Todos os posts com a tag: ed brubaker

Renascimento DC e os Destaques da DC Comics / Panini Comics Para Março de 2017

Vocês estavam loucos para ler Renascimento, não é? Bem, então, este mês (cof, cof!) teremos o especial DC Renascimento pela Panini Comics. Mas não é só isso. Vão sair muitos encadernados para deixar sua estante um luxo só, até ela cair no chão, esparramar suas HQs e estragar todas elas! Uhuuu!

Anúncios

Os Melhores Quadrinhos da DC Comics Que Li em 2016

Neste ano, a editora das lendas publicou no Brasil a fase que ficou conhecida com DC&VOCÊ. Eu gostei muito dos títulos e da proposta da editora tentar trazer histórias que agradassem à todo tipo de público. Claro que durante essa iniciativa tivemos alguns percalços como o título do Constantine. Mas a variedade foi muito boa e uma pena que vários títulos não saíram por aqui. Temos que ser felizes com o que temos não é mesmo? Ou não. Vamos aos melhores do ano da DC Comics:

Melhores e Piores Leituras de Setembro de 2016

Uhlala! Tivemos uma lista longa nesse mês de Setembro em que a flora floresce e a fauna acasala. Muitas coisas boas, mas muitas coisas ruins também. A Coleção Marvel de Graphic Novels da Salvat em sua versão Clássicos tem feito cadeira cativa aqui na nossa sessão mensal. Muita coisa foi resenhada com mais cuidado, mas aqui vão algumas minirresenhas da nossa seleção!

10 Quadrinhos Noir de Super-Heróis dos Anos 2000

Os anos 2000 consolidaram um estilo de quadrinhos de super-heróis: os quadrinhos noir. eram roteiros mais densos, escritos de uma forma policial e investigativa. Também a estética deles era diferente das outras: uma atmosfera mais carregada, um chiaroscuro bem utilizado, pesado nas sombras. Muitas dessas séries de quadrinhos marcaram época e fizeram escola. Aqui, destacamos algumas HQs noir de super-heróis dos anos 2000.

A Trilha da Mulher-Gato, de Darwyn Cooke, Ed Brubaker e Brad Rader

A Mulher-Gato é a fantasia mais procurada entre 7 de 10 mulheres. Ela, talvez, seja a vilã reformada mais popular dos quadrinhos. Nesse encadernado, seus autores tentam aproximar a personagem de uma defensora dos fracos e rejeitados da sociedade, como as prostitutas. O resultado é um quadrinho altamente noir, com uma colorização que dá esse clima. Para saber mais, me acompanhe!

Os 19 Quadrinhos Mais Vendidos do Ano pela Panini (até então)

Eu sempre acreditei que, como formadores de opinião, e principalmente de quadrinhos, devíamos dar uma ajuda a divulgar os títulos das editoras para aquecer o mercado. Porque no Brasil quadrinho não vende e isso e aquilo. Mas a verdade é que nunca ganhei um quadrinho sequer de uma grande editora tipo a Panini para divulgação. Das editoras menores e independentes, sim. Então, será que a Panini precisa de ajuda na divulgação?

MAIS Destaques do Checklist Marvel/Panini para Junho/2016

Olá mergulhadores! Como sempre chega fim do mês e é hora do checklist do começo do mês. Pelo menos na Marvel Panini é assim! E olha que a gente foi atrás pra trazer outros destaques pra vocês lá na primeira semana. Mas fazer o quê, né, a gente só compra as revistas deles. Ah, pra que se preocupar em ser bom pro consumidor? Eles são líderes de mercado mesmo. Who cares? Hã… Nós!

Mudando (ou não) o futuro – O Abrigo: Volume Um, de Joshua Hale Fialkov e Joe Infurnari

Você PRECISA ler essa HQ! Se teve um quadrinho que mexeu comigo até então esse ano, foi o Abrigo. Uma história sobre “o que aconteceria se você soubesse o que acontecerá no futuro e se pudesse mudar isso”, sendo que o grande responsável pelo fim do mundo é você e seus amigos. Você deixaria tudo acontecer ou seria um agente da mudança?

Como os Filmes Ajudaram a ReConstruir a Personalidade dos Vingadores

Mesmo que alguns possam dizer que o filme dos Vingadores é muito inocente, muito bonachão e muito família, ele tem de ser destacado quanto à sua caracterização de personagens. É através dela, e não das que vinhas sendo trabalhadas desde os anos 90 nos quadrinhos, que todo mundo conhece esses personagens.

Gargalhadas Superiores. HUAHUAHUAHUA! (foi superior?!)

Gargalhadas Superiores: Os Inimigos Superiores do Homem-Aranha, de Nick Spencer e Steve Lieber

Uma das séries mais hilárias da Marvel dos últimos tempos, Os Inimigos Superiores do Homem-Aranha, deixa qualquer gibi do Deadpool no chinelo. A premissa da série é a reunião de um novo Sexteto Sinistro, só que com cinco integrantes. Isso é pra começar a risada. Liderados por Bumerangue, Fred Myers, que quer aplicar o golpe do século e ficar rico e poderoso, o “Sexteto” conta ainda com Shocker, o vilão mais zoado do Homem-Aranha; Corisco, que já participou dos Thunderbolts, assim como Bumerangue; e os novos personagens Turbo e Besouro. Além das gargalhadas, outro destaque da série são a linguagem e a narrativa. Spencer e Lieber trabalham gags visuais como nenhuma outra revista com viés humorístico. Desde bonecos super-deformed, ao estilo dos mangás, passando por balõezinhos estilo The Sims e acabando com uma planta vertical do QG do Coruja com os perigos que nosso heróis vilões têm de enfrentar. OS AUTORES Nick Spencer vem da cena independente. É dele a criação do sucesso Morning Glories, que teve dois volumes publicados no Brasil. Morning Glories chegou …

Será que a culpa é dos pints de Guiness

O Círculo das Influências, de Will Eisner a Kelly Sue DeConnick

É inegável que autores influenciam e são influenciados. Dentro dos quadrinhos não podia deixar de ser o mesmo. Muitos deles, é claro, tiveram influência de outros tipos de arte, como a pintura, o teatro, o cinema. Esse é um blog que enfoca mais o roteiro, porque dos princípios da arte eu entendo é muito pouco. Então gostaria de mostrar para vocês o que podemos chamar de o Círculo da Influência dos Quadrinhos. Essa foi uma ideia que o Érico Assis explanou comigo uma vez enquanto comentávamos o livro Super Graphics, de Tim Leong. Na época cheguei a fazer um gráfico parecido para explicar as influências do rock’n’roll, que vocês podem conferir nesta primeira imagem. Nos quadrinhos, parti do ponto inicial que seria Will Einser, o cara que modificou o jeito moderno de fazer quadrinhos e influenciou, bem… todo mundo, de Alan Moore a Frank Miller, a Bendis e Ellis. Frank Miller, um confesso fã de Eisner, chegou a fazer um livro de entrevistas com o mestre, chamado Eisner/Miller, – uma provocação dos quadrinhos ao clássico …

Os homens que não amavam o frio.

O Poder da Subjetividade: Soldado Invernal – Enterrando o Passado, de Jason LaTour e Nic Klein

Uma boa história policial com toques de crueldade e muita ficção científica, foi o que acabei achando em Soldado Invernal – Enterando o Passado, de Jason LaTour e Nic Klein, publicado este mês na edição especial de Avante, Vingadores! (Número 59.1). Utilizando o mesmo costume que Ed Brubaker, o “criador” do Soldado Invernal começou na série, LaTour e Klein exploram os esqueletos no armário de Bucky Barnes. Histórias de espionagem invariavelmente remetem à Guerra Fria, a James Bond e a uma estética dos anos sessenta. Nic Klein deixa isso muito claro em seus desenhos e na experimentação narrativa que produz aliado a Latour. Sequências de abertura fulminantes, com uma paleta de cores beirando o monocromático, que dão uma sensação de frieza para uma história ainda mais fria. O enredo da história envolve um momento piedoso de Bucky Barnes, o Soldado Invernal, em que ele deixa uma menina, filha de um gênio da física, sobreviver. Essa menina se torna uma assassina impiedosa e uma das grandes mentes da física. Ela acaba por estudar os usos dos …

Matt Fraction: Less is More, Moore is Lessie, and why try to be a Grant Morrison wannabe?

Ah, Matt Fraction, eu não sei o que faço com você. Se te amo ou te odeio, ou se continuo a ficar no meio. Termo. O fato é que o trabalho de Matt Fraction é inconstante. Lendo as páginas do especial que a Panini lançou de Os Defensores, percebi o quão bom narrador ele é. Não que eu já não tenha percebido isso em outras publicações, mas porque todo esse esforço exagerado para parecer cool e criar um estilo “próprio” em Casanova? Ou eu sou muito muito burro, ou não entendi a que veio a série. Era pra ser divertida? Talvez. Mas ela usa as referências de uma maneira que afasta e não envolve o leitor. Fraction começou como escritor independente, nas publicações The Five Fists of Science e Casanova, esta última em parceria com os ótimos artistas brasileiros Gabriel Bá e Fábio Moon. Logo depois, apadrinhado por Ed Brubaker, iniciou uma parceria com o mesmo no elogiadíssimo O Imortal Punho de Ferro, da Marvel, que reimaginava a mitologia de Danny Rand, o lutador de …

O Império dos Sentidos

Onde imperam as sensações também imperam os sentimentos. O Demolidor de Mark Waid, Paolo Rivera e Marcos Martin é uma aplicação precisa da técnica do Total Recall, ou memória eidéitca. Waid abusa dos sentidos na história do super-herói, cego desde criança, com os outros sentidos ampliados e dotado de uma percepção de radar. Tentando evitar seu destino de virar lutador como o pai, Matt Murdock tornou-se um brilhante advogado. Porém, acabou tornando-se também o combatente do crime conhecido como Demolidor. Total Recall, além de ser o nome original do filme O Vingador do Futuro, também é uma técnica de escrita e de análise, que consiste em trazer para o texto ou para o momento atual sentimentos do passado através dos sentidos. De olhos fechados, ouvindo uma melodia calma, somos levados a relembrar gostos, aromas, sensações, cores. Na história do Demolidor, Matt ajuda um garoto cego a lembrar-se de um diálogo perdido em sua memória através dessa técnica, rearranjando objetos, servindo um chá aromático, vestindo a roupa certa, etc.. A partir dessa cena temos um pequeno …

As Eras dos Quadrinhos – Post Scriptum

Contrariando as previsões de Mark Millar, de que a indústria de comics teria um ritmo de crescimento menor na década de 2010 e também a despeito da crise econômica mundial que se abateu sobre os EUA e o mundo a partir de 2008, o mercado de quadrinhos vai muito bem, obrigado. Segundo dados do ICV2, entre 2003 e 2013, o crescimento foi de 96%. Isso se deve, em grande parte, para o grande destaque dos comics em outras mídias, seja em animações, séries de TV, filmes e até mesmo a internet. Em 2 de maio de 2008 estreava o filme do Homem de Ferro, o primeiro do Marvel Studios, que pretendia fazer nas telonas o que já era feito nos gibis: um universo interligado. A estratégia deu certo, e nos anos seguintes seriam lançados Thor, Capitão América – O Primeiro Vingador, além do segundo filme do latinha. Tudo isso para culminar em 2012 com um dos maiores fenômenos do cinema, The Avengers – Os Vingadores, reunindo todos estes personagens. O filme teve a maior abertura …