extra pra acompanhar Secret Wars e Convergence! 00. TORNEIO DE CAMPEÕES (1982) Tudo começou com um evento-teste em 1982, o Torneio de Campeões, que foi publicada aqui em Heróis da TV. Esse evento reunia vários heróis do mundo todo (e foi aqui que surgiram vários heróis internacionais) que eram divididos em duas equipes. Uma pertencia ao …

Capitã Marvel nos cinemas em 2018!

Quem é essa tal Capitã Marvel?

Quem é essa tal Capitã Marvel que vai ganhar filme pela Marvel Studios / Disney dentro do universo cinemático da Marvel? Quem é essa mulher que vem ganhando títulos da Marvel nos EUA e encadernados da Panini Comics no Brasil? O que é a Tropa Carol? Descubra aqui. Descubra agora! A ORIGEM DA MISS MARVEL O título Ms. Marvel, lançado em 1977, trazia uma história de superação feminina. O alter-ego de Miss Marvel é Carol Susan Jane Danvers, a filha mais velha e única garota de uma família muito grande, que passou a infância competindo com seus irmãos mais jovens. Desde muito cedo, Carol teve uma natureza independente e grandes aspirações para o futuro. Estes desejos, contudo, eram repreendidos pelo pai da moça, que preferia investir o seu dinheiro na educação de seus filhos homens e acalentava a crença que um marido seria a solução para os problemas da jovem, pois este a sustentaria pelo resto de sua vida. Desobedecendo a seu pai e seguindo sua admiração pela aviação e seu sonho de voar, Carol …

10 Razões Por Que o Superman dos Novos 52 Não Funciona

Hoje li a última edição do Superman da Panini e chego à conclusão de que não sei por que estou “investindo” em um personagem que não vai para frente. Nem a chegada de Scott Snyder e Jim Lee à revista serviu para transformar as histórias do Azulão menos “indigestas”. Por que eu NÂO deveria estar investindo está bem claro. Os motivos seguem abaixo: LOIS LANE SUBAPROVEITADA: Lois Lane é o coração e a mente das histórias do Superman. Não por acaso havia uma série que se chamava Lois & Clark: As Aventuras do Superman. A personagem, que já teve série própria, agora está apagada, com um namorado novo, um loiro aguado sem a mínima graça e sem a mínima tensão com Clark, que por sua vez não parece ter interesse nenhum em Lois. LEX LUTHOR NA CADEIA: A maior mente criminosa do Universo DC está na cadeia e, ao invés de aproveitá-lo da maneira que fizeram com Lionel Luthor na série Smallville, Luthor parece tão apagado quanto os outros personagens coadjuvantes. SUPERMAN NAMORANDO MULHER-MARAVILHA: Se …

Glamour Selvagem – Fashion Beast: A Fera da Moda, de Alan Moore, Malcolm McLaren, Anthony Johnston e Facundo Percio.

No prefácio desta edição, Alan Moore apresenta Malcolm McLaren (responsável pelo apogeu e queda do Sex Pistols) como um homem que quer os holofotes sobre si, atraindo a atenção da imprensa marrom (amarela, em língua inglesa, graças ao personagem de quadrinhos Yellow Kid), causando polêmica, buscando sempre uma nova maneira de sobressair-se sobre os outros, criando novidades e desprezando o que criou anteriormente. Temos aí um bom retrato que, num maravilhoso ato falho, Alan Moore faz de si mesmo, aturdido pela persona de Malcolm McLaren. Cabe explicar que Fashion Beast é a adaptação para quadrinhos de um roteiro perdido de Alan Moore em parceria com Malcolm McLaren. Este último acreditava que a fusão de quadrinhos e cinema seria a nova grande onda mundial (lá nos anos 80, hein, até que o cara entendia da coisa). McLaren acreditava que um roteirista de quadrinhos poderia trazer um novo vigor para o cinema por causa das fusões e transições que os dois meios são capazes de gerar. Coube a Anthony Johnson e Facundo Percio fazerem o caminho contrário, …

Eu cresci no Universo Marvel, por Joss Whedon

“Eu cresci no Universo Marvel. Eu tinha uns 10 anos quando entrei pela primeira vez. Ross Andru fazia o Homem-Aranha se balançar por toda Nova York. George Pérez tinha jogado os Vingadores na Contraterra. Foram os meus primeiros gibis, aquele pelos quais eu corria pra banca de jornal, mas logo estava lendo quase toda a linha da Marvel. Conhecia todas as histórias também; devorava todas as edições anteriores, origens e antologias que podia encontrar. Era um espaço rico e místico, cheio de grandes aventuras cósmicas e dramas pessoais. Um bom lugar para crescer. E a melhor parte de tido isso é que esse universo parecia estar crescendo junto comigo. Enquanto eu passava pela adolescência e me deparava com uma realidade sombria e mais complexa, a Marvel acompanhava cada um dos meus passos. As revistas, que já eram tão ricas, tornavam-se mais profundas e sombrias. Conceitos mais audaciosos, narrativa visual mais sofisticada. Os personagens era mais ambíguos, bem amarrados, torturados e adultos do que qualquer adulto pudesse suspeitar. Deathlock, Howard, o pato, Wolverine, Elektra. Estava a …

A História em Quadrinhos de Super Heróis Definitiva

E se eu perguntasse qual seria para você a obra que define o gênero dos quadrinhos de super-heróis? O que você me responderia prontamente? Watchmen? O Cavaleiro das Trevas? Grandes Astros: Superman? Eu discordaria. Não acho que seja nenhuma daquelas. E talvez a resposta surpreenda você. Primeiro vou justificar porque as obras acima não cabem no pressuposto: todas elas sim, homenageam a indústria e a mitologia dos super-heróis, mas todas de certa medida se utilizam da reconstrução do gênero. Elas não reverenciam o gênero em si, mas o refazem, o repensam, refletem. Sim, são muitos RE’s. “A sociedade Ocidental legitimou o invencível Superman, que os serviu quando o sistema era ameaçado por um inimigo invencível. O Batman apareceu quando Dick Tracy não estava mais disponível para lidar com os grandes crimes. O Homem-Aranha se juntou ao elenco de heróis quando nós não éramos mais inocentes o suficiente no que tangia à perfeição dos nossos super-heróis; e o Spirit veio quando deveria haver um caso perfeito de heroísmo que não eraa terá natal de homens e …

Coadjuvantes Cômicos e Cheinhos da Era de Ouro

Desde Robin tem sido assim, quando se discute os companheiros dos paladinos da justiça logo se vêm à mente crianças ou adolescentes belos, saudáveis e habilidosos que se arriscavam ao lado dos heróis e tomavam para si a identificação do leitor. Mas nem sempre foi assim. Muitos heróis durante a Era de Ouro, ao contrário de terem como sidekicks jovens aprendizes, contavam com a ajuda de adultos, na maioria com alguns quilos a mais e que proporcionavam o alívio cômico em suas histórias de aventura. Para começar, Batman tinha Alfred, que diferente do esguio serviçal retratado hoje em dia era um rotundo inglês com ácidas palavras capazes de constranger até o Cavaleiro das Trevas. Johnny Quick tinha Tubby Watts. E como um efeito retardado desta onda até Lois Lane, lá pelos anos 70 tinha uma amiga gordinha com o sugestivo nome de Marsha Mellow. Os amigos gordinhos e engraçados foram um aspecto muito característico dos quadrinhos de super-heróis durante os anos 40, inspirados em grande maioria por comediantes da época não negavam a origem do …

As Eras dos Quadrinhos – Parte 9

Período de Transição D – Nostalgia: Ah, como seu fantasma ainda paira… Enquanto o mercado direto contraía e se concentrava nas mãos da distribuidora Diamond Comic Distribuitors, o mercado de comics propriamente dito fazia o mesmo. Houve uma queda de 14% no volume de vendas em 1998 e 5% em 1999, segundo o Comic Buyer Guide, chegando a menos da metade dos patamares de 1993, o melhor ano. No conteúdo das revistas, pairava o fantasma da nostalgia. Era um sentimento que editores e leitores dividiam depois de perceberem que as mudanças drásticas que foram feitas na maioria dos super-heróis não eram garantia de boas histórias. Olhavam para trás, para as eras passadas, principalmente a Era de Prata, na ânsia de resgatar o sentimento que vinha daquelas aventuras, cheias de incongruências, mas ainda assim divertidas e descompromissadas. Alan Moore foi um dos primeiros a assumir esse sentimento e desenvolveu para o Supremo, criação de Rob Liefeld, quadrinhos propositalmente calcados nas aventuras e no universo do Superman da Era de Prata. Foi realizada uma espécie de resgate …